Eliziane Gama: Suposto esquema de corrupção no Ministério da Saúde pode ter participação de agentes políticos

A senadora disse em entrevista ao Yahoo! que o caso está sendo analisado e que a conclusão só poderá ser anunciada quando o relatório final da CPI da Pandemia for apresentado (Foto: Reprodução/Yahoo!)

A líder do bloco parlamentar Senado Independente e representante da bancada feminina na CPI da Pandemia, senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), disse ao site de notícias Yahoo! (veja aqui e abaixo) que a comissão parlamentar de inquérito que apura as ações e omissões do governo federal no enfrentamento à Covi-19 recebeu denúncias de ex-servidores e de ex-militares sobre um possível esquema de pagamento de propina que envolveria agentes públicos, empresários e agentes políticos na compra de imunizantes contra a doença.

Questionada sobre a denúncia recebida pela CPI sobre um suposto esquema de lavagem de dinheiro, a parlamentar maranhense ressaltou que o caso está sendo analisado e que a conclusão só poderá ser anunciada quando o relatório final da comissão for apresentado.

Na entrevista, Eliziane Gama falou ainda sobre diferentes denúncias recebidas pela CPI relacionadas à empresa VTCLog. Segundo ela, as investigações estão focadas em diferentes contratos, nas relações da companhia com outras já investigadas pela comissão, e com ex-funcionários do Ministério da Saúde como o ex-diretor de Logística da pasta, Roberto Dias.

A senadora é responsável por analisar todas as questões que envolvem a VTCLog e já se reuniu com representantes do TCU (Tribunal de Contas da União) para avaliar, por exemplo, contratos que já são questionados.

Esquema de corrupção no Ministério da Saúde pode ter participação de agentes políticos, diz Eliziane

Ana Paula Ramos e Larissa Arantes – Yahoo Notícias

A CPI da Pandemia recebeu diferentes denúncias relacionadas à empresa VTCLog e, por isso, as investigações estão focadas em diferentes contratos, nas relações da companhia com outras já investigadas pela comissão e com ex-funcionários do Ministério da Saúde como o ex-diretor de Logística da pasta, Roberto Dias.

Todas essas informações foram detalhadas pela senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) em entrevista exclusiva ao Yahoo!. Ela está responsável por analisar todas as questões que envolvem a VTCLog e já se reuniu com representantes do Tribunal de Contas da União (TCU) para avaliar, por exemplo, contratos que já são questionados.

A senadora classificou a empresa como um “conglomerado”e destacou que os primeiros contratos com a União foram fechados em 2005. “Os volumes de movimentação da VTCLog, do momento do início da sua negociação com o governo federal, passam de R$1 bilhão de reais”, revelou.

De acordo com Eliziane Gama, entre os contratos analisados, estão um de 2005 e outro de 2018. Em relação ao primeiro, ela informou que está em tomada de contas especial e, em relação ao de 2018, foram protocoladas quatro representações junto ao TCU, também de acordo com a senadora.

A tomada de contas especial é um processo administrativo para apurar se houve dano à administração pública federal e, assim, identificar responsáveis e obter o ressarcimento.

Na avaliação da senadora, é preciso obter a quebra do sigilo da VTCLog para que a CPI aprofunde nas apurações como em relação às transferências feitas para a Precisa Medicamentos, também investigada pela comissão.

Além da investigação sobre os contratos, segundo a senadora, a CPI também recebeu denúncias de ex-servidores e de ex-militares sobre um possível esquema de pagamento de propina que envolveria agentes públicos, empresários e agentes políticos. Eliziane Gama destacou ainda a necessidade de entender a relação da empresa com Roberto Dias, ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde.

Questionada sobre a denúncia recebida pela comissão sobre um suposto esquema de lavagem de dinheiro, a senadora ressaltou que o caso está sendo analisado e que a conclusão só poderá ser anunciada quando o relatório final da CPI for apresentado.

O Yahoo! entrou em contato com a VTCLog para saber o posicionamento da empresa diante das afirmações da senadora. A companhia afirmou, por meio de nota, que “a empresa atua com governança corporativa e plena legalidade em suas relações privadas e governamentais”.

Articulação das mulheres na CPI

Eliziane Gama, que tem presidido as reuniões em vários momentos, destacou ainda a participação das senadoras na comissão tendo em vista que os partidos não indicaram, inicialmente, nenhuma mulher para integrar a CPI. “Foi uma luta”, resumiu. Ela fez uma ressalva, no entanto, porque mesmo com o direito de fala, as senadoras não podem votar.

Polêmica sobre ministro da Defesa

A senadora criticou uma possível ameaça do ministro da Defesa, general Braga Netto, ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de condicionar as eleições de 2022 ao voto impresso. “Essa questão do voto impresso é uma tentativa do governo de criar uma instabilidade no Brasil”, disse.

Nota da VTCLog enviada ao Yahoo!:

1. A VTCLog desconhece e não teve conhecimento nem acesso a qualquer dado que possivelmente diga respeito a documentos da CPI sobre os quais não foi instada a se manifestar;

2. A empresa atua com governança corporativa e plena legalidade em suas relações privadas e governamentais;

3. A VTCLog atua 24h por dia no combate à pandemia, sendo responsável, além de seus clientes privados, também pela logística do SUS junto a todos os Estados, sendo esse um serviço essencial para a total segurança tanto da armazenagem quanto do transporte dos insumos de saúde;

4. Na qualidade de operador logístico de armazenagem e distribuição de fármacos a VTCLog possui relação comercial com a Precisa, assim como toda a indústria farmacêutica – pela natureza do atendimento;

5. A VTCLog está e sempre esteve à disposição de prestar todos os esclarecimentos que forem pertinentemente solicitados pelas autoridades de controle e o fará, caso demandada.

Alessandro Vieira cobra Ministério da Cidadania por bloqueio preventivo de parcelas do auxílio emergencial

Pasta admitiu, num primeiro momento, estar fazendo “bloqueios preventivos” por conta de ‘cobranças dos órgãos de controle’ (Foto: Reprodução)

O líder do Cidadania no Senado, Alessandro Vieira (SE) enviou na última sexta-feira (23) ofício ao ministro da Cidadania, João Roma, pedindo informações  sobre  o ‘bloqueio  preventivo  do pagamento  de  parcelas  do auxílio  emergencial’. O gabinete do senador tem recebido várias  denúncias deste bloqueio, especialmente de mães solo.

As denúncias vêem da base do senador em Sergipe, mas ele acha possível que estejam ocorrendo casos em todo o País. O ministério admitiu, num primeiro momento, estar fazendo “bloqueios preventivos” por conta de ‘cobranças dos órgãos de controle’. O senador quer informações mais detalhadas.

“É importante destacar que o bloqueio do pagamento de parcelas do auxílio emergencial por período indeterminado pode acabar por implicar em responsabilização do Poder Executivo Federal caso os indícios de irregularidades que tem motivado os chamados bloqueios preventivos não sejam confirmados”, destaca o ofício.

O senador encaminhou uma lista de perguntas ao ministério e solicitou também ‘a disponibilização dos relatórios dos órgãos de controle que apontam indícios de irregularidades e implicam no  chamado  bloqueio  preventivo’. (Assessoria do parlamentar)