PF no Maranhão conclui inquérito sobre a morte de líder indígena Paulinho Guajajara

Segundo investigação, indígena morreu em confronto com caçadores após furtar a moto deles. Já os índios afirmam que madeireiros teriam feito uma emboscada (Foto: Reprodução)

Jornal Nacional – TV Globo

A Polícia Federal no Maranhão concluiu o inquérito sobre a morte de um líder indígena.

A versão da PF discordou da versão dada pelos índios de que madeireiros teriam feito uma emboscada. De acordo com a PF, o líder indígena Paulo Paulino Guajajara, morto no confronto do dia 1º de novembro de 2019, e o índio Laércio Guajajara, que sobreviveu, danificaram três motos que estavam escondidas na mata e teriam furtado uma outra que pertencia a caçadores de animais silvestres que entraram na terra indígena sem autorização.

Houve confronto quanto os caçadores tentaram reaver a moto.

Segundo a perícia, um dos caçadores, Márcio Greik Moreira Pereira, morreu atingido por um tiro disparado pelos próprios colegas.

A PF indiciou os quatro sobreviventes. Dois caçadores por homicídio, porte ilegal de armas e caça ilegal. Um terceiro não foi envolvido no homicídio porque fugiu na hora do tiroteio. O índio Laércio Guajajara também foi indiciado por porte ilegal de arma, além de furto e dano, por causa das motos.

Em nota, o Conselho Indigenista Missionário repudiou a conclusão da Polícia Federal e exigiu uma investigação que considere as identidades e que acabe com a impunidade dos que matam e mandam matar os povos indígenas.

No entendimento de defensores dos direitos dos índios, a Polícia Federal não levou em consideração que os homens estavam caçando ilegalmente numa área indígena e que os dois índios envolvidos eram do grupo Guardiões da Floresta, criado justamente para inibir a presença de invasores na área.

“Eu entendo que a autoridade policial deixou de levar em consideração o que era principal num tipo de conflito como esse, que é o contexto envolvendo a cultura indígena. A gente está falando de um conflito histórico na região, que envolve indígenas e não indígenas, e aquilo é mais um capítulo desse conflito”.

Nesta sexta-feira (10), uma comissão de parlamentares visitou a reserva indígena Araribóia. Ainda sem saber o resultado do inquérito, os índios disseram que vivem com medo.

Polícia Federal chega a aldeia alvo de garimpeiros, diz Estadão

 

PF abre inquérito e investiga morte de cacique no Amapá; Funai diz que invasores estão armados e que clima na região é de “tensão”

Julia Lindner Lorenna Rodrigues / BRASÍLIA – O Estado de S. Paulo

A Polícia Federal instaurou um inquérito para investigar a invasão de garimpeiros a terras indígenas no Amapá e a morte de um cacique da etnia Waiãpi. Segundo a Fundação Nacional do Índio (Funai), agentes federais chegaram ontem ao local acompanhados de uma equipe do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) da Polícia Militar do Estado. A área fica no município de Pedra Branca do Amapari, localizada a 189 quilômetros da capital Macapá.

No início da semana passada, o cacique Emyra Wajãpi foi encontrado morto na aldeia Yvytotõ com sinais de facadas. O deslocamento de autoridades para o local ocorreu após lideranças indígenas e moradores pedirem ajuda através de mensagens de celular, que repercutiram entre políticos e artistas nas redes sociais.

De acordo com a equipe da Funai na região, a invasão começou na terça-feira passada, quando foi confirmada a morte do cacique. O grupo de cerca de 15 invasores portava armas e ocupou as imediações da aldeia. Os moradores da região tiveram que se abrigar em outra aldeia vizinha, chamada Mariry. Também há relatos de ameaças contra outros moradores nos últimos dias.

Moro. O Ministério da Justiça e da Segurança Pública informou ontem que não há previsão de o ministro Sérgio Moro ir até Pedra Branca do Amapari (AP) acompanhar os desdobramentos da invasão de garimpeiros nas terras indígenas. A prefeita da cidade, Beth Pelaes (MDB), chegou a anunciar a presença do ministro no local.

A Funai relatou que “o clima de tensão e exaltação na região é alto”. “Neste domingo (ontem), após a chegada de servidores da Fundação, da Polícia Federal e do Bope, foi aberto inquérito pela PF para apuração da morte de um cacique que foi a óbito na semana passada. Servidores da Funai encontram-se no local e acompanham o trabalho da polícia”, afirmou a fundação em nota.

“Com base nas informações coletadas pela equipe em campo, podemos concluir que a presença de invasores é real.” A região indígena é considerada de difícil acesso. A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, disse que se colocou à disposição para ir até a área. Damares afirmou que conhece a prefeita e que está em contato com ela e com a Funai.

O governo enviou uma medida provisória no início do ano que ligava a Funai à pasta de Damares, mas o Congresso Nacional devolveu o órgão e a demarcação de terras indígenas ao Ministério da Justiça e da Segurança Pública. Em maio, Damares disse que iria “brigar” para manter a Funai na sua pasta e Moro chegou a dizer que não tinha interesse em ter a fundação ligada a seu ministério. A secretária especial de Saúde Indígena, Silvia Nobre Waiãpi, é da mesma etnia dos indígenas ameaçados.