Eliziane Gama: Bolsonaro constrange STF ao pressionar por fim da quarentena contra Covid-19

Senadora também classificou de ‘despropósito’ o que chamou de ‘marcha para pressionar o STF’ (Foto: Reprodução/Youtube)

A líder do Cidadania no Senado, Eliziane Gama (MA), disse que o presidente Jair Bolsonaro constrange o STF (Supremo Tribunal Federal) com a visita inesperada à Corte, nesta quinta-feira (7), acompanhado de ministros e empresários, para apresentar os impactos na economia do isolamento social em decorrência da pandemia da Covid-19.

“Um dia depois de batermos mais um recorde de mortes pela Covid-19 e o ministro da Saúde prever lockdown em vários estados brasileiros, é inconcebível se pressionar o STF pela abertura do comércio. Está correto o presidente do Supremo quando diz que a responsabilidade é do governo federal de apresentar um plano de ação para superação da crise. O presidente não pode constranger os demais poderes quando o governo está omisso na sua responsabilidade de enfrentamento dessa crise”, disse.

Eliziane Gama também classificou de ‘despropósito’ nas redes sociais o que chamou de ‘marcha para pressionar o STF’.

Senadora diz que governo joga responsabilidade para outro Poderes (Foto: Waldemir Barreto)

“Sem planos e no auge da pandemia, o governo tenta jogar sua responsabilidade para outros Poderes. Até hoje, não temos o planejamento do governo para reabertura. Não adianta reclamar com [o ministro Dias] Toffoli”, disse a senadora em seu perfil no Twitter.

O presidente do STF cobrou no encontro que não estava agendado coordenação do governo federal com os outros Poderes e os entes da federação e disse que ser necessário fazer um planejamento para a volta do funcionamento das indústrias.

Na reunião no STF, Bolsonaro voltou a dizer que os efeitos do isolamento social não podem ser maiores do que os problemas causados Covid-19 e que ‘economia também é vida’. 

Já o ministro da Economia, Paulo Guedes, argumentou no encontro que o Brasil pode enfrentar a mesma situação de países vizinhos se não mudar de estratégia no enfrentamento à doença, sob risco de a economia brasileira entrar em colapso. 

Coronavírus: Ex-deputada ítalo-brasileira relata situação de isolamento da Itália

Segundo Renata Bueno, “a população tem aceitado as orientações, mas está bastante apreensiva (Foto: Reprodução)

A ex-deputada ítalo-brasileira Renata Bueno, que está em Roma, relatou nesta quarta-feira (11) a situação de verdadeiro isolamento da Itália em virtude das medidas adotadas pelo governo do país para conter o avanço do coronavírus/Covid-19. De acordo com ela, o governo italiano acaba de anunciar o bloqueio total do país para o combate contra a doença.

“O governo já havia fechado escolas e universidades, além de proibir eventos com agrupamento de pessoas. Logo em seguida veio o decreto determinando o fechamento de bares e restaurantes, e hoje (11), houve o bloqueio total do comércio, indústrias e de circulação de pessoas”, conta a ex-parlamentar.

A rápida e intensa contaminação afetou grande parte da população italiana, sendo que hoje mais de 12 mil pessoas estão certificadamente contaminadas.

“Tudo aconteceu em aproximadamente 15 dias, se espalhando muito rapidamente em pequenas cidades próximas de Milão, tomando conta do Estado da Lombardia e, após tentativa do governo em isolar o Estado Lombardo, fazendo com que milhares de pessoas fugissem para cidades do centro e sul do país, onde estão os familiares e residência de origem. Foi então, que houve a preocupação da contaminação generalizada por todo o território nacional”, relata.

Segundo Renata Bueno, “a população tem aceitado as orientações, mas está bastante apreensiva em ter que mudar radicalmente seu dia-a-dia e comportamento”. A previsão é de que as novas regras sigam até dia 3 de abril, quando se espera vencer a batalha contra o vírus. “Caso contrário, a restrição para os cidadãos será estendida” diz a ex-deputada, que tem mantido contato com autoridade brasileiras e italianas para repassar informações aos brasileiros que residem no país. (Site Cidadania do Paraná)