Alessandro Vieira cobra foco do governo na nova rodada do auxílio emergencial e na crise sanitária

Para o senador, somente após a decisão da nova rodada do auxílio emergencial é que deve ser tratada a pauta de reformas (Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado)

Diante da ofensiva do presidente Jair Bolsonaro com a publicação de quatro decretos no final da semana passada flexibilizando o acesso a armas no País, o líder do Cidadania no Senado, Alessandro Vieira (SE), cobrou foco do chefe do Executivo frente à crise sanitária do novo coronavírus, na agilização da nova rodada do auxílio emergencial e no combate à corrupção.

“Você não concorda com um presidente que em pleno Carnaval da pandemia escolhe liberar mais armas e alterar a política do livro didático? Eu também, mas é preciso manter o foco: omissão criminosa no combate à Covid, atraso no auxílio emergencial e destruição da Lava Jato”, comentou o parlamentar no Twitter.

Alessandro Vieira é contra o aumento de impostos para financiar a retomada do auxílio emergencial. Ele também diz que o Congresso Nacional não vai aceitar uma eventual imposição do governo de retomar o benefício, desde que aprovado com a criação de um novo tributo.

“Não existe espaço nesse momento para discussão de um novo imposto, seja para financiar o auxílio, seja para financiar outros gastos frente à pandemia”, afirma o senador, ao defender que o momento é de ‘atendimento imediato’ para oferecer o mínimo de dignidade aos mais vulneráveis.

Para ele, somente após a decisão da nova rodada do auxílio emergencial é que deve ser tratada a pauta de reformas.

“Cuidando especialmente da reforma tributária, onde aí sim você poderá fazer uma revisão do sistema e garantir espaço para melhora da arrecadação, não de aumento de alíquotas, o que o Brasil não aguenta mais”, ressalta Alessandro Vieira.

Alessandro Vieira adere à CPI e CPMI da Covid-19

Objetivo das investigações é apurar as ações e omissões do governo federal no enfrentamento da pandemia da Covid-19 no Brasil (Foto: Reprodução/Agência Senado)

O líder do Cidadania no Senado, Alessandro Vieira (Cidadania-SE), subscreveu os requerimentos que solicitam a criação de CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) e CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito). Os pedidos são de autoria do senador Randolfe Rodrigues (REDE – AP).

O objetivo das investigações é apurar as ações e omissões do governo federal no enfrentamento da pandemia da Covid-19 no Brasil e, em especial, no agravamento da crise sanitária no Amazonas com a ausência de oxigênio para os pacientes internados.

“O Congresso Nacional deve respostas à população que lida, não só com o vírus que tirou a vida de mais de 209 mil brasileiros, mas com a desorganização dos governantes que deixaram faltar itens básicos na Saúde, como o oxigênio em Manaus”, ressaltou.

Alessandro Vieira acredita que “com a criação das Comissões, os responsáveis pelo caos na Saúde Pública poderão ser responsabilizados”.

Alessandro Vieira pede ao TCU e PGR verificação da aplicação de recursos da Saúde

‘Se trata de garantir o justo emprego de recursos públicos tão necessários neste momento de grave crise sanitária’, diz o senador (Foto: Ana Volpe/Agência Senado)

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) acionou o TCU (Tribunal de Contas da União) e a PGR (Procuradoria-Geral da República) para verificar a suposta distribuição de verbas da Saúde sem critérios técnicos.

Dados recentemente revelados pelo próprio Ministério da Saúde indicam que a verba destinada às ações diretas da pasta no combate à epidemia de Covid-19 registou uma redução de R$ 10,3 bilhões previstos inicialmente para R$ 7,6 bilhões.

“Não se trata de criminalizar o parlamentar que quer contemplar suas bases eleitorais, ou mesmo a tentativa do Executivo de montar uma base no Congresso Nacional privilegiando lideranças”, escreveu o senador em suas redes sociais.

“Se trata de garantir o justo emprego de recursos públicos tão necessários neste momento de grave crise sanitária”, completou.

A destinação sem critérios técnicos claros, diz o senador, é “óbice insuperável para o justo e igualitário atendimento a todos os brasileiros e abre a porta para fraudes e desperdício”.

Boa parte dos recursos teriam sido desviados a estados e municípios para financiar ações de saúde nesses locais que não estariam necessariamente ligadas ao combate à pandemia.

O remanejamento de recursos do orçamento é uma das fórmulas que o governo tem usado para conseguir recursos necessários para seduzir o chamado “centrão”, e garantir uma maioria parlamentar a seu favor no Congresso Nacional.

Alexandre Pereira: Cidadania Já!

Os acontecimentos ocorridos na última semana me trouxeram sensações diversas e antagônicas. Me vi indignado ao constatar a brutalidade do racismo estrutural ainda tão presente em nossa sociedade. Perplexo que em pleno século XXI, omitir informações sobre uma Pandemia de gravidade incalculável, seja ação de governo. Por fim, me fez sentir profunda esperança com as reações da sociedade “desorganizada” sem tutelas ideológicas ou politicopartidárias, mas da comunhão de valores como justiça social e democracia em todo o mundo.

A vivacidade da nossa democracia, impôs sua agenda e obrigou que agentes públicos da melhor qualidade e das mais diversas matrizes ideológicas deixassem as divergências em segundo plano e centralizassem um discurso racional , republicano e democrático em prol do Brasil.

O surgimento de movimentos suprapartidários e progressistas nos últimos meses, dos quais destaco o #juntos com mais de 300 mil signatários e o “Janelas para a Democracia” que une 05 partidos políticos, PDT , PSB , PV , Rede e Cidadania 23. Este, tem como objetivo, superar a grave crise sanitária e política por qual passamos, discutindo novos rumos para o Brasil, fugindo do hegemonismo dos extremos e abrindo espaço para novos atores e propostas.

O momento nos exige inteligência e parcimônia, não é chegado a hora de irmos para as ruas. Evitemos aglomerações como nos orienta a comunidade científica mundial e coloquemos a vida em primeiro lugar.

Por enquanto, fique em casa, mas alerta!

Alexandre Pereira
Presidente Estadual do Cidadania Ceará