A pedido do deputado Da Vitória, comissão debaterá precificação de combustíveis

A Comissão de Minas e Energia aprovou nesta quarta-feira (04) requerimento para realização de audiência pública para debater as políticas comerciais e de precificação aplicadas pelas principais distribuidoras de combustíveis no país.

Para o deputado Da Vitória (Cidadania-ES), um dos autores do pedido de audiência, o debate sobre a variação dos preços dos combustíveis e os efeitos da falta de competitividade no setor precisam ser aprofundados pelo Parlamento. “Há situações em que as principais distribuidoras se utilizam da exclusividade obtida em razão da regra regulatória do embandeiramento para pressionar os revendedores de combustíveis a não baixarem seus preços”, citou o parlamentar.

De acordo com dados da ANP (Agência Nacional de Petróleo), há casos em que a distribuidora “bandeirada” confere a um posto vinculado a sua marca preço de compra igual, ou até maior, do que o de venda de outro distribuidor também vinculado a sua bandeira e que se encontra na mesma área de influência do primeiro.

Convidados

Serão convidados para debater o assunto Bruno Conde Caselli, superintendente de Defesa da Concorrência, Estudos e Regulação Econômica da ANP; representantes das Distribuidoras BR, Raízen, Ipiranga, da Abrilivre e da Fecombustíveis, do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) e dos varejistas de petróleo.

Deputado Da Vitória pede celeridade na aprovação da PEC da segunda instância

O Parlamento precisa mudar o entendimento do STF, diz o deputado do Cidadania do Espírito Santo (Foto: Robson Gonçalves)

Em pronunciamento da tribuna, nesta terça-feira (12), deputado federal
Da Vitória (Cidadania-ES) pediu celeridade na aprovação da nova PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que prevê prisão após condenação em segunda instância, após o julgamento do colegiado de juízes.

Ao ser retirado do texto, os artigos 102 e 105 que não ferem cláusulas pétreas, o parlamentar avalia que a matéria tem chances de ser aprovada na Casa.

A decisão do Supremo, anunciada na quinta-feira passada, é que as prisões só ocorram depois do trânsito em julgado.

“Não dá para ficarmos nas redes sociais chorando o leite derramado em relação à posição do Supremo Tribunal Federal – que é quem interpreta a Constituição -, que decidiu que os tribunais não devem acatar a prisão em segunda instância. Ao invés de reclamarmos, o Parlamento deve fazer o seu dever de casa: reformar esse entendimento”, argumentou.

Também tramita no Senado Federal uma PEC que muda trechos da Constituição e permitir novamente a prisão após condenação em segunda instância.

Da Vitória disse que vai trabalhar incansavelmente pela aprovação da nova PEC, de autoria do deputado federal Alex Manente, do Cidadania de São Paulo, para que o Congresso reveja esse entendimento da Corte.

“Se um colegiado já confirmou a condenação, não há motivo para a pena não comece a ser cumprida. Dificilmente, essa decisão será mudada por outro tribunal. Vamos decidir de acordo com a vontade popular. A impunidade não terá mais vez no Brasil ”, avisou Da Vitória.

Da Vitória defende comissão especial para debater novas regras para geração distribuída de energia

O parlamentar criticou a decisão da Aneel de fazer consulta pública sobre o assunto sem a participação do Congresso (Foto: Robson Gonçalves)

O  deputado federal Da Vitória (ES), vice-líder do Cidadania na Câmara, defendeu nesta quarta-feira (06), a instalação de uma comissão especial para discutir a regulamentação de novas regras sobre a produção, consumo e compensação da GD (geração distribuída) de energia no País. 

A ideia é que o colegiado analise os 40 projetos que tratam do assunto tramitam na Casa.

A fala de Da Vitória ocorreu na Comissão de Minas e Energia, que debate as mudanças que serão feitas pelo setor pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

 A questão tem recebido críticas sobretudo do Congresso Nacional.

Para o parlamentar, é importante que as novas regras sejam definidas pelo do Congresso Nacional e não por meio de resolução da Aneel. Ele voltou a criticar a decisão da Agência de fazer consulta pública sem a participação do Congresso Nacional.

“Reafirmo meu posicionamento contrário a essa decisão da Aneel de fazer consulta alheia àqueles que representam a sociedade no Parlamento. A Câmara tem se posicionado amplamente sobre esse assunto, principalmente na Comissão de Minas e Energia. Já identificamos mais de 40 projetos que tratam desse tema. As novas regras serão  construídas pelo Congresso Nacional”, afirmou.

Segurança jurídica

Na avaliação de Da Vitória, a proposta da Agência pode poderá causar retrocesso e até mesmo inviabilizar a geração distribuída por energia solar fotovoltaica no País.  

“Precisamos dar segurança jurídica às pessoas que investem em energia limpa e que contribuem para o desenvolvimento do País”, defendeu o deputado capixaba.

Deputado Da Vitória critica proposta da Aneel de taxar energia solar

A taxação vai desestimular a ampliação dessa forma de energia, que é limpa, sustentável e renovável, alerta o parlamentar (Robson Gonçalves)

A consulta pública lançada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) que pretende taxar a geração distribuída de energia solar foi criticada pelo deputado federa Da Vitória (Cidadania-ES) durante audiência pública na Câmara dos Deputados realizada nesta quarta-feira (30), na Comissão de Minas e Energia para tratar do assunto.

A Aneel abriu, no último dia 15 de outubro, uma consulta pública para revisão da Resolução 482/2012, que trata das normas para o segmento no país. O parlamentar capixaba afirmou que se a agência autorizar a cobrança pela utilização da rede da distribuidora, aumentará o custo da utilização da energia solar e desestimular a ampliação desta forma de geração distribuída limpa, sustentável e renovável.

“O que a Aneel está querendo com essa consulta nós não vamos aceitar. O esforço de cada um dos parlamentares parece que está sendo em vão. Enquanto estamos aprovando reformas e medidas para resolver o passivo no crescimento do País, igualando a competitividade com os outros países, a Aneel vem com uma consulta para taxar a energia solar. A taxação da energia fotovoltaica pode aumentar em 60% esta forma de produção e desestimular a ampliação do setor. Não vamos deixar isso acontecer. Nesta Casa vamos defender que não seja feita a taxação”, afirmou o deputado.

Da Vitória destacou que a geração da energia fotovoltaica solar cresceu desde de 2012 e a alteração neste momento será prejudicial à ampliação da geração distribuída. Segundo a proposta em consulta da Aneel, a nova forma de cobrança seria feita a partir do momento em que estiver vigorando o novo texto da resolução que disciplina o assunto — caso este seja referendado pela agência.

Convidados

A Comissão de Minas e Energia recebeu nesta quarta-feira(30) para debater o assunto o diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica, Rodrigo Limp; o diretor da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), Marco Antonio de Paiva Delgado; o presidente da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), Rodrigo Sauaia; e o Diretor do Departamento de Políticas Sociais e Universalização do Acesso à Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Antonio Celso de Abreu Junior. (Com informações da Assessoria do Parlamentar)

Da Vitória diz que aprovação da reforma da Previdência é necessária para o País

“A sociedade entendeu que a reforma era necessária. Foi esse pensamento coletivo que tornou possível a aprovação”, diz o deputado (Foto: Robson Gonçalves)

O deputado federal Da Vitória (ES), vice-líder do Cidadania na Câmara, comemorou nesta quarta-feira (23) a aprovação da Reforma da Previdência Social pelo Senado Federal. A data da promulgação da PEC 06/2019 ainda está sendo definida pelo presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

“Com a aprovação do Senado, o Parlamento entrega este dever de casa, que é importante para o País. A reforma da Previdência é necessária para o desenvolvimento da nação, que precisa avançar para criar oportunidades negócios para gerar emprego e renda”, definiu o parlamentar.

Ele destacou a atuação da bancada do Cidadania quando da tramitação da proposta na Câmara dos Deputados.

“Aqui na Casa, propusemos emendas importantes para garantir os direitos dos trabalhadores, dos pensionistas, dos idosos”, pontuou.

Na avaliação de Da Vitória, a reforma da Previdência foi aprovada em sintonia com os anseios da população para ter um País melhor para todos.

“A sociedade entendeu que a reforma era necessária. Foi esse pensamento coletivo que tornou possível a aprovação. Entendo que ainda estamos dando o primeiro passo na direção de outras ações, como a simplificação do sistema tributário, que o Parlamento precisa entregar ao país”, afirmou o vice-líder do Cidadania.

Da Vitória comemora aprovação da PEC que cria a Polícia Penal

“Precisamos dar condições de identidade para esses profissionais que trabalham para tornar possível a ressocialização”, diz o parlamentar capixaba (Foto: Robson Gonçalves)

A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que cria a Polícia Penal, englobando os agentes penitenciários, foi aprovada nesta quarta-feira (9) pela Câmara dos Deputados. O deputado federal Da Vitória (ES), vice líder do Cidadania, comemorou a aprovação, lembrando que o País precisa equacionar melhor os cuidados com os presidiários e definir a carreira dos agentes penitenciários. Votação foi em primeiro turno e beneficia agentes penitenciários.

“Precisamos dar condições de identidade para esses profissionais que trabalham para tornar possível a ressocialização e a volta daqueles que cumprem suas penas ao convívio da sociedade”, disse Da Vitória.

O deputado federal Fabiano Tolentino (Cidadania-MG) encaminhou a votação pelo partido. Ele lembrou que votou favorável ao uso de armas pelos agentes penitenciários quando era deputado estadual.

Atualmente, esses servidores sofrem restrições no exercício de suas funções porque com elas se choca, muitas vezes, a atuação da Polícia Militar. É ela que é chamada para resolver problemas dentro do presídio ou para fazer escolta. A PEC, que foi aprovada por 402 votos a 8, será votada ainda na Câmara em segundo turno.

Da Vitória protesta contra fechamento de órgão da Agência de Mineração no ES

“Esta ideia de extinguir a nossa coordenação é um verdadeiro absurdo. Essa decisão não pode ser tomada dessa maneira precipitada”, diz o deputado (Foto: Robson Gonçalves)

Em duro pronunciamento da tribuna, nesta quarta-feira (9), o deputado federal Da Vitória (ES), coordenador da Bancada do Espírito Santo no Congresso Nacional, protestou contra a intenção do governo federal de fechar a superintendência da ANM (Agência Nacional de Mineração) no Espírito Santo.

Se o órgão for extinto, as demandas dos produtores minerais capixabas passarão a ser atendidas pela coordenação do Rio de Janeiro.

Segundo o parlamentar, os servidores já foram comunicados oficialmente sobre as mudanças. Com a transferência, eles passarão a ser subordinados à superintendência da ANM do Rio de Janeiro.

“Esta ideia de extinguir a nossa coordenação é um verdadeiro absurdo. Essa decisão não pode ser tomada dessa maneira precipitada. É preciso conversar, consultar. Respeitamos o governo, o ministro (de Minas e Energia) Bento Albuquerque, mas exigimos respeito ao Espírito Santo”, advertiu.

O deputado reforçou as críticas lembrando a importância da produção das rochas ornamentais para a economia do país e do estado. “As rochas ornamentais representam 10 por cento do nosso PIB (Produto Interno Bruto) e 50 por cento da produção nacional. Não concordamos de forma alguma com essa transferência”, reforçou.

Da Vitória disse que seu discurso traduzia a “indignação” dos deputados e senadores da bancada capixaba.

“Sabemos das dificuldades por que passa a Agência, da falta de funcionários, mas a nossa bancada sempre colaborou, apresentando, inclusive, emendas ao Orçamento. O nosso apelo ao ministro Bento Albuquerque é que repense sobre essa decisão que pode prejudicar o Espírito Santo”, cobrou.

A pedido do deputado Da Vitória, Comissão da Reforma Tributária promoverá debate em ES

A Comissão Especial da Câmara que debate as mudanças no sistema tributário (PEC 45/2019) realizará, nesta sexta-feira (04), seminário regional em Vitória (ES). O objetivo do colegiado é ampliar o debate com a sociedade e o setor produtivo.

O seminário contará com a participação do economista Bernard Appy, um dos autores do estudo desenvolvido pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) que originou a proposta de emenda constitucional apresentada pelo deputado federal Baleia Rossi (MDB-SP).

O evento será realizado a requerimento do deputado federal Da Vitória, vice-líder do Cidadania na Câmara e coordenador da bancada do Espírito Santo. O seminário está marcado para as 9 horas, na Assembleia Legislativa.

Para Da Vitória, o seminário é uma oportunidade para que a sociedade capixaba possa contribuir para o aperfeiçoamento da proposta de emenda constitucional, que prevê a simplificação do atual sistema por meio da unificação de tributos sobre o consumo.

“O Espírito Santo tem muito o que contribuir neste debate importante para a vida nacional. O sistema tributário do Brasil é muito complexo e é necessário simplificar esse arcabouço jurídico que existe”, avaliou.

A PEC 45/2019 extingue três tributos federais (IPI, PIS e Cofins), o ICMS (estadual) e o ISS (municipal). No lugar desses impostos serão criados o Imposto sobre Operações com Bens e Serviços (IBS) – que é de competência dos três entes federativos – e outro sobre bens e serviços específicos (Imposto Seletivo), de competência federal.

Bancada do Cidadania na Câmara vota por aperfeiçoamento da Lei de Licitações

O plenário da Câmara aprovou, nesta quarta-feira (11), destaques ao projeto de lei que estabelece reformulações na Lei de Licitações (8666/1993). Ainda ficaram faltando quatro destaques. O relator da matéria,  deputado federal Augusto Coutinho (Solidariedade-PE), acatou proposta do líder do Cidadania, deputado federal Daniel Coelho (PE), de incluir no texto previsão para dispensa do procedimento licitatório para compra de medicamentos destinados exclusivamente a tratamento de doenças raras, apontadas conforme definição do Ministério da Saúde.

O deputado federal Arnaldo Jardim (Cidadania-SP) encaminhou as votações pelo partido à tarde e à noite sobre a nova legislação, constante do PL 1292/1995. O parlamentar defendeu que as aquisições de itens de luxo fossem feitas por meio de licitação.

“Nós apostamos na transparência. Se esses artigos não forem comprados por licitação, vão ser adquiridos como? Por excepcionalidade, sem concorrência, sem transparência”, disse, ao optar pelo texto principal da matéria, em detrimento da emenda do Novo.

Mesmo com o apelo do deputado, o plenário aprovou a emenda.

Destaque

O deputado federal Da Vitória (ES), vice-líder do Cidadania na Câmara, indicou voto favorável do partido ao destaque do PDT, que manteve o texto da Lei 8666 fixando o valor do seguro garantia em 5 a 10% da obra e não em 10% a 20%, conforme estabelecia o PL.

“Trazer mais dificuldade e onerar mais as empresas não coloca o Brasil em posição de competitividade. Apoiamos o destaque para dar mais flexibilidade e para que os pequenos empresários possam participar das licitações que o poder público promove”, disse o parlamentar.

De acordo com o texto-base do projeto, o administrador poderá contar com modalidades de licitação diferentes das atuais, e a inversão de fases passa a ser a regra: primeiro se julga a proposta e depois são cobrados os documentos de habilitação do vencedor.

Das modalidades existentes, o texto mantém o pregão, a concorrência, o concurso e o leilão. É criada a modalidade de diálogo competitivo.

Reforma Tributária: Da Vitória apresentará emenda unificando alíquota do ISS

O deputado federal Da Vitória (ES), vice-líder do Cidadania na Câmara dos Deputados, apresentará emenda na comissão especial que debate a PEC 45/2019, que altera as regras do sistema tributário, simplificando a forma de arrecadação do Imposto Sobre Serviços (ISS). A emenda estabelece alíquota única para a cobrança do imposto em todos os municípios.

A iniciativa estabelece a cobrança do imposto no destino, com alíquota única para cada município entre 2% e 5%. 

A emenda é baseada na proposta da Associação Brasileira de Secretarias de Finanças das Capitais (Abrasf) e conta com o apoio da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), que concreta mais de 400 municípios. 

 “Essa emenda representa a proposta dos municípios brasileiros, que precisam ser ouvidos no debate da reforma tributária. Além de regulamentar e simplificar,  essa proposta cria um maior ambiente de negócios e dá segurança aos municípios, que são os entes federados que cuidam da vida dos cidadãos”, definiu Da Vitória.

O parlamentar já começou a colher as 171 assinaturas necessárias para que a emenda possa ser protocolada na comissão especial. O prazo final para apresentação de alterações ao texto da PEC da Reforma Tributária está previsto para terminar nesta quinta-feira (11).

Dentre outras alterações, a emenda de Da Vitória extingue a atual lista de serviços, com vistas a contemplar as muitas mudanças ocorridas no setor e fixa prazo de dez anos para o período de transição para consolidar a cobrança integral do ISS no destino.

Da Vitória destaca aprovação de emenda do Cidadania que moraliza uso do Fundo Partidário

O deputado federal Da Vitória (ES), vice-líder do Cidadania na Câmara dos Deputados, destacou a atuação do partido na votação do projeto que altera várias regras eleitorais e o uso do Fundo Partidário. Mesmo votando contra à proposta, o Cidadania fez a diferença ao aprovar emenda impedindo que um partido transferisse para outro recursos do Fundo Partidário, mesmo que as legendas não fizessem parte da mesma coligação.

O projeto (PL 11021/2018) será analisado ainda pelo Senado Federal. Para Da Vitória, a medida moraliza a aplicação do Fundo Partidário, que formado por recursos públicos.

“A retirada desse dispositivo do projeto é uma vitória da sociedade. Não podemos permitir que recursos públicos sejam usados dessa forma. Mesmo votando contra ao projeto, a nossa bancada atuou firmemente para tirar da proposta essa medida, que na nossa avaliação é imoral”, disse o parlamentar.

A outra emenda do Cidadania impedia que o parlamentar que saísse do partido levasse a cota do Fundo Partidário. Mas a iniciativa foi derrotada pelo plenário da Câmara dos Deputados.

Entre outras mudanças, o projeto prevê exceções ao limite de gastos de campanhas; estabelece itens nos quais podem ser usados recursos do Fundo Partidário; define critérios para análise de inelegibilidade; e autoriza o retorno da propaganda partidária semestral.
Para valer nas eleições municipais do próximo ano, as alterações precisam ser publicadas em até um ano antes do pleito, ou seja, até o começo de outubro deste ano.

Da Vitória comemora redução no número de homicídios no Espírito Santo

Em pronunciamento da tribuna nesta quarta-feira (4), o deputado federal Da Vitória (Cidadania-ES) destacou o trabalho que vem sendo desenvolvido pelas forças de segurança do Espírito Santo para reduzir os índices de homicídio no estado.

Dados da Segurança Pública apontam que, nestes oito meses, não foi registrado nenhum homicídio em 23 cidades.

“Estes municípios estão localizados de norte a sul do estado”, comemorou o parlamentar para, em seguida, citar os nomes das cidades.

Na avaliação de Da Vitória, coordenador da Bancada do Espírito Santo no Congresso Nacional, no momento de crescente violência em vivem todos os estados, as instituições policiais do Espírito Santo são um exemplo a ser seguido por contribuir para a paz social da população.

“Graças a esse trabalho conjunto, o nosso estado registrou, nestes oitos meses, uma redução de 16,8%, em comparação ao mesmo período de 2018”, reforçou o vice-líder do Cidadania.

Ele também citou os dados apontando que, primeira vez, o Espírito Santo registrou menos de 80 homicídios no mês de agosto. Este ano foram 73.

“Em nome da bancada capixaba, quero me congratular com polícias militar e civil, o governador Renato Casagrande e com o secretário de Segurança, Renato Sá, por este trabalho conjunto e competente em defesa da paz social da nossa população”, ressaltou o deputado Da Vitória.

Reforma Tributária: Da Vitória aprova audiência com o presidente da Abrasf

A comissão especial da Câmara dos Deputados que analisa a Proposta de Emenda Constitucional n° 45/2019 aprovou requerimento, apresentado pelo deputado federal Da Vitória (Cidadania-ES), para realização de audiência pública com o secretário de Finanças de Curitiba e presidente da Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais (Abrasf), Vitor Puppi, para falar sobre as modificações do sistema tributário brasileiro. O evento ainda não tem data marcada.

Na avaliação do parlamentar, Vitor Puppi, com a sua experiência, tem muito a contribuir para o debate da reforma tributária.

“É importante que ele externe na comissão a preocupação dos prefeitos e secretários de finanças com a principal fonte de receita dos municípios, que é o ISS ”, afirmou Da Vitória.

A proposta que está em discussão na Câmara cria o IBS (Imposto sobre Operações com Bens e Serviços) para substituir outros cinco impostos: IPI, PIS e Cofins, federais; ICMS, estadual; e o ISS, municipal.

No pedido de audiência pública, o deputado Da Vitória solicita ainda que seja convidada a presidente da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), Amábile Pacios.

Comissão aprova pedidos de informações de Da Vitória sobre Agência de Mineração

A Comissão de Minas Energia da Câmara aprovou requerimentos de autoria do deputado federal Da Vitória (Cidadania-ES) ao Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, em que pede informações sobre o funcionamento dos trabalhos da Agência Nacional de Mineração (ANM), que foi criada em 2017 para substituir o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).

De acordo com o parlamentar, as informações servirão para subsidiar a atuação da Frente Parlamentar Mista da Mineração na comissão especial do marco regulatório, que será criada pela Câmara dos Deputados.

“Para que o marco regulatório seja elaborado, é necessário que se conheça o volume de procedimentos em tramitação na Agência que estão pendentes de análise, dentre eles os pedidos de prorrogação de prazo para apresentação de licença ambiental. O nosso objetivo é dar ao país uma legislação moderna, sem os entraves da burocratização. A agilização das demandas é importante para o desenvolvimento sustentável do país”, justificou Da Vitória.

O deputado é coordenador de Extração e Beneficiamento de Rochas Ornamentais da Frente Parlamentar Mista da Mineração. O setor é responsável por 7% do PIB (Produto Interno Bruto) capixaba.

Em um dos requerimentos, Da Vitória solicita a relação dos pedidos de prorrogação de prazo para a concessão de licença ambiental que estão sendo analisados e os que já foram deferidos no período de janeiro de 2016 a junho de 2019 pela ANM/DNPM. Ele também pediu a lista dos casos que foram indeferidos e daquelas solicitações de licenciamento que tiveram mais de um pedido.

Em outro documento, o coordenador da Bancada do Espírito Santo no Congresso Nacional pede que a nova diretoria da Agência encaminhe à Câmara dos Deputados quantidade de processos que foi analisada pela atual gestão, separadas por número de protocolo, nome do requerente, substância mineral, motivo da análise e decisão, o estado e o município onde se dará a exploração mineral.

As iniciativas foram apresentadas em coautoria com os deputados federais Ricardo Izar (PP-SP) e Greyce Elias (Avante-MG).

Além disso, foram aprovados requerimentos pedindo explicações sobre cessão de direitos minerários e exigências de redução de áreas de exploração que foram originalmente requeridas pelos interessados.

Prazo

O prazo constitucional para que o Ministério das Minas e Energia responda aos questionamentos formulados por Da Vitória é de 30 dias.

Previdência: Da Vitória defende inclusão de bombeiros e policiais militares no projeto das Forças Armadas

Os policiais e bombeiros militares precisam ter os mesmos direitos que são dados às Forças Armadas. Precisamos fazer justiça aos profissionais que trabalham diuturnamente em defesa dos cidadãos brasileiros. A declaração é do deputado federal Da Vitória (ES), vice-líder do Cidadania na Câmara, durante a sessão de instalação, nesta quarta-feira (14), da Comissão Especial que vai debater o Projeto da Previdência Social dos Militares das Forças Armadas (PL 1645/2019).

A iniciativa do Poder Executivo trata da idade e do tempo de contribuição para aposentadoria e do plano de carreira.

Os policiais e bombeiros militares não estão contemplados nesta proposta, que começa a ser discutida na Casa, nem na PEC 6/2019, da Reforma da Previdência Social, aprovada em dois turnos pelos deputados e que está sob a análise do Senado Federal.

“O Parlamento precisa fazer Justiça a quem faz o enfrentamento da violência nas ruas e defende a vida dos cidadãos deste país. O que defendemos é que seja concedida a mesma simetria de tratamento aos bombeiros e policiais miliares”, reforçou o coordenador da Bancada do Espírito Santo no Congresso Nacional.

Consenso

Segundo o deputado, já existe um consenso, inclusive da parte do governo, em torno da apresentação de uma emenda para incluir na Comissão Especial essas categorias no projeto. “Como profissional da PM [Polícia Militar] e representante do meu estado neste Casa, darei todas as minhas energias para a aprovação desta emenda tão importante para os bombeiros e policiais militares”, afirmou Da Vitória, que é integrante do colegiado. 

Na reunião de instalação do colegiado foram escolhidos como presidente e relator, respectivamente, os deputados federais José Priante (MDB-PA) e Vinicius Carvalho (MDB-MG).

A partir da próxima sexta-feira (16), começará a contar o prazo de cinco sessões para apresentação de emendas ao texto da Reforma dos Policiais das Forças Armadas.