Outubro Rosa: Eliziane Gama destaca mês de conscientização sobre o câncer de mama

‘Quanto maior a informação sobre as doenças, mais vidas são salvas’, diz a parlamentar sobre a campanha (Foto: Roque de Sá/Agência Senado)

A líder do Cidadania no Senado, Eliziane Gama (MA), disse que a campanha Outubro Rosa, movimento internacional de conscientização para o controle do câncer de mama,  é fundamental para a prevenção da doença. De acordo com dados do Inca (Instituto Nacional de Câncer), o câncer de mama é o mais incidente em mulheres no mundo, representando 24,2% do total de casos em 2018, com cerca de 2,1 milhão de casos novos. Esse ano já foram registrados 66.280 novos casos no Brasil, o que representa 43,74 casos a cada 100 mil mulheres.

A senadora defendeu que os parlamentares debatam o tema e melhorem a legislação, e que os governos reforcem ações para facilitar e aumentar a quantidade de atendimentos.

“As campanhas coloridas de conscientização têm o objetivo de alertar as pessoas para o perigo de algumas doenças e estimular a prática do autoexame e a busca pelo diagnóstico precoce. Quanto maior a informação sobre as doenças, mais vidas são salvas. Então elas são muito importantes”, disse.

Eliziane Gama observou ainda que apoia o Projeto Fome e Sede de Justiça, no Maranhão, que tem entre suas ações uma Carreta da Saúde da Mulher, criada para realização de combate ao câncer de colo de útero e atividades preventivas. De acordo com ela, durante o mês de outubro o projeto intensifica ainda mais as ações sobre saúde da mulher.

Campanha

Com o objetivo de compartilhar informações e promover a conscientização sobre o câncer de mama, o Outubro Rosa foi criado no início da década de 1990 pela Fundação Susan G. Komen for the Cure, tida como a maior e mais bem financiada organização contra o câncer de mama do mundo. O movimento proporciona maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento e contribui para a redução da mortalidade, que, segundo o Inca, apresenta uma curva ascendente e representa a primeira causa de morte por câncer na população feminina brasileira, com 13,84 óbitos a cada 100.000 mulheres em 2018. (Com informações da Agência Senado)

Jorge Kajuru destaca importância do Outubro Rosa e do diagnóstico precoce do câncer

Senador do Cidadania de Goiás mencionou estatísticas que mostram uma taxa de incidência do câncer de mama de 49 casos a cada 100 mil mulheres no Brasil (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)

O senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) destacou nesta segunda-feira (14) em Plenário a importância do Outubro Rosa, campanha anual de estímulo à prevenção e ao diagnóstico precoce do câncer de mama. Ele lembrou que o movimento, surgido nos Estados Unidos ainda no século 20, se espalhou pelo mundo e chegou ao Brasil em 2008. E que o uso de um laço rosa é uma maneira de sensibilizar as pessoas e alertar sobre a doença.

Kajuru mencionou estatísticas que mostram uma taxa de incidência do câncer de mama de 49 casos a cada 100 mil mulheres no Brasil. E lamentou que cerca de 70% dos casos detectados já estejam com a doença em um estágio avançado, o que reduz as possibilidades de cura. Isso torna ainda mais importante — ressaltou — o diagnóstico precoce, com exame periódico e de qualidade.

“Homens e mulheres façamos a nossa parte. Divulguemos o Outubro Rosa, ou Outubro cor-de-rosa, mas também não esqueçamos dos demais 11 meses do ano, que também são meses cor-de-rosa”, disse Kajuru. (Agência Senado)

Outubro Rosa: Carmen Zanotto alerta para a redução de exames de mamografia no País

A deputada federal Carmen Zanotto (Cidadania-SC), presidente a Frente Parlamentar Mista da Saúde, participou nesta terça-feira (01) da inauguração da exposição “Quem Se Ama, Se Cuida”, promovida pela Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados, no Hall da Taquigrafia, localizado no Anexo II da Câmara dos Deputados.

O evento faz parte da abertura da Campanha Outubro Rosa, criada para alertar a população sobre a importância da prevenção e da detecção do câncer de mama.

A abertura da exposição coube a Carmen Zanotto, que é procuradora-adjunta da Câmara e autora da lei que oficializou mês de outubro à conscientização sobre o câncer de mama no país, integrando o Brasil ao movimento internacional.

Durante o evento, Zanotto alertou para a redução de exames de mamografia no País. A parlamentar disse que está preocupada porque o exame é um dos principais caminhos para que o câncer de mama seja detectado em fase inicial.

“Estamos muito preocupados com a divulgação desses dados do Ministério da Saúde que mostram que o percentual de mulheres, de 50 a 69 anos, que realizam mamografia pelo SUS [Sistema Único de Saúde] vem diminuindo em todo o País. Em 2017, foram apenas 27% e em 2018, 22%, o pior resultado registrado nos últimos em seis anos: menos de três mil mulheres realizaram o exame”, afirmou a parlamentar do Cidadania.

A deputada é autora de várias leis ligadas ao tema, dentre elas a que obrigam o SUS a oferecer tratamento em 60 dias, a partir do diagnóstico da doença, e a custear exame de mamografia a partir dos 40 anos, como recomenda a OMS (Organização Mundial de Saúde).