Vereador do Cidadania é pré-candidato a prefeito de São João Batista (SC)

O vereador da cidade de São João Batista (SC), Heriberto Eurides de Souza, o Betinho Souza (Cidadania), afirmou que é pré-candidato a prefeito nas próximas eleições de outubro. O parlamentar quer construir um nome para ser seu companheiro de chapa até o dia 4 de abril.

Membro da Executiva Estadual do Partido, o vereador Betinho comunicou na reunião que aconteceu no sábado (15) da sua intenção e recebeu apoio incondicional da deputada federal Carmen Zanotto, presidente do Cidadania de Santa Catarina.

Betinho foi candidato a deputado estadual em 2018 e consolidou sua liderança na região defendendo o voto pela renovação.

São João Batista

Com praticamente quarenta mil habitantes, o município é considerado o terceiro polo industrial calçadista do Brasil. Há ainda expressiva participação das indústrias de componentes para calçados. (Alisson Micoski)

Cidadania lança padre Hudson Rodrigues pré-candidato a prefeito de Parauapebas (PA)

Padre Hudson Rodrigues tem 40 anos e é natural de Conceição do Araguaia (PA) – Foto: Reprodução

O Cidadania de Parauapebas (PA) lançou, nesta terça-feira (18), o padre Hudson Rodrigues como pré-candidato do partido para a disputa da Prefeitura do município nas eleições municipais de 2020.

Padre Hudson Rodrigues tem 40 anos e é natural de Conceição do Araguaia (PA). Ele mudou-se para Parauapebas aos 7 anos de idade e foi ordenado sacerdote há 14 anos, em Curionópolis, e em seguida assumiu uma paróquia em Parauapebas.

O pré-candidato do Cidadania tem um histórico de serviços prestado à comunidade na área social à frente da Fazenda da Esperança. (Com informações do Jornal Correio do Pará)

Fabrício Gandini é pré-candidato a prefeito do Cidadania em Vitória (ES)

Para Gandini, a próxima gestão deverá aprofundar ainda mais a adoção de políticas públicas com o objetivo de renovar a base econômica da Capital capixaba (Foto: Reprodução/ALES)

O deputado estadual do Espírito Santo, Fabrício Gandini, pretende disputar a Prefeitura de Vitória (ES) e se lançou como pré-candidato do Cidadania ao cargo. O parlamentar adiantou em entrevista ao Portal do partido que sua gestão, caso eleito, será de continuidade do trabalho realizado pelo atual prefeito, Luciano Rezende, do Cidadania.

Para Gandini, a próxima gestão deverá aprofundar ainda mais a adoção de políticas públicas com o objetivo de renovar a base econômica da Capital capixaba. Ele também defendeu avanços na questão da “Cidade Inteligente”, com novas tecnologias.

O parlamentar do Cidadania defendeu ainda na entrevista a seguir “um grande planejamento” por meio do diálogo e com a participação de toda a sociedade na busca de soluções para a cidade.

Por que disputar a Prefeitura de Vitória?

Fabrício Gandini – Nós nos preparamos tanto de forma acadêmica quanto política. Já estou há 10 anos construindo a história da cidade de Vitória como vereador e temos esse desejo no coração de contribuir com o município. O prefeito Luciano Rezende está fazendo um ótimo trabalho e nos queremos completar parte dele.

É possível fazer mais pela cidade?

O Luciano [Rezende] preparou a cidade num período de grandes perdas econômicas. Tivemos no Espírito Santo o fim de um recurso que era o Fundap [Fundo de Desenvolvimento das Atividades Portuárias], referente às importações. Com essa perda, tivemos que reconstruir a cidade em outras bases [financeiras]. Luciano foi um gestor importantíssimo para esse momento e agora a cidade precisa dar um salto em novas atividades, como ciência e tecnologia, por exemplo, remontando a base econômica que Luciano deixou bem preparada. É continuar o trabalho e dar esse salto para que possamos de fato fazer diferença dentro do cenário nacional.

Caso eleito, como será pautada a sua gestão?

Precisamos fazer um grande planejamento com a participação das pessoas da sociedade e colocar isso em prática dialogando bastante. Isso é um governo moderno. Dialogar bastante com a sociedade para entender às perspectivas e buscar soluções. Vai ser um governo de muito diálogo e realizações.

Como o Cidadania poderá contribuir na sua gestão?

O partido tem sido o meu norte já há algum tempo nessa construção, principalmente no que a FAP [Fundação Astrojildo Pereira] faz. Os nossos modelos em outros locais e os parlamentares de outros estados são uma referência muito importante. [Roberto] Freire é símbolo da ética. A gente tem no partido um pilar importante dessa construção que levaremos para a cidade de Vitória.

Perfil

Fabrício Gandini nasceu em 6 de janeiro de 1980 em Vitória, é advogado, especialista em Gestão Municipal de Políticas Públicas, mestre em Planejamento Regional e Gestão de Cidades. Foi eleito vereador de Vitória em 2008, 2012 e 2016 e presidiu a Câmara Municipal de Vitória no biênio 2013/2014.

O parlamentar do Cidadania também foi secretário de Gestão, Planejamento e Comunicação da Prefeitura de Vitória. No pleito de 2018, Gandini foi eleito com 20.170 votos e está em seu primeiro mandato na Assembleia Legislativa.

Nas eleições de 2014, foi convidado a ser candidato a vice-governador na chapa do então governador Renato Casagrande (PSB).

Marcelo Calero é pré-candidato do Cidadania à Prefeitura do Rio de Janeiro

O parlamentar destaca a necessidade de trabalhar a questão do emprego reforçando vocações naturais do município: turismo e cultura (Foto: Reprodução)

O deputado federal do Cidadania, Marcelo Calero (RJ), é o pré-candidato do partido na disputa pela prefeitura do Rio de Janeiro nas eleições de outubro. Em entrevista ao Portal do Cidadania, o parlamentar adiantou que pretende propor uma nova forma de administração sem a polarização política que hoje toma conta do País. Para ele, é preciso trazer a população para dentro da administração pública.

Na entrevista a seguir, Marcelo Calero aponta os principais problemas do município, como a saúde, a conservação da cidade e o grave problema de moradia que afeta milhares de cariocas. Além disso, o parlamentar destaca a necessidade de trabalhar a questão do emprego reforçando vocações naturais do município: turismo e cultura.

Marcelo Calero adiantou que, caso eleito, sua gestão se preocupará com o “interesse público” sem “coloração política”. Segundo o pré-candidato, é preciso oferecer um governo para todos e não voltado apenas para pequenos grupos de interesse.

Por que disputar a Prefeitura do Rio de Janeiro?

Marcelo Calero – Por dois motivos básicos: primeiro porque a cidade precisa trazer à discussão temas que são importantes e com arejamento sem a gente ficar nessa dogmática de esquerda e direita, buscando evidências para definirmos políticas públicas. A gente propor à cidade uma nova forma de administrar. Essa é a perspectiva da cidade. Mostrarmos para a população que existem alternativas para além dessa polarização que está tomando conta da política brasileira e que dentro desse espectro, dentro desse combate à polarização, digamos assim, existe um partido, o Cidadania, que está buscando, como o próprio nome sugere, trazer cidadãos, trazer pessoas que talvez nem se imaginassem na política para esse debate, essa discussão pública.

Quais são os principais problemas do município na sua opinião?

O principal problema hoje sem dúvida alguma do Rio de Janeiro é a saúde. O carioca vive hoje com o sistema municipal de saúde totalmente sucateado. Vidas estão sendo perdidas cotidianamente e eu acho que a principal prioridade do próximo prefeito será a questão da saúde. É claro que junto da saúde vem outros temas. A ordem pública, por exemplo. Os cariocas têm reclamado muito da conservação, da zeladoria da cidade.

A educação está sem um plano estratégico. Isso é importante no médio e longo prazo. E a questão do emprego. O Rio de Janeiro tem perdido muito emprego e empresas. Não oferece um ambiente saudável para os negócios e o próximo prefeito precisa cuidar disso, reforçar vocações naturais do Rio, como o turismo e a cultura.

E temos também a questão da habitação que é crônica no Rio. Com todos esses acidentes climáticos que tem acontecido, e vão ficar cada vez piores por conta das mudanças climáticas, a gente precisa cuidar bastante. Porque se não cuidarmos da habitação, nós também estaremos perdendo vidas. No final das contas, a gente precisa valorizar o carioca. Valorizar o carioca significa lembrar a trajetória civilizacional que faz parte desse arcabouço cultural carioca, zelando pela sua vida e pela sua segurança.

Caso eleito, como será pautada a sua gestão?

Já tive a oportunidade de ser gestor em diferentes ocasiões. Eu sempre tratei a coisa pública de forma republicana. O que isso quer dizer para as pessoas entenderem? É nós não analisarmos a coloração política da pessoa que está conosco. É não nos guiarmos por paixões e ímpetos. É nós nos guiarmos pelo o que é melhor para o interesse público. Acho que essa é a grande diferença, inclusive, que o Cidadania traz como partido. Ou seja, buscamos sempre aquilo que a coletividade entende como melhor, governar para todos e não para um partido ou patota. Nós queremos que todos os cidadãos sintam no seu cotidiano a diferença de serem governados por um partido ou grupo político que não se preocupa com a próxima eleição, mas se preocupa, sim, em ter uma boa gestão.

Como o Cidadania poderá contribuir na sua gestão?

O Cidadania traz um caráter independente. Acho que isso é o melhor que pode existir. Não é um partido que cobra dos seus filiados qualquer tipo de repartição de poder. Não é um partido que se filia a um desses polos que estão dominando a política. É um partido que busca a independência e a prevalência do interesse público. Acho que esse é o grande diferencial que o Cidadania traz à administração.

Perfil

Marcelo Calero nasceu no Rio de Janeiro, em 7 de julho de 1982. É graduado em Direito pela Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e mestre em Ciência Política pelo Iesp-Uerj (Instituto de Estudos Sociais e Políticos do Rio de Janeiro). É advogado, diplomata de carreira e político brasileiro. Membro do Cidadania desde março de 2018, foi eleito deputado federal com 50.533 votos nas eleições de 2018 pelo estado do Rio de Janeiro.

Cedido para a Prefeitura do Rio de Janeiro a partir de 2013, Marcelo Calero atuou como coordenador adjunto de Relações Internacionais, como presidente do Comitê “Rio450”, responsável pela comemoração dos 450 anos do Rio de Janeiro (2013-2014), e como secretário de Cultura (2015). Em 2016, exerceu a função de ministro da Cultura de junho a novembro, quando renunciou ao cargo após denunciar forte pressão para rever um parecer técnico desfavorável a interesses pessoais do então ministro-chefe da Secretaria de Governo da Presidência da República.

Após deixar o Ministério da Cultura, Marcelo Calero juntou-se a uma série de grupos cívicos apartidários originados dos protestos do impeachment de 2016, representando uma vontade da sociedade civil em favor da mudança. São os casos do RenovaBR, Livres, Agora! e RAPS que defendem uma cultura política de renovação, ao mesmo tempo em que se opõem à polarização política. Atualmente, exerce o mandato de deputado federal integrando às Comissões de Cultura e de Educação, o Comitê de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência, dentre outros colegiados.

Daniel Coelho é pré-candidato do Cidadania para disputa da Prefeitura de Recife

Recife sofre com os últimos 20 anos de governos do PSB e PT, afirma Daniel Coelho (Foto: Reprodução)

O deputado federal do Cidadania Daniel Coelho (PE) é o pré-candidato do partido para a disputa da Prefeitura de Recife nas eleições municipais de outubro deste ano. Em entrevista ao Portal do Cidadania (veja abaixo), ele destacou os motivos que o fazem disputar o Executivo municipal da Capital pernambucana e aponta os principais problemas enfrentados pela cidade.

Segundo Daniel Coelho, Recife sofre com os últimos 20 anos de governos do PSB e PT. Para ele, a Capital teve uma piora na prestação de serviços aos seus cidadãos com equívocos e gastos públicos desnecessários dessas gestões. Ele defende que é preciso retomar o desenvolvimento da cidade por meio da educação e tratar o empresariado local como aliado, facilitando a geração de novos negócios e não dificultando os já estabelecidos comercialmente.

O parlamentar diz ainda na entrevista a seguir que sua eventual gestão será democrática, enxuta e participativa, com uma equipe profissional e eficiente. Ao ser questionado como o Cidadania poderia ajudar, Daniel Coelho ressaltou a qualidade “dos quadros” do partido, citou a gestão exitosa do prefeito de Vitória (ES), Luciano Rezende, e disse querer contar com a participação do ex-governador e senador, Cristovam Buarque (DF), na elaboração de um programa educacional.

Por que disputar a Prefeitura de Recife?

Daniel Coelho – A gente tem 20 anos de governo do PSB e PT. O Recife teve uma piora na prestação da qualidade de serviços. A saúde publica piorou muito. Foram feito investimentos imensos em corredores exclusivos de ônibus e estão hoje todos destruídos e deteriorados. O Recife tem um IDEB [Índice de Desenvolvimento da Educação Básica] inferior a de cidades pobres do interior de Pernambuco. Então, a educação pública municipal andou para trás. Nesse período os índices de violência na cidade pioraram e o sentimento da população é de mudança. O Cidadania tem uma posição de protagonismo hoje em Pernambuco. Nós estamos fazendo um diálogo com os demais partidos de oposição e o desejo é de que o Cidadania concorra em faixa própria, mas isso é uma construção que tem que ser coletiva. Ninguém pode ser candidato de si mesmo. Se a oposição estiver unida, não tenho duvidas de que iremos para o segundo turno e venceremos as eleições.

Quais são os principais problemas do município na sua opinião?

Precisamos dar prioridade na transformação por meio da educação. A rede municipal de ensino está completamente abandonada. Precisamos recuperar a questão da empregabilidade. O desemprego na cidade de Recife é mais alto do que a média nacional. O Recife não pode continuar sendo uma cidade inimiga do empreendedor. Nós precisamos facilitar a vida de quem quer gerar emprego. Dois terços do emprego em Recife são gerados pelo pequeno e micro empresário. É aquele cidadão que tem um pequeno bar, uma padaria ou um quiosque e que emprega uma ou duas pessoas, e que faz a economia do Recife girar. Essas pessoas enfrentam uma burocracia imensa e o município trata quase como um inimigo esse pequeno empreendedor. A gente precisa resgatar o que é a origem do Recife, a cidade dos mascates, do empreendedor. Daquele que vai à luta e que faz a partir do seu esforço a sua renda. E esse, sem nenhuma dúvida, é o primeiro desafio. A gente recuperar o emprego e também avançar na questão de uma real evolução na educação municipal, que é o que pode dar oportunidade a todos no mercado de trabalho.

Caso eleito, como será pautada a sua gestão?

Uma gestão democrática e aberta. Uma gestão enxuta com os melhores quadros e os mais profissionais. Uma gestão que tente não negar a política, mas fazer a boa política de escolher aqueles que tem capacidade técnica para ocupar cada secretaria e diretoria do município. Uma gestão, sem nenhuma dúvida, que dê prioridade aos mais pobres, às áreas mais carentes e à periferia do Recife, que tem sido abandonada ao longo dos últimos anos.

Como o Cidadania poderá contribuir na sua gestão?

O Cidadania tem quadros, tem experiência e boas ideias. Tem intelectuais que sem nenhuma dúvida vão contribuir para nossa gestão. A gente tem a boa experiência do prefeito Luciano Rezende, em Vitória. Tem muito a copiar. A gente tem também um dos maiores especialistas em educação do Brasil, o ex-governador e senador Cristovam Buarque, pernambucano e que tem amor pelo Recife. Não tenho nenhuma dúvida de que ele vai nos ajudar também a elaborar o nosso programa  de governo na educação. E quando a gente vai começar a discutir saúde e avançar na segurança, nos temos especialistas dentro da nossa bancada. Então, sem nenhuma dúvida, a gente vai ter a colaboração de todos.

Perfil

Daniel Coelho é administrador e foi eleito vereador do Recife por dois mandatos consecutivos, em 2004 e 2008. Em seguida, foi deputado estadual de Pernambuco, eleito em 2010 com 47.533 votos. Nas eleições de 2014, foi eleito deputado federal com 138.825 votos, o sexto candidato mais votado no estado, e reeleito deputado federal nas eleições de 2018.

Em 2019, desempenhou o papel de líder do Cidadania na Câmara. É considerado um político experiente e tem como uma das suas principais bandeiras o meio ambiente.

O parlamentar aparece em primeiro lugar na pesquisa mais recente de intenções de voto para prefeito do Recife. De acordo com o Instituto Paraná Pesquisas, Daniel Coelho tem a preferência de 20% dos entrevistados.

Arnaldo Jordy é pré-candidato do Cidadania para disputa da prefeitura de Belém

Ex-deputado diz pretende fazer uma campanha limpa e com propostas que possam ser executadas (Foto: Robson Gonçalves)

O ex-deputado federal, Arnaldo Jordy, é pré-candidato do Cidadania para disputar a Prefeitura de Belém nas eleições municipais de outubro. Ele destacou, em entrevista ao Portal do Cidadania (veja abaixo), que conhece em profundidade os problemas enfrentados pela Capital paraense e diz que tem muito a contribuir com o município.

Jordy fala na conversa que pretende fazer uma campanha limpa e com propostas que possam ser executadas. O ex-parlamentar criticou as falsas promessas que apenas “desapontam o eleitor” e garantiu que, caso eleito, realizará audiências públicas semestrais para fazer balanço de uma eventual gestão.

Por que disputar a prefeitura de Belém?

A gente tem um acumulo da compreensão de alguns problemas da cidade. Fui vereador por quatro mandatos durante 16 anos e deputado federal mais votado da historia de Belém. Naturalmente que meu nome pela nossa presença no município seja lembrado. Mas vivemos um período em que as duas últimas gestões na Prefeitura não foram tão exitosas como gostaríamos. Os problemas se acumulam na saúde, educação e mobilidade urbana. Estamos há 10 anos para fazer um BRT em Belém. Isso tem estimulado um conjunto de companheiros suscitando essa possibilidade [de candidatura a prefeito]. Construímos essa hipótese de disputar tendo o cuidado de ter uma avaliação clara dos problemas e refutando qualquer possibilidade de fazer campanha com promessas de coisas não realizáveis. Mas é possível mudar o curso do desenvolvimento de Belém por uma cidade mais justa, equilibrada e sustentável, e que possa efetivamente superar muito das nossas deficiências em termos de políticas publicas.

Quais seriam os principais problemas do município?

O problema de Belém, pelo menos no que ouço nas ruas, é o da mobilidade urbana, um problema grave na cidade. Precisamos fazer uma revisão geral no sistema a partir de um planejamento de expansão territorial da cidade, com uma revisão de todo o sistema de mobilidade.

Outro problema grave é a segurança. Por mais que não seja responsabilidade constitucional do município, não tem como os municípios se afastarem dessa responsabilidade porque o prefeito é líder de sua cidade e precisa dar respostas, fazendo parcerias com o governo do estado e federal. O ministro [da Justiça] Sérgio Moro tem demonstrado interesse em focar regiões metropolitanas onde hoje se tem indicadores de violência muito grande. Isso já tem dado alguns resultados no País e é possível fazer em conjunto com a guarda municipal, com a compreensão de que uma cidade inteligente ajuda s segurança na medida em que você pode operar com câmeras de segurança. Iluminação pública e pavimentação tem haver com segurança pública também, para garantir que o cidadão tenha o seu direito de ir vir.

E temos o problema da desigualdade que está na base real de todo esse problema. Quantos jovens derivam para o campo da delinquência por falta de oportunidades, potencializa à violência. São campos que precisam ser atacados e com certeza, ao ser feito, vai impactar nesses indicadores da segurança.

O saneamento básico também é um problema. Belém hoje, a cada chuva, típica da região, vive em grau mais acentuado [do problema]. Quantas famílias aparecem na mídia tendo que levar seus filhos de canoa para a escola. Coisa que há pouco tempo não se via nas periferias da cidade. É um problema que precisamos atacar.

Temos também a saúde publica com várias unidades básicas sem um pediatra. Hoje o Ministério da Saúde e a OMS [Organização Mundial de Saúde] recomendam que se tenha no mínimo um clinico geral, pediatra e ginecologista [nas unidades básicas de saúde]. Infelizmente, Belém carece disso. Esses são os problemas mais sentidos pela população de Belém.

Como será a sua gestão caso eleito?

Primeiro precisamos estabelecer um pacto de compromisso com a sociedade, construindo isso desde a campanha. Você só consegue concluir esse pacto se tiver credibilidade para estabelecer essa relação de confiança. Não tenho pretensão de enganar ninguém – um problema da política em geral. E é por isso, inclusive, que a politica tem um grau de insatisfação diante de uma parcela expressiva da opinião publica. O cidadão está carente de muitas coisas e com um discurso mentiroso as pessoas acabam acreditando e depois vêm a decepção.

Precisamos tirar essa dose de maquiagem e malabarismo da opinião pública dizendo o que realmente é possível fazer dentro do orçamento do município, para que essa relação de credibilidade se estabeleça. Com isso, estabelecer um pacto institucional com todos os agentes públicos, como a Câmera de Vereadores, Ministério Publico, etc. Uma pacto com metas a serem cumpridas ao longo da gestão, para ter governabilidade e cada um dar sua contribuição no desenvolvimento do município. E claro, a transparência. Temos o compromisso de realizar audiências públicas de forma semestral para prestação de contas, dizendo o que foi arrecadado, gasto e no que se pretende gastar ouvindo criticas e contribuições da população.

Como o Cidadania pode contribuir no seu projeto?

O partido é uma boa novidade na política brasileira. Temos uma larga experiência de formulação em poder local, como a saúde por exemplo. Temos o SUS [Sistema Único de Saúde] que foi parido por uma concepção gerada por muitos quadros do partido. O partido desde o PCB [Partido Comunista Brasileiro] e PPS [Partido Popular Socialista] tem uma larga experiência e contribuiu em políticas públicas no Brasil comprometido com a ética.

A gestão do Cidadania sempre foi limpa. Não temos membros do Congresso Nacional ou lideranças envolvidos em esquemas de corrupção que constrange o brasileiro. Isso é um sinal concreto que temos compromisso com a ética. Temos compromisso demonstrado e isso é bom em um País que R$ 220 bilhões por ano são desviados em corrupção. Temos uma militância bastante comprometida que pode ajudar e muito num projeto dessa natureza.

Perfil

Arnaldo Jordy é advogado, ex-deputado federal e reconhecido nacionalmente por sua luta em defesa das causas sociais e ambientais.

Iniciou sua carreira política em 1986 como vereador na cidade de Belém e eleito pelo então PCB (Partido Comunista Brasileiro). Foi reeleito para as duas legislaturas seguintes, 1992 e 1996.

Em 2004, assumiu um mandato, do qual era suplente, na Assembleia Legislativa do Pará, para terminar a legislatura 2003-2006. Já em 2006, foi reeleito deputado estadual para o quadriênio 2006-2010. Neste segundo mandato presidiu a Comissão de Direitos Humanos em 2008, e foi vice-presidente da Comissão de Meio Ambiente no ano de 2007. Em 2009 presidiu a Comissão de Defesa do Consumidor e foi relator da CPI [Comissão Parlamentar de Inquérito] que apurou Denúncias de Abuso e Exploração Sexual no Pará e condenou pessoas importantes nunca antes alcançadas pela Justiça.

Nas eleições de 2010, foi eleito com 130 mil votos para representar o povo paraense na Câmara dos Deputados, obtendo a maior votação na história da capital do estado. Foi reeleito em 2014. Em 2017, assumiu a liderança da bancada do PPS na Câmara. No parlamento, presidiu diversas Comissões permanentes, como a de Meio Ambiente, e foi responsável pela CPI do Tráfico de Pessoas na qual atuou como presidente.

Hector Martins é lançado por Roberto Freire pré-candidato à Prefeitura de Arapiraca (AL)

Advogado recém filiado ao partido demonstrou que está se preparando para representar o partido nas eleições municipais de outubro (Foto: )

Presidente nacional do Cidadania lança Hector Martins como pré-candidato a prefeito de Arapiraca

A filiação do ex-presidente da OAB/Arapiraca ao Cidadania 23 foi sobrescrita pelo ex-ministro Roberto Freire

Após praticamente um ano de especulações, Hector Martins despiu o terno da advocacia e vestiu a camisa de possível candidato às eleições municipais. A filiação do ex-presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil/Arapiraca ao Cidadania23 foi sobrescrita pelo ex-ministro Roberto Freire, presidente nacional do partido, e pelos presidentes dos diretórios estadual e municipal, Régis Cavalcante e Pedro Pires, respectivamente, em uma cerimônia festiva na noite de quinta-feira (30) no auditório do Sesi.

Martins demonstrou que está se preparando para representar o partido nas eleições municipais e afirmou, durante seu discurso, que manteve conversas com prefeitos do Cidadania do Sudeste e Sul em busca de inovações que podem solucionar problemas de Arapiraca e que devem fazer parte do projeto político de sua candidatura.

Hector Martins aponta soluções inovadoras para Arapiraca (Foto: Cidadania-AL)

“Em conversa recente com o prefeito de Vitória do Espírito Santo mudei por completo a minha visão de gestão pública. Lá, um simples aplicativo revolucionou a Saúde, eliminando as filas do SUS [Sistema Único de Saúde]. Se um morador de Vitória precisa fazer uma consulta ou um exame, pode marcar com a ajuda de um telefone. Se a pessoa não tem telefone, certamente o filho ou um vizinho tem e ele consegue marcar. Imagina se isso fosse colocado à disposição de Arapiraca e de outros lugares”, afirmou o pré-candidato, apontando ainda soluções inovadoras que podem ser aplicadas na segurança pública e Educação, que são aplicadas com sucesso em municípios administrados por prefeitos do Cidadania.

Para o presidente nacional do partido, Roberto Freire, que além de ministro da Cultura no governo Temer também foi deputado federal e senador por Pernambuco, Hector Martins representa o novo perfil político buscado pelo Cidadania.

Freire: Partido terá maior número de candidatos jovens nas próxima eleição (Foto: Cidadania-AL)

“O partido está experimentando agora algo que não tínhamos nas eleições de 2016, que é um número maior de candidatos com algumas características mais interessantes, mais jovens. E esse processo tem muito a ver com a renovação que a sociedade está pedindo neste momento político. Nesse contexto, o Cidadania se coloca como uma alternativa democrática e Hector, em Arapiraca, é uma representação disso. Estou muito satisfeito de estar aqui em Alagoas, experimentando essa renovação. Cidadania é futuro”, afirmou.

De acordo com Régis Cavalcante, que preside o diretório estadual da legenda, Arapiraca, assim como Alagoas, vem sendo administrada por grupos políticos dominantes que se alternam no poder.

Régis Cavalcante: O Cidadania defende a alternância de poder (Foto: Cidadania-AL)

“A possibilidade de ter alternativas na política acrescenta e aumenta o aprofundamento da democracia, que é, entre outras coisas, a convivência entre os contrários. O Cidadania defende a alternância de poder e Hector tem hoje uma enorme missão, que é fazer de Arapiraca uma cidade mais feliz, mais agradável, que tenha importância para o Estado e para o Brasil. Hector representa esse sangue novo na política, que realmente quer e tem as condições para fazer as transformações que o município precisa”, declarou. (Site Sete Segundos)

Jośe Luiz Nanci é pré-candidato à reeleição em São Gonçalo (RJ)

Prefeito pauta administração na formulação de metas reais para a sociedade e no desenvolvimento regional da cidade (Foto: Reprodução)

O prefeito do Cidadania em São Gonçalo (RJ), José Luiz Nanci, é pré-candidato à reeleição para a prefeitura do municípios. Nanci tem pautado a sua administração na formulação de metas reais para a sociedade e no desenvolvimento regional da cidade.

Perfil

José Luiz Nanci (São Gonçalo, 11 de junho de 1952) é médico e ao Cidadania. Atualmente é prefeito da cidade de São Gonçalo, cargo que ocupa desde janeiro de 2017. Anteriormente foi vereador e secretário de Saúde na mesma cidade, além de deputado estadual por dois mandatos.

Nascido no bairro Zé Garoto, em São Gonçalo, cidade onde foi criado e até hoje reside, José Luiz Nanci se formou em Medicina. Ele é casado e pai de dois filhos.

Em 2006, concorreu a uma vaga na Câmara dos Deputados, ficando como suplente. Durante o cumprimento de seu quinto mandato consecutivo no legislativo gonçalense, em 2010, José Luiz Nanci se lançou em campanha para deputado estadual do Rio de Janeiro. Alcançou a vitória e se elegeu para seu primeiro mandato na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, onde atuou como 4º Secretário da Casa. Ele também foi secretário de Envelhecimento Saudável e Qualidade de Vida durante os primeiros meses do ex-governador Luiz Fernando Pezão.

Em agosto de 2016, decidiu candidatar-se à Prefeitura de São Gonçalo, seu reduto eleitoral, numa coligação composta pelo então PPS [Partido Popular Socialista], PSL [Partido Social Liberal] e Solidariedade Após ter sido o mais votado no primeiro turno, foi eleito em 30 de outubro prefeito da cidade ao derrotar Dejorge Patrício, candidato do PRB.(Com informações da internet).

Rafael Diniz é pré-candidato à reeleição pelo Cidadania em Campos dos Goytacazes (RJ)

Prefeito vem investindo em projetos para diversificar a economia local, principalmente em micro e pequenas empresas (Foto: Reprodução)

O prefeito do Cidadania de Campos dos Goytacazes, Rafael Diniz, se lançou neste início de ano pré-candidato à reeleição. Ele tem atuado pelo desenvolvimento do município com apoio da população, como o Programa Municipal de Apoio a Startups e na diversificação da economia.

Rafael Diniz vem investindo em projetos com o objetivo de diversificar a economia local, principalmente em micro e pequenas empresas.

“O Fundecam [Fundo de Desenvolvimento de Campos], criado lá atrás para aproveitar melhor os recursos dos royalties teve 80% de seus R$ 400 milhões perdidos. O dinheiro foi investido em grandes empresas que pegaram os recursos e sumiram. Então, hoje a gente pega o Fundecom e investe em micro e pequenas empresas. Contratos assinados com microempreendedores gerando receita, renda e são, de fato, alternativa”, explica o prefeito.

“Temos trabalhado de forma incansável pela transformação da nossa cidade. Mas não apenas como prefeito, até porque, antes de prefeito, sou um cidadão apaixonado por esta cidade. Fomos postos à frente de um grande desafio e, desde então, temos nos reinventado para redescobrir um município que já foi um dos mais fortes do País. Poucas cidades contam com tanta história e força de trabalho. Basta entendermos que as grandes mudanças não dependem de uma pessoa, mas da união dos campistas que desejam olhar para frente e recolocar o município em seu devido lugar”, disse nas redes sociais.

A prefeitura também tem feito investimentos na agricultura com a criação de programa municipal que ajuda os agricultores amortizarem os juros pagos a programas federais como o Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura).

Perfil

Rafael Diniz, 35 anos, é nascido em Campos dos Goytacazes onde vive com a sua família. Foi vereador na cidade de 2012 a 2016. O atual prefeito de Campos sempre viveu a política municipal. Seu avô, Zezé Barbosa, foi prefeito por três mandatos na cidade também devido a trajetória política de seu pai, Sérgio Diniz, que exerceu mandato de deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro e de vereador.

Júlio César Filho é pré-candidato do Cidadania na disputa de Maracanaú no Ceará

‘Minha gestão será pautada na inovação e na eficiência da gestão pública’, diz o deputado estadual (Foto: Reprodução)

O deputado estadual do Ceará, Julio César Filho, do Cidadania, pretende disputar a Prefeitura da cidade cearense de Maracanaú nas eleições municipais de outubro. O parlamentar destacou que pretende expandir o trabalho desenvolvido em prol do município focando nas principais demandas da população: saúde, emprego, segurança pública, educação e saneamento básico.

Perfil

Em 2019, Júlio César Filho assumiu a função de líder do governo Camilo Santana (PT) na Assembleia Legislativa após ocupar o cargo de vice-líder dos governos Cid Gomes e Camilo Santana. Em seu terceiro mandato, o parlamentar já atuou como Ouvidor na Casa, presidente da Comissão de Juventude e da Comissão de Orçamento Finanças e Tributação, além de ser Coordenador do Projeto Atlas de Divisas Georreferenciadas dos Municípios Cearenses, encarregado de solucionar divergências nos limites intermunicipais no estado. 

Entrevista

Por que disputar a prefeitura do seu município? 

Como parlamentar e líder do governo Camilo Santana na Assembleia Legislativa, temos conquistado importantes vitórias para a população de Maracanaú. Intermediamos junto ao governador Camilo Santana demandas apresentadas pelos maracanuenses. Conseguimos a construção da Praça Mais Infância, importante equipamento de promoção de uma infância saudável e espaço de convivência e lazer da população.

O governador Camilo Santana inaugurou ainda uma areninha que atende crianças e adolescentes no bairro Jatobá.  Também investiu pesadamente na área da segurança pública, com a instalação do Batalhão do Raio e do Núcleo de Investigação de Homicídios. Dentre diversos outros investimentos, o município será beneficiado com uma importante obra de melhorias no sistema de abastecimento de água e de esgotamento sanitário, no montante de quase R$100 milhões. Temos a certeza de que à frente da prefeitura de Maracanaú podemos fazer muito mais pelo município.  

Na sua opinião, quais são os principais problemas no município? 

Acredito que, entre as principais carências de Maracanaú, está a necessidade da prefeitura construir mais creches. O nosso município ainda tem bairros carentes que precisam de ações básicas, como pavimentação nas ruas e espaços de lazer. O serviço de Saúde também é precário em Maracanaú.  

Caso eleito, como será pautada a sua gestão? 

Minha gestão será pautada na inovação e na eficiência da gestão pública. Queremos transformar  Maracanaú em uma Cidade Tecnológica e assim facilitar a vida do cidadão. Focaremos em ações de geração de emprego e renda em nosso município.  

Como o Cidadania poderá contribuir na sua gestão? 

O escopo político ideológico do Cidadania é pautar uma gestão pública transparente, participativa e eficiente. Dentro desse entendimento, o partido poderá ser muito útil, principalmente por termos grandes referências em todo Brasil. Eleito, colocarei tudo isso como prioridade da minha gestão.

Pré-candidato à Prefeitura de Belo Horizonte, João Vitor visa gestão eficiente para capital mineira

João Vítor Xavier é deputado estadual e presidente do partido Cidadania no estado (Foto: Reprodução)

O deputado estadual de Minas Gerais e presidente estadual do Cidadania no estado, João Vitor Xavier, é pré-candidato à Prefeitura de Belo Horizonte pelo partido na eleição municipal de outubro. O parlamentar, que é jornalista e apresentador de programa esportivo, é conhecido politicamente pela sua austeridade em relação ao dinheiro público, com ações como renuncia do auxílio moradia, o fim do 14º e 15º salários para deputados, dentre outras ações.

Caso seja eleito, o pré-candidato visa uma gestão eficiente para a capital mineira.

Perfil

João Vítor Xavier foi eleito para o seu primeiro cargo público em 2008 como vereador em Belo Horizonte. Em 2018, foi reeleito para o seu terceiro mandato consecutivo de deputado estadual. Na Assembleia Legislativa, renunciou ao auxílio-moradia logo no primeiro dia de mandato, votou pelo fim do 14º e 15º salários para os parlamentares da Casa – a chamada “verba de paletó” -, votou pelo fim do pagamento de participação em reuniões extraordinárias – “horas extras” para os deputados – e pelo fim do voto secreto na Assembleia de Minas.

Na Casa legislativa, o parlamentar foi relator de importantes projetos de lei como o PMDI (Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado): planejamento de Minas Gerais para os próximos 20 anos, até 2030, uma das leis mais importantes da Assembleia; e da a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias), que estabeleceu o planejamento do estado para o ano de 2013.

Na legislatura passada (biênio 2017/2018), foi presidente da Comissão de Minas e Energia, tendo atuação destacada na relatoria do Projeto de Lei 3.676, de 2016, que dispõe sobre o licenciamento ambiental e a fiscalização de barragens no estado. O parlamentar apresentou um substitutivo ao projeto propondo uma mudança de paradigma, ampliando a segurança nos empreendimentos, principalmente em relação às barragens de rejeito.

Em 2019, o deputado João Vítor Xavier, seguindo o trabalho iniciado no ano anterior, foi um dos autores e teve atuação fundamental e decisiva na aprovação do projeto de lei “Mar de Lama Nunca Mais”, que institui a Política Estadual de Segurança de Barragens e determina a erradicação das barragens construídas pelo método de alteamento a montante em Minas Gerais. O projeto foi aprovado e sancionado na forma da Lei 23.291, de 2019. Atualmente, é vice-presidente da Comissão de Minas e Energia da Assembleia mineira.

João Vítor Xavier nasceu em Belo Horizonte, tem 37 anos. Formado em Jornalismo pelo Uni-BH (Centro Universitário de Belo Horizonte), o parlamentar integra a equipe de esportes da Rádio Itatiaia desde 2000 e apresenta, diariamente, o programa Bastidores desde 2004. Tem larga experiência em coberturas internacionais, tendo participado de eventos como Copa Mundo, Jogos Olímpicos, Jogos Pan-Americanos e Mundial de Clubes.

Virmondes Cruvinel defende adoção do conceito de cidade inteligente em Goiânia

Pré-candidato a prefeito de Goiânia (GO), o deputado estadual do Cidadania de Goiás, Virmondes Cruvinel, disse em entrevista ao portal do partido que apostara no uso da tecnologia para tornar a administração pública mais eficiente e próxima da sociedade.

“Goiânia hoje é uma grande cidade com diversidade dentro da própria cidade, com bairros e regiões diferentes, mas com problemas comuns. Acredito que o Cidadania com essa pegada de fortalecer a pauta das cidades inteligentes pode avançar. A tecnologia pode ajudar na melhoria dos resultados de políticas públicas que venhamos adotar. Respostas mais rápidas para a sociedade e diminuição da burocracia, para garantir oportunidades com planejamento estratégico. Existe hoje um grande distanciamento e é preciso aproximar as pessoas da prefeitura. Goiânia tem grande potencial em usar essas ferramentas e se tornar uma referência como cidade inteligente”, disse.

Virmondes afirmou que a tecnologia tem grande potencial para otimizar a mobilidade urbana.

“Temos presenciado o uso de aplicativos como alternativas, além claro, do próprio transporte público. A questão dos motoristas de aplicativos é uma realidade. Acredito que bicicletas e patinetes podem ser agregadas e dar mais opções ao cidadão, além de contribuir na diminuição de engarrafamentos, associado com transportes não poluente. No controle de tráfego já usamos a tecnologia e ela passa no controle dos ônibus públicos, cumprimento do horário e rota. Isso tudo pode ser facilitado com o uso da tecnologia”, destacou.

Ele também destacou o uso da tecnologia na saúde pública e até mesmo na limpeza urbana.

“Vemos aí o caos do atendimento na área da saúde. Você percebe que existe grande dificuldade no atendimento primário. Atendimento que deve ser humanizado, mas a tecnologia pode ser usada para identificar onde podem estar os problemas. Vejo isso sendo associado em outras áreas, com a limpeza urbana, por exemplo. Podemos saber se os caminhões estão andando e o lixo recolhido devidamente, controle que pode, inclusive, ser feita via satélite. Acredito que Goiânia pode avançar ainda mais para que a gestão seja de resultados e não só de discurso”, afirmou.

Perfil

Procurador do Estado licenciado e professor universitário, o deputado estadual Virmondes Cruvinel defende a educação, o desenvolvimento sustentável, o empreendedorismo e os direitos sociais. É pré-candidato a prefeito de Goiânia, cidade em que foi o vereador mais votado, para implantar as bandeiras do Cidadania na gestão municipal.

Alexandre Pereira defende que próximo prefeito de Fortaleza deverá ser conciliador

O secretário municipal de Turismo de Fortaleza, presidente do Cidadania no Ceará e pré-candidato à prefeito da capital cearense, Alexandre Pereira, falou, em entrevista ao portal do partido, que pretende deixar um legado importante para a cidade. Para ele, o próximo gestor deverá estabelecer um discurso conciliador.

“Tenho sido provocado pelas lideranças locais e pelo partido para este desafio [concorrer à prefeitura]. Vejo isto com muito carinho. Como secretário de turismo tenho trabalhado para deixar um legado importante. O próximo prefeito de de Fortaleza, antes de qualquer bandeira partidária, terá que ter um discurso conciliador e tentar unir essa polarização vivenciada no Brasil”, defendeu.

Para o dirigente do partido no Ceará, um gestor público precisa estabelecer relações entre os governos federal e estadual.

“Um gestor público precisa ter boa relação com o governo federal e estadual. Construir essas relações independente de cores partidárias. Por isso me sinto tão a vontade no Cidadania que também se propões a isso. Partido que prepondera o diálogo e onde os opostos conseguem conviver. Mesmo com discursos acalorados tendem a convergir para algo positivo. Acho que é nessa linha. O novo gestor terá que ter essa característica”, defendeu.

Perfil

Graduado em Administração de Empresas pela Universidade Estadual do Ceará (Uece), Alexandre Pereira é pós-graduado em Gestão Estratégica pelo Instituto Europeu de Administração e Negócios (INSEAD), na França, pós-graduado em Gestão Pública e Privada pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e pós-graduado em Gestão Pública pela Fundação Dom Cabral (MG).

Foi secretário de Desenvolvimento Econômico do Ceará, ex-presidente do Centro Industrial do Ceará, ex-presidente do Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria do Ceará e presidente do Conselho Gestor das Parcerias Públicas Privadas da Prefeitura de Fortaleza.

Antônio Furlan quer geração de empregos e melhorias na educação e saúde de Macapá

O deputado estadual de Amapá e pré-candidato à prefeitura da capital, Macapá, Antônio Furlan, afirmou que pretende contribuir com a sociedade oferecendo melhorias na educação, saúde e emprego. Ele destacou que, após o terceiro mandato de deputado, possui a missão de contribuir com a capital do estado.

“Os problemas das pessoas estão dentro das cidades. É dentro das cidades que se resolve as coisas do cotidiano e da vida. Agora no terceiro mandato estadual [como deputado] me sinto como se houvesse uma missão de dar um pouco mais pela nossa capital”, disse.

Ele destacou que Macapá funciona como uma “cidade estado”, já que 60 a 80% da população mora na capital.

“Macapá é como se fosse uma cidade estado. A nossa bandeira para a cidade é clara. Macapá precisa de um plano emergencial de saneamento básico. Na educação também precisamos trabalhar duro, pois os jovens entre 15 a 29 anos nem estudam ou trabalham. Além disso, precisamos tratar da geração de emprego, já que temos hoje a segunda maior taxa de desemprego do País”, defendeu.

Antônio Furlan destacou que o Cidadania pode dar uma forte contribuição para o desenvolvimento da capital.

“O Cidadania é um partido que nos deixa muito a vontade e nos prepara com a economia criativa. Cidades inteligentes. O turismo como provedor da economia. Um novo partido no Brasil e que tem tudo para nos ajudar a melhorar a vida das pessoas da nossa cidade”, afirmou.

Perfil

Antônio Paulo de Oliveira Furlan tem 46 anos de idade, é casado, médico atuante, responsável pela implantação da cirurgia cardíaca ao Amapá. No ano passado, disputou a reeleição a deputado estadual no Amapá pelo PTB (Partido Trabalhista Brasileiro), obteve 7.512 votos totalizados (1,97% dos votos válidos) e foi o terceiro mais votado no 1º turno das Eleições 2018, habilitando-se ao terceiro mandato consecutivo.

Na Assembleia Legislativa, além de líder do Governo do Estado, É Presidente da Comissão de Indústria, Comércio, Minas e Energia. Membro da Comissão da Saúde, de Direitos da Pessoa Humana e da Administração Pública.

André von Zuben quer melhorias e o desenvolvimento social para Campinas

O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Social e de Turismo de Campinas e vereador licenciado do Cidadania no município, André von Zuben (SP), afirmou em entrevista ao portal do partido que seu objetivo como pré-candidato à prefeito do município é ajudar a cuidar das pessoas e garantir melhorias para a cidade.

André von Zuben destacou sua trajetória profissional, sobretudo na gestão pública, e adiantou que sua experiência corrobora para a realização de um bom mandato caso eleito.

“Precisamos melhorar a qualidade de vida da sociedade. Uma coisa que tenho bastante experiência é na área de gestão pública. Sempre focado no avanço da cidade. Não iremos promover rupturas. Acredito que posso ajudar melhorar bastante e prestar um bom serviço para a comunidade”.

André von Zuben, pré-candidato a prefeito de Campinas(SP)

Ao ser questionado sobre como o Cidadania poderia contribuir numa eventual gestão, André afirmou que o partido oferece valores que atendem as demandas sociais.

“O Cidadania tem um olhar social. Tem a educação como prioridade no desenvolvimento das pessoas. São valores que iremos levar para a gestão pública. Essa visão do Cidadania com a coisa pública e a boa gestão. Administrar com correção e equilíbrio fiscal. Todas bandeiras defendidas pelo Cidadania e que iremos aplicar”, defendeu.

Perfil

Vereador licenciado, André von Zuben é atualmente secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Social e de Turismo de Campinas.

Presidente do Cidadania de Campinas, André foi eleito vereador no município duas vezes (eleições de 2012 e 2016) e já foi secretário municipal de Habitação e presidente da Cohab Campinas.

Atualmente é também presidente do Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação e presidente do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural e do Agronegócio.

Bancário de profissão, André foi presidente do Sindicato dos Bancários de Campinas e Região, presidiu a ONG Semente Esperança, que oferece reforço escolar e atividades culturais para crianças carentes, e também foi presidente do Conselho de Entidades da FEAC (Federação das Entidades Assistenciais de Campinas).