Alessandro Vieira critica ações do governo na saúde e pede convocação de Pazuello

Vice-líder do Cidadania critica a atuação do Ministério da Saúde com relação ao enfrentamento da Covid-19, especialmente na capital do Amazonas, onde faltam leitos e oxigênio para os pacientes (Foto: Mathias Dantas/AFP)

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) apresentou nesta sexta-feira (15) requerimento de convocação do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, ao Senado Federal para prestar esclarecimentos sobre a atuação da pasta no enfrentamento da pandemia do coronavírus. O pedido de Alessandro Vieira se soma às manifestações dos senadores sobre o colapso na saúde pública de Manaus.

No texto, o senador criticou a atuação do Ministério da Saúde com relação ao enfrentamento do vírus, especialmente na capital do Amazonas. Na última semana, a pasta recomendou à Secretaria de Saúde de Manaus o uso da cloroquina e hidroxicloroquina, além do antibiótico azitromicina. Para Alessandro, a recomendação trouxe constrangimento às autoridades, uma vez que as medicações “não têm qualquer eficácia comprovada cientificamente para o combate à doença”. Enquanto isso, falta oxigênio para atender as vítimas de Covid-19 nos hospitais de Manaus.

No documento, o senador  pede explicação de Pazuello sobre o planejamento para a vacinação. Alessandro Vieira destaca os programas efetivos de vacinação que ocorrem em mais de 50 países, inclusive os vizinhos sul americanos Argentina e Chile, enquanto o Brasil permanece sem vacinar sua população.

“Até o presente momento, cerca de 17,5 milhões de pessoas já foram vacinadas em todo o mundo”, justificou. 

“Enquanto o Ministério da Saúde se encontra em estado de paralisia e flagrante negacionismo em relação a pandemia do coronavírus e às suas consequências na vida dos brasileiros, o país acompanha apreensivo o colapso do sistema de saúde de Manaus, onde a população local padece de falta de insumos básicos para o combate efetivo à doença, como o oxigênio, o que torna a situação dos enfermos ainda mais dramática e penosa”, escreveu. 

Logística

Segundo o parlamentar, o plano emergencial de vacinação apresentado por Pazzuello apresenta “vaguezas” e “inconsistências” e, como consequência, aumenta “desconfianças e incertezas da população em relação a sua real efetividade e aplicabilidade na prática”. 

“Também preocupa sobremaneira a precariedade das soluções logísticas que põe em xeque a possibilidade de vacinação massiva da população, como a falta de ofertas de materiais básicos como seringas que garantam as duas aplicações, conforme declaração do Ministro dada ao Supremo Tribunal Federal (STF), no último dia 13 de janeiro”, disse. 

Alessandro Vieira também pediu esclarecimentos sobre o posicionamento do ministro frente a aplicação do Enem, prevista para os dois próximos domingos, dada a “inflexibilidade do Ministério da Educação em possibilitar reaplicações ou discutir o adiamento da data das provas”. (Agência Senado)

Congresso precisa agir contra o caos na saúde em Manaus, diz Eliziane Gama

Senadora faz apelo na rede social para Davi Alcolumbre (DEM-AP) convocar a Comissão Representativa do Congresso para analisar a situação da capital do Amazonas (Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)

A líder do Cidadania no Senado, Eliziane Gama (MA), voltou a defender nas redes sociais a convocação extraordinária do Congresso Nacional diante do caos na saúde em Manaus, que registra aumento de casos de Covid-19, falta de leitos e oxigênio para os pacientes nos hospitais.

“Diante do caos instalado em Manaus o Congresso Nacional precisa agir. Presidente Davi Alcolumbre é hora de convocar a Comissão Representativa do Congresso. Como integrante da Comissão, estou a postos”, disse a senador em sua conta no Twitter.

Compete à comissão representativa, dentre outras prerrogativas, exercer atribuições de caráter urgente, que não possam aguardar o início do período legislativo seguinte sem prejuízo para o País ou suas instituições. O período de atuação do colegiado iniciou-se em 23 de dezembro e encerra-se em 31 de janeiro de 2021.

A capital do Amazonas enfrenta um colapso na saúde pública. A crise no sistema foi impulsionada por conta do aumento recorde de internações por Covid-19. Nesta sexta-feira (15) a cidade registrou 213 enterros, de acordo com informações da prefeitura. O número bateu recorde de sepultamentos diários desde o começo da pandemia.

Convocação semipresencial

O vice-líder do Cidadania, senador Alessandro Vieira (SE), está colhendo assinaturas dos parlamentares – deputados e senadores – para a convocação de sessão semipresencial Congresso com a finalidade de discutir a renovação do auxílio emergencial, a prorrogação do estado de calamidade pública e o plano da vacinação contra a Covid-19.

Na sessão extraordinária, o Congresso somente delibera sobre a matéria para a qual foi convocado. Até quinta-feira (14) o pedido contava com o apoio de 20 senadores e 16 deputados. O requerimento de convocação precisa do apoio da maioria dos membros da Câmara e Senado.

Freire representa contra Eduardo Pazuello por prevaricação e improbidade administrativa

Presidente do Cidadania pede que PGR investigue o ministro da Saúde e sua equipe pela falta de oxigênio em Manaus

O presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire, representou nesta sexta-feira (15) contra o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, junto à Procuradoria-Geral da República por prevaricação e improbidade administrativa. A peça observa que o ministro e sua equipe foram avisados de que faltaria oxigênios para atender os pacientes nos hospitais públicos de Manaus e nada fizeram a respeito, omissão que levou à morte de doentes por asfixia.

“Já havia indícios de que a situação catastrófica era consequência, em grande parte, da gestão incompetente e claudicante do representado à frente da pasta da Saúde. Tal suspeita agora se confirma. O procurador da República Igor da Silva Spíndola teria afirmado que o Ministério da Saúde fora alertado há pelo menos quatro dias de que faltaria oxigênio nos hospitais de Manaus. No entanto, nenhuma medida preventiva foi adotada pelo Ministério da Saúde, permanecendo a pasta comandada pelo representado inerte, aguardando o caos que era anunciado” sustenta.

Ante a gravidade dos fatos, Freire pede que o procurador-geral da República, Augusto Aras, abra investigação contra Pazuello, que esteve em Manaus e chegou a dizer publicamente que nada poderia fazer. “ O Brasil inteiro, talvez o mundo, vem acompanhando, com angústia, a grave situação vivida pela população de Manaus/AM, causada pela pandemia da Covid-19. Trata-se de uma questão gravíssima, tendo em vista as terríveis consequências humanitárias e até mesmo civilizatórias do quadro apocalíptico vivido pela sofrida população amazonense”, aponta.

Veja abaixo a representação:

Cidadania-AM nomeia Comissão Provisória em Manaus para organizar o partido na capital visando eleições

O Diretório Estadual do Cidadania do Amazonas nomeou Comissão Provisória (veja aqui) para reorganizar o partido em Manaus após a renuncia do ex-presidente municipal, Manoel Almeida. A comissão será presidida pelo empresário Jesus Alves, que também é secretário-geral da legenda no estado.

“O partido precisa de organização, estruturação e é hora de deixar tudo azeitado para os companheiros. O Cidadania é um partido organizado e extremamente cioso das suas bases. A direção nacional não toma decisões sem ouvir os diretórios municipais e estaduais. A militância do partido tem voz. Essa é uma diferença que estamos procurando enfatizar, no Amazonas e em Manaus”, disse Jesus Alves.

De acordo com o segundo vice-presidente do Cidadania, Wober Júnior, a nova comissão terá o papel de organizar o partido no município e preparar quadros competitivos e alinhados com o pensamento da legenda para disputar as eleições 2020 e 2022.

“Comando sólido”

Jesus Alves elogiou a direção nacional do Cidadania e afirmou que o partido tem comando sólido e consciência de militância.

“Nosso objetivo, agora, é participar de forma cada vez mais organizada da vida municipal e estadual. Somos um dos poucos partidos à margem da onda de escândalos do País. E está fora disso por postura orgânica, comando sólido de Roberto Freire, e consciência da militância. É com essa visão que assumimos o diretório municipal”, afirmou.