De Marighella a Marielle no #ProgramaDiferente

O filme Marighella, de Wagner Moura, ainda inédito Brasil, é boicotado e atacado pela milícia bolsonarista (Foto: Reprodução)

Novembro marca os 50 anos da morte de Carlos Marighella, ícone da luta armada contra a ditadura, em pleno aniversário dos 30 anos da queda do muro de Berlim, no mês da consciência negra e num momento em que o ainda misterioso assassinato de Marielle Franco retorna com força ao noticiário. E o que uma coisa tem a ver com a outra? Tudo! Tudo junto e misturado (veja abaixo).

Vivemos tempos de retrocesso, polarização, acirramento do ódio, preconceito, intolerância, perseguição política e até uma caça extemporânea a comunistas (reais e imaginários). O filme Marighella, de Wagner Moura, ainda inédito Brasil, é boicotado e atacado pela milícia bolsonarista, que o odeia sem ver e problematiza até a cor do ator Seu Jorge, escalado para interpretar o polêmico personagem-título.

História de superação de Renata Bueno vai virar documentário

História de superação de Renata Bueno vai virar filme

Encarada como exemplo de superação, vida de ex-deputada será mostrada em festivais de cinema na Itália

Site Italianismo

A trajetória da ex-deputada do parlamento italiano e empresária Renata Bueno vai ganhar as telas do cinema.

O anúncio foi feito pela própria Renata em seu perfil no Facebook. “Minha vida virou filme! É com felicidade que compartilho com vocês essa notícia: um longa-metragem sobre minha trajetória”, publicou Bueno.

Com direção de Abbadhia Vieira, o documentário “View Point of Renata Bueno” será exibido – a princípio – em festivais de cinema na Itália e em sessões em Lisboa e Curitiba.

Produzido entre 2017 e 2018, o filme vai mostrar a vida de superação da política e empresária por conta de sua deficiência visual . “Nele, expus um pouco da minha vida como mulher, que convive com a retinose pigmentar, além de assuntos relevantes sobre política e empreendedorismo.

A produção está prevista para estrear no próximo ano.

Filha do deputado federal Rubens Bueno, Renata foi vereadora de Curitiba e deputada do Parlamento italiano entre 2013 e 2018. Apesar de ser a mais votada no Brasil, entre 24 candidatos, e a terceira na América do Sul, ela não conseguiu se manter no cargo.