Cidadania realizará reunião da Executiva Nacional no dia 6 de abril

O Cidadania realizará, no próximo dia 6 de abril, às 08h30, reunião da Executiva Nacional. O objetivo do encontro é debater a conjuntura nacional, ações do partido frente a pandemia do coronavírus, análises relacionadas às eleições e informações gerais. A reunião será realizada de forma online por meio do aplicativo ZOOM que pode ser instalado AQUI. Confira abaixo o comunicado.

DIRETÓRIO NACIONAL

Ofício 016/2019 – Cidadania/DN

Brasília-DF, 1º de abril de 2020

Prezado(a) companheiro(a),

Por meio deste, estamos convocando os membros da Comissão Executiva do Diretório Nacional, bem como sua bancada no Congresso Nacional, para uma reunião online no dia 06 de abril de 2020, segunda-feira, das 8:30 até às 11:00 horas para tratar das seguintes questões:

  1. Conjuntura Nacional;
  2. Ação do Partido e de suas bancadas face à pandemia do Coronavírus;
  3. Informações e análises sobre o partido e as eleições de outubro;
  4. Informes Gerais;

A reunião será efetuada por meio do aplicativo ZOOM (https://zoom.us/pt-pt/meetings.html) que pode ser usado tanto em computadores como em celulares. As orientações de acesso serão enviadas para cada membro da executiva pelos canais digitais de e-mail e listas de transmissão do partido.

Sem mais para o momento e certos de contarmos com sua imprescindível presença, subscrevemo-nos,

Atenciosamente,

Roberto Freire
Presidente Nacional do Cidadania

Multiplicadores do País conhecem detalhes da Jornada da Cidadania

Realizado pela FAP, curso de formação política tem time de mobilizadores de 26 Estados e DF; inscrições até 29 de janeiro (Foto: FAP/Reprodução)

O coordenador-geral da Jornada da Cidadania e professor de direito, Marco Aurélio Marrafon, apresentou, neste domingo (19), os detalhes do curso de formação política a 64 multiplicadores dos 26 Estados e Distrito Federal que vão reforçar a divulgação, a interação e o engajamento com o público interessado. O curso é realizado pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), vinculada ao Cidadania, e será totalmente gratuito e online. As inscrições (faça aqui) seguem até o dia 29 de janeiro e o início das aulas está previsto para fevereiro.

A apresentação teve transmissão ao vivo pelo site e pela página da FAP no Facebook. Estiveram presentes no evento o diretor-geral da fundação, jornalista Luiz Carlos Azedo; o diretor-financeiro da entidade, Ciro Gondim Leichsenring; e o professor de ciência política e conselheiro da FAP Hamilton Garcia.

O coordenador-geral da Jornada da Cidadania explicou que o curso é uma alternativa à população, diante de “tempos sombrios, ignorância e radicalismo no país”. Segundo ele, o objetivo do curso é formar e capacitar filiados e cidadãos em geral acerca de conteúdos relevantes à política, com foco em diretrizes programáticas e posicionamento ideológico.

Entre as finalidades da Jornada da Cidadania, de acordo com o professor de direito, também está a oferta de conhecimento para que os alunos desenvolvam pensamento crítico, questionem e participem construtivamente do debate público, seguindo uma das principais diretrizes da FAP. Toda essa formação resultará, ainda, na preparação de candidatos para as eleições de 2020.

O curso terá 36 horas, planejadas para serem distribuídas por 14 semanas. Na plataforma de educação a distância e interativa, os inscritos terão acesso, por meio de login e senha, a 14 videoaulas de 15 minutos cada uma e a 42 pílulas de conteúdo de três minutos cada.

Além disso, os inscritos também terão acesso a estudos dirigidos, por meio de capítulos de livros, artigos e outros formatos de textos disponibilizados na plataforma digital. Conteúdos multimídia, como vídeos, filmes, tedX e podcasts, também serão oferecidos aos alunos durante o curso online. (Cleomar Almeida/Assessor de Comunicação da FAP)

Veja, abaixo, mais detalhes da Jornada da Cidadania

Pilares

  1. Ética e integridade na ação política;
  2. Estratégia e liderança;
  3. Fundamentos de teoria política e democracia;
  4. Comunicação eficaz;
  5. Casos de sucesso.

Conteúdo programático | Aulas raízes (15 minutos cada uma)

  1. Política pra quê?
  2. As Democracia estão em risco?
  3. Comunicação política eficaz
  4. A política como vocação
  5. Liderança e estratégias de mobilização
  6. Liberalismo
  7. Socialismo/comunismo
  8. Liberalismo progressista
  9. Estado de Direito versus Ciberpopulismo
  10. Defesa de causas e construção de narrativas
  11. Ética e integridade
  12. Políticas públicas e planejamento no poder público
  13. Conformidade e regras eleitorais
  14. O futuro eleitoral da política e dos partidos na era digital

Aulas pílulas (3 minutos cada uma)

  1. O que é democracia?
  2. Ser ético: seu chefe te pediu algo errado? Caso Calero
  3. Importância da página de internet
  4. Case robôs
  5. O que é emenda parlamentar?
  6. Perfil do líder
  7. O que parlamentar pode fazer para melhorar a vida do cidadão na prática?
  8. O que é Constituição?
  9. Análise sobre Olavo de Carvalho
  10. Redes sociais não bastam para defender uma causa social
  11. Por que entrar para a política e a importância da construção partidária
  12. Como usar o Youtube
  13. Atribuições e competências dos três poderes
  14. Ser ético 2: Como lidar com fake News?
  15. Fiscalização e controle social
  16. Cargos públicos e corte de privilégios
  17. Como mobilizar pelo Facebook?
  18. Estratégia: O que é?
  19. Case eleições
  20. Como usar o Whatsapp?
  21. O que fazer para ter credibilidade na política?
  22. Como usar o Instagram?
  23. Ser ético 3: E o caixa 2?
  24. Como contar uma história?
  25. O que é e o que faz uma frente parlamentar?
  26. Origem da crise democrática norte-americana
  27. Liderança positiva
  28. Twitter
  29. O que é pacto federativo?
  30. Meio ambiente e sustentabilidade na política
  31. Como fiscalizar a prefeitura da minha cidade?
  32. Política pública: O que é?
  33. Pesquisa para defesa de uma causa
  34. Importância do monitoramento das redes pela prefeitura
  35. Ser ético 4: Proteção da intimidade e a vida privada
  36. Engajamento e valorização voluntários
  37. Dicas para mobilizar melhor
  38. Papel de um bom vereador
  39. Gestão de voluntários

FAP define empresa que vai criar plataforma online do curso Jornada da Cidadania

Lisata Tecnologia venceu edital de cotação de preços; inscrições seguem abertas

A FAP (Fundação Astrojildo Pereira), vinculada ao Cidadania, divulgou na última sexta-feira (10) que a Lisata Tecnologia venceu a concorrência para fornecimento de plataforma digital de gestão do curso de formação política Jornada da Cidadania (veja abaixo), que será oferecido ao público em formato de educação a distância. No total, cinco empresas participaram da concorrência em edital de cotação de preços, apresentando documentação de habilitação e propostas. Inscrições continuam abertas no site do curso.

A plataforma da Jornada da Cidadania deverá estar plenamente adequada à LGPDP (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais) e deve ser acessível por meio de um navegador web padrão (Microsoft Internet Explorer/Edge, Opera, Mozila Firefox e Google Chrome). O serviço de hospedagem da solução terceirizada deverá garantir a eficiência de conectividade necessária ao ambiente LMS com, no mínimo, 98% de disponibilidade da solução em pleno funcionamento, mantendo um canal de suporte 24/7 para os usuários do sistema, em caso de indisponibilidade da solução.

Ao se reunir na sede da entidade nesta sexta-feira para a abertura dos envelopes, a Comissão de Cotação de Preços da FAP analisou as propostas apresentadas pelas empresas Afferolab, JMV Technology, Didaxis, RG Organic e Lisata. Os representantes dessas duas últimas empresas foram os únicos a comparecerem na reunião.

No entanto, de acordo com a comissão, somente a Lisata atendeu a todos os requisitos técnicos definidos no edital. O valor é de R$ 20 mil. O sócio-diretor da empresa, Daniel Philip de Moura, disse que a plataforma será entregue com “total excelência e em conformidade com a Lei Geral de Proteção de Dados”.

Jornada da Cidadania

O curso de formação política, que deverá ter duração de três meses, foi aprovado em reunião do Conselho Curador da FAP no dia 22 de novembro de 2019 (inscrições até 15 de janeiro aqui). O início das aulas está previsto para o dia 23 de janeiro, sob a coordenação do professor Marco Aurélio Marrafon. Ele é mestre em Direito do Estado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), com estudos doutorais (sanduíche) na Università degli Studi di ROMA TRE – Itália. A coordenação do curso também é composta pelos diretores da FAP Ciro Gondim Leichsenring e Caetano Araújo.

“A proposta busca que a fundação vá além dos muros partidários”, disse Marrafon.

“A fundação desempenha um importante papel. Entendemos que o público-alvo merece receber formação fundamental para que possa fazer escolhas democráticas”, afirmou ele.

As inscrições devem ser abertas em breve e seguir até o dia 15 de janeiro, em uma página específica da Jornada da Cidadania na internet. A previsão inicial para o início das aulas é o dia 23 de janeiro. O curso terá 36 horas, ao longo de três meses. (Cleomar Almeida, assessor de comunicação da FAP)

Dirigente do Cidadania do Rio Grande do Sul cria petição online contra o desmonte da educação pública pelo governo Bolsonaro

O dirigente do Cidadania do Rio Grande do Sul e professor de filosofia, Giovane Vaz, criou abaixo assinado (participe aqui e veja abaixo a petição) com objetivo de mobilizar a sociedade contra o desmonte da educação pública pelo governo Bolsonaro, sobretudo dos cursos de filosofia e sociologia. Ele conclamou todos os filiados do partido a participarem da ação que já alcançou quase 300 mil assinaturas. 

“O governo anunciou, há alguns dias, que poderia fazer um corte total no orçamento dos cursos de filosofia e sociologia das universidades federais condenando-os à completa extinção. A seguir, anunciou um congelamento de 30% no orçamento de todas as universidades federais do País. Me senti na obrigação de tomar alguma atitude para tentar evitar que uma canetada destruísse a profissão de milhares de profissionais. A ferramenta mais simples e eficiente foi a criação de um abaixo-assinado que fiz na plataforma de petições Change.com”, disse.

Giovane Vaz destacou que em menos de duas semanas a ação obteve quase 300 mil assinaturas e recebeu apoio do movimento Acredito, de associações de pós-graduação e de mobilizadores digitais. O anúncio feito pelo presidente Bolsonaro de que a nova gestão do Ministério da Educação estuda a “descentralizar” investimentos aos cursos de filosofia e sociologia” está mobilizando a comunidade acadêmica nacional e internacional. 

“Construímos uma rede de pessoas e instituições que estão se empenhando, a cada dia, para mostrar ao governo que a sociedade é contrária a destruição do ensino superior e que a filosofia e sociologia são cursos relevantes. Um abaixo-assinado de sucesso é o início de uma grande mobilização. As pessoas que assinam estão concordando com um posicionamento e apontando para uma visão de mundo diferente daquela que contestamos”, afirmou.

Para o professor de filosofia e integrante do movimento Acredito, a mobilização é uma forma de mostrar para o governo Bolsonaro que a sociedade e o Cidadania valoriza a educação.

“A participação do Cidadania nessa mobilização é essencial! Vamos mostrar ao governo que nosso partido valoriza a educação, o respeito à pluralidade de ideias e à liberdade de escolhas. Vamos nos juntar aos estudantes, professores e pesquisadores que, atacados de forma incessante, precisam do amparo de toda a sociedade. Precisamos lembrar o governo de que a educação não é um gasto: é um investimento”, defendeu.

Não ao corte no orçamento dos cursos de Filosofia e Sociologia

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou ontem (26/04), em seu Twitter, que pretende reduzir a verba dos cursos de filosofia e sociologia das universidades federais do país, argumentando que o governo deve focar os recursos nas habilidades de “ler, escrever e fazer contas”. Já o Ministro da Educação, Abraham Weintraub, argumenta que países como o Japão já reduziram os investimentos em cursos de ciências humanas. Assine esta petição para lutarmos contra essa decisão!

O argumento do Presidente Bolsonaro não possui base em quaisquer evidências. Segundo o Censo da Educação Superior de 2017, os cursos de filosofia e sociologia, juntos, possuíam apenas 6 mil alunos matriculados em universidades públicas de todo o Brasil. Considerando que o investimento por aluno de ensino superior é de, em média, R$ 36 mil por ano, apenas. Como comparação, o governo gastará R$ 4,5 milhões com impressos e mouse pads.

Ao contrário do que diz Bolsonaro, ensinar filosofia e sociologia contribui para o aprendizado de português e matemática, por exemplo. A filosofia ensina o pensamento abstrato e a interpretação do mundo. A sociologia dá o contexto do que nós lemos e ajuda na leitura da sociedade. 

Já a justificativa do Ministro da Educação é falha, porque ignora que o Japão voltou atrás na sua política de redução de custos em filosofia e sociologia. Até a Federação de Indústrias do Japão criticou a decisão do Governo, afirmando que o ensino de Ciências Humanas nas universidades é importante para a formação integral dos estudantes de todas as áreas. 

O governo não pode restringir a liberdade dos estudantes mais pobres de decidir qual carreira querem seguir. Por isso, exigimos que o Presidente e o Ministro da Educação reconsiderem a ideia de fazer cortes no orçamento dos cursos de Ciências Humanas do ensino superior.

Para que o Movimento Acredito possa continuar fazendo abaixo-assinados como esse, clique aqui e faça uma doação.