Freire defende impeachment de Bolsonaro para frear ameaça autoritária e tragédia sanitária e humana

O presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire, analisou os avanços da democracia desde a Constituição de 1988, neste sábado (18), durante debate do movimento Direitos Já. Para ele, este é um valor fundamental, uma conquista da redemocratização e do fim da ditadura, entendimento que espelha o da população, segundo pesquisa DataFolha: 75% concordam que a democracia é a melhor forma de governo. 

“Isso talvez explique não termos perdido as liberdades do país por toda tentativa que vem sendo feita pelo Bolsonaro no poder. Ele continua sendo o retrocesso e irresponsabilidade, inclusive no enfrentamento da grande tragédia que os brasileiros e toda a humanidade estão sofrendo por conta da pandemia”, afirmou.

“A democracia política e a liberdade, mesmo com os problemas da desigualdade e das injustiças, foram conquistadas na Constituição de 1988. Não tivemos na nossa história um período tão longo de processo político de respeito às liberdades, de exercício democrático, de eleições livres, como tivemos nesses anos de 88 até agora”, completou.

Segundo Freire, essa conquista está ameaçada pelo governo Bolsonaro, que é uma amostra do que seria sua gestão caso houvesse ruptura institucional. Na avaliação do ex-parlamentar, o presidente pensa que regime importante foi aquele da ditadura militar, que “não tem nenhum compromisso com a razão e com a ciência e, sim, com o obscurantismo, com o retrocesso”.

Impeachment

Diante de tal ameaça autoritária, a saída, argumentou ele, é o impeachment, “instrumento democrático e constitucional”. O afastamento de Bolsonaro também é um imperativo diante da gestão negligente da pandemia de Covid-19, para a qual não há política de combate do atual governo em razão do “negacionismo” do presidente, apontou. 

O ex-parlamentar voltou a frisar a necessidade de se formar uma frente ampla com setores que não sejam somente de esquerda a fim de, se preciso, “chegar às últimas consequências do ponto de vista constitucional e aplicar o impeachment”.

“O que deve nos unir é o seu desrespeito à Constituição, seu negacionismo, sua repulsa à ciência e sua indignidade em não ter a mínima solidariedade com a família brasileira. É necessário que outros partidos se integrem a esse esforço, sem vetos, buscando até mesmo dissidentes desse governo”, propôs.

Regis Cavalcante defende frente em prol da democracia e repudia autoritarismo de Jair Bolsonaro

Presidente do Cidadania em Alagoas falou sobre a possibilidade de impeachment do presidente da República

O presidente do Cidadania em Alagoas, Regis Cavalcante, falou nesta quinta-feira (11) sobre a atual conjuntura política nacional, durante a live “Ato Pela Democracia, Contra o Racismo e em Defesa da Vida”. Na ocasião, ele se solidarizou com as mais de 40 mil vítimas da covid-19 no país e culpou o governo Bolsonaro pela velocidade da doença no país.

“Não respeita a dor de milhares de famílias vítimas dessa doença. Há um descaso em relação à vida dos mais pobres, um discurso alimentado de ódio. Cotidianamente, usa as redes sociais para desdenhar desta realidade cruel que estamos atravessando”, protestou.

Para Cavalcante, o momento é de respeito à vida dos brasileiros e à democracia. “Podemos construir um país mais coeso e compromissado com as causas sociais. Todos aqueles que vivenciaram momentos autoritários nesse país, que têm horror à ditadura e ditadores, não podem concordar com essa realidade”, disse.

Basta

Ele também falou sobre os movimentos que estão surgindo pró-democracia. “Essa é a luta que devemos desempenhar nesse momento, fazer com que todos os brasileiros e instituições de compromisso com a democracia mostrem seu repúdio, nesse momento em que as ruas não podem ser ocupadas, a essa forma de chantagear a sociedade, de querer impor um autogolpe nesse país, fazendo com que as instituições, especialmente os poderes, sejam desrespeitados”, apontou.

Durante o bate papo, Cavalcante também condenou a participação do presidente em manifestações pró-governo que incitam a violência contra o Judiciário e Legislativo. “Precisamos ampliar com todos os democratas a possibilidade de fazer uma grande movimentação nesse país, respeitando o devido isolamento social, para dar um basta nessa postura e caminharmos, se for necessário, ao impeachment do presidente”, defendeu.

Na Folha, Alessandro Vieira diz que há bases para que Bolsonaro seja investigado em CPI

“O que eu tenho defendido é que o Congresso acompanhe, investigue e apure os fatos por meio de uma CPI, e não somente se atendo ao debate do impeachment”, defende o parlamentar do Cidadania (Foto: Reprodução/Adriano Machado/Reuters )

Em declaração ao jornal ‘Folha de S. Paulo’ (veja a matéria completa abaixo), o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) vê não só no vídeo, mas também na entrevista dada pelo presidente Jair Bolsonaro após a divulgação da gravação ministerial de 22 de abril, na frente do Palácio da Alvorada, bases para que o mandatário seja investigado em uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito).

Segundo ele, ao falar sobre um sistema de informações particular na reunião ministerial, Bolsonaro indica receber informações sobre investigações envolvendo sua família. “Ele não sabe qual o papel da PF e da Presidência, desconhece os limites institucionais”, critica o senador.

“O que eu tenho defendido é que o Congresso acompanhe, investigue e apure os fatos por meio de uma CPI, e não somente se atendo ao debate do impeachment”, disse Alessandro Vieira.

Oposição vê versão de Bolsonaro comprometida e quer buscar CPI para investigá-lo

Congressistas defendem abertura de comissão em paralelo a pedidos de impeachment, que estão parados com Maia

Danielle Brant – Folha de S. Paulo

Após a divulgação do vídeo da reunião ministerial de 22 de abril, parlamentares da oposição veem crimes cometidos pelo presidente Jair Bolsonaro, apontam que sua versão sobre a interferência na Polícia Federal está comprometida e pressionam pela abertura de uma CPI no Congresso para investigar o caso.​

A avaliação geral de líderes opositores é a de que vários elementos da gravação reforçam a denúncia do ex-ministro Sergio Moro de que Bolsonaro cobrou a troca do ex-diretor-geral da PF Maurício Valeixo.

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) vê não só no vídeo, mas também na entrevista dada pelo presidente após a divulgação do material, na frente do Palácio da Alvorada, bases para que Bolsonaro seja investigado em uma CPI.

Segundo ele, ao falar sobre um sistema de informações particular na reunião ministerial, Bolsonaro indica receber informações sobre investigações envolvendo sua família.

“Ele não sabe qual o papel da PF e da Presidência, desconhece os limites institucionais”, critica o senador.

“O que eu tenho defendido é que o Congresso acompanhe, investigue e apure os fatos por meio de uma CPI, e não somente se atendo ao debate do impeachment.”

A mudança de estratégia faz sentido em um momento em que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já tem pelo menos 36 pedidos no colo para analisar, mas dá pouco sinal de que pretenda efetivamente abrir um processo contra Bolsonaro.

A argumentação oficial de Maia é que a prioridade do Congresso no momento tem que ser o combate à pandemia do novo coronavírus.

Nos bastidores, no entanto, a avaliação é a de que não haveria o apoio mínimos de 342 deputados para levar o processo adiante, em especial após o centrão — bloco formado por PP, PL, Republicanos e outras siglas — ter migrado para a base do governo, em troca de cargos.

Deputados já coletam assinaturas para abrir uma CPI. São necessários ao menos 171 apoiadores.

Valeixo foi exonerado no dia 24 de abril. Na manhã do dia anterior, Moro reuniu-se com Bolsonaro, quando foi comunicado da saída do diretor-geral escolhido por ele. O ex-juiz então pediu demissão, conforme a Folha revelou, alegando que não poderia continuar diante dessa situação.

Na troca de acusações que se seguiu à saída de Moro, o ex-ministro afirmou que o vídeo da reunião ministerial continha declarações que provavam que Bolsonaro havia tentado intervir na PF.

Em sua defesa, o presidente argumentava que as críticas feitas no encontro se referiam à sua proteção pessoal, e não a uma possível ingerência na PF. O presidente, no entanto, promoveu um general responsável por sua segurança pessoal e de sua família.

O vídeo divulgado na sexta-feira (22), pelo ministro Celso de Mello (Supremo Tribunal Federal) levanta ainda mais dúvidas sobre a versão do presidente. Nele, Bolsonaro se queixa da falta de dados dos órgãos de inteligência e de uma suposta perseguição a irmãos.

“Já tentei trocar gente da segurança nossa no Rio de Janeiro, oficialmente, e não consegui. E isso acabou”, afirmou.

“Eu não vou esperar foder a minha família toda, de sacanagem, ou amigos meus, porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence a estrutura nossa. Vai trocar! Se não puder trocar, troca o chefe dele! Não pode trocar o chefe dele? Troca o ministro! E ponto final! Não estamos aqui pra brincadeira”, disse Bolsonaro, em tom exaltado.

Nesse momento, o vídeo mostra o presidente olhando na direção em que estava sentado Moro.

Para a oposição, as declarações e a linguagem corporal do presidente reforçam a necessidade de uma investigação no Congresso sobre a tentativa de interferência na PF.

A deputada Fernanda Melchionna (RS), líder do PSOL na Câmara, afirma que o “show de horrores”, como define o encontro, comprova as denúncias do ex-ministro. “Não podemos naturalizar o que aconteceu como uma reunião, parecia mais uma reunião da máfia”, disse.

“Vários crimes foram cometidos, mas o que fica evidente é que, ao falar de proteção de filhos e de amigos, ao olhar para Moro, o presidente estava se referindo à Polícia Federal, e não ao GSI [Gabinete de Segurança Institucional, responsável pela segurança presidencial].”

A esse fato, disse, se somam as mensagens entre Bolsonaro e Moro horas antes da reunião de 22 de abril mostrando que o presidente havia cobrado a troca de comando na PF no início da manhã em que o encontro ocorreu.

Não foi a única mensagem sobre o tema. No dia seguinte, pouco antes da reunião com Moro, o presidente também citou a saída de Valeixo.

O líder do PSB na Câmara, deputado Alessandro Molon (RJ), vê chances de o impeachment avançar, assim que Maia “perceber que tem apoio da sociedade brasileira”. “Os pedidos refletem o anseio da população brasileira, que cresce a cada pesquisa de opinião. É um processo que vai se acumulando.”

​Com autorização do STF (Supremo Tribunal Federal), os crimes investigados são: falsidade ideológica, coação no curso do processo, advocacia administrativa, obstrução de Justiça, corrupção passiva privilegiada, prevaricação, denunciação caluniosa e crime contra a honra.

De acordo com interlocutores do PGR, Moro pode ser enquadrado nos três últimos, e Bolsonaro, nos seis primeiros.

Se Bolsonaro for denunciado, a Câmara aprovar o prosseguimento e o STF aceitar a abertura de ação penal, ele é afastado do cargo automaticamente por 180 dias.

Na sexta (22), o procurador-geral da República, Augusto Aras, informou que só vai se manifestar nos próximos dias, após assistir à íntegra do vídeo.

A divulgação do vídeo confirmou os indícios de que Bolsonaro tentou interferir na PF, embora não tenha revelado novos elementos para o caso.

O inquérito em curso no Supremo apura se, ao tentar nomear pessoas de sua confiança em postos-chave da corporação, entre eles o comando da superintendência no Rio, Bolsonaro buscava ter acesso a investigações com potencial de atingir seus parentes e aliados.

As falas do presidente no encontro foram citadas por Moro como evidências da suposta ingerência, após seu rompimento com o governo.

Num dos trechos do vídeo, Bolsonaro, de fato, cita “PF” (sigla de Polícia Federal) num contexto de insatisfação com a falta de informações de inteligência. E relaciona o órgão entre os que seriam objeto de sua interferência, incluindo ministérios.

Bolsonaro ainda criticou o serviço de informações do governo, dizendo que todos “são uma vergonha”. “Não sou informado! E não dá pra trabalhar assim. Fica difícil. Por isso, vou interferir! E ponto final, pô! Não é ameaça, não é uma… uma extrapolação da minha parte. É uma verdade.”

Em entrevista no Palácio da Alvorada após a divulgação do vídeo, Bolsonaro confirmou que tinha preocupação que algum filho seu fosse alvo de busca e apreensão e disse que pediu a ajuda de Moro para impedir isso. O ex-ministro alega que essa declaração foi outra pressão por mudanças na PF.

Bolsonaro, contudo, sustenta que se referia naquele momento à troca de equipes do Gabinete de Segurança Institucional, responsáveis por proteger seus familiares.

Fonte: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2020/05/oposicao-ve-versao-de-bolsonaro-comprometida-e-quer-buscar-cpi-para-investiga-lo.shtml

Risco de rompimento democrático deve unir centro, esquerda e direita contra o bolsonarismo

Em conversa online com a juventude do Cidadania, Roberto Freire defende CPI como forma de chegar ao impeachment de Jair Bolsonaro e diz que cabe às forças que promoverem o afastamento dar sustentação a quem vier a assumir; ele ponderou, contudo, que posicionamento da legenda a respeito ainda não está fechado

Continue lendo