Bolsonaro ‘é criminoso’ e ‘merece ser condenado a 50 ou a 150 anos’, diz Alessandro Vieira

Em entrevista ao programa Roda Viva, senador comentou os desdobramentos de meses de investigações promovidas pela CPI da Pandemia sem poupar críticas ao presidente e ao procurador-geral, Augusto Aras (Foto: Reprodução/TV Cultura)

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) participou, nesta segunda (18), do programa Roda Viva, da TV Cultura (veja aqui), e comentou os desdobramentos de meses de investigações promovidas pela CPI da Pandemia, no Senado Federal, e eventuais imputações ao presidente Jair Bolsonaro que devem ser apresentadas em seu relatório final.

Suplente da CPI, o parlamentar disse na entrevista que faltou coragem para a convocação do general Walter Braga Netto, ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da Repúlica, na comissão, criticou o procurador-geral, Augusto Aras, e lamentou a ‘inércia’ dos órgãos fiscalizadores do governo. Ele participou da entrevista ao lado do também senador Fabiano Contarato (Rede-ES).

Ao ser questionado pela apresentadora do programa, jornalista Vera Magalhães, sobre o indiciamento de Bolsonaro no relatório final da CPI, Alessandro Vieira elencou uma série de crimes que formam cometidos pela presidente durante a pandemia.

“Crime de epidemia, agravado pelo resultado morte, me parece muito claro. Bolsonaro apostou na imunidade de rebanho natural, gerou uma aceleração da pandemia e teve milhares de mortes. Estudos indicam que poderiam se evitar de 120 a 400 mil óbitos. Você também tem o crime de responsabilidade na medida que nega o acesso a saúde pública e o direito a vida. Tem o crime contra a humanidade devido ao número de mortes evitáveis”, explicou o senador.

Ele também citou alguns crimes de escala menor, como o desrespeito à medidas sanitárias e incitação ao crimes, quando ele propõe a população desrespeitar ordens de prefeitos e governadores.

“Acredito que o senador Renan [Calheiros, relator da CPI] e o conjunto de senadores vão buscar o meio-termo e garantindo o fato. A gente está aqui discutindo se o presidente da República merece ser condenado a 50 ou a 150 anos. Convenhamos que não faz diferença. É um criminoso do mesmo jeito”, afirmou.

Calheiros acredita que está clara e comprovada a participação de Bolsonaro em pelo menos 11 crimes ao longo do período de combate à pandemia de Covid-19, mas Alessandro Vieira aponta cinco.

“O colegiado, na sua imensa maioria, não tem formação jurídica e nem experiência em investigação. Então o que a gente fez ali foi dar uma norte. A partir daquilo ali a gente pode ter uma composição total, de mais tipificações. Por exemplo: o Fabiano [Contarato] vê configuração de genocídio [contra Bolsonaro]. Eu não vejo. E ele argumenta e mostra tecnicamente. A gente está fazendo uma coisa muito séria. Você acusar ou indiciar uma pessoa por um crime é muito sério”, disse.

Braga Netto

Alessandro Vieira foi questionado pelo repórter Cezar Feitosa sobre uma possível vista grossa a algum político durante a CPI da Pandemia. Segundo o senador, ninguém foi blindado, mas a investigação teve dificuldade em achar focos.

“A maioria dos senadores não tem experiência com investigação e alguns deles tem o temor da repercussão política de cada ato. Uma situação como a que a gente investigou, que é a situação de lobby com interferência dentro do Estado, só acontece quando tem um agente político forte que dê respaldo. Nós identificamos dois caminhos, um foi o da família do Presidente da República […] A CPI talvez não tenha feito o dever de casa em chamar essas pessoas, para mostrar para o brasileiro como as coisas acontecem no País”, avaliou.

Apesar de não identificar blindagem, para Alessandro Vieira faltou coragem para fazer o enfrentamento de Walter Braga Netto. Segundo o senador, o general não foi convocado pela decisão de alguns colegas.

Augusto Aras

O jornalista Weslley Galzo perguntou ao senador do Cidadania se há chances de Augusto Aras não investigar as denúncias contra o presidente, fazendo com que a CPI da Pandemia acabe “em pizza”. Na visão de Alessandro Vieira, há diversos caminhos para levar essas investigações para frente e não depender apenas da PGR (Procuradoria-Geral de República).

“Existem mecanismos para superar uma possível inércia do Augusto Aras, que é a ação privada subsidiária pública. Ela nunca foi utilizada nesse nível, com uma omissão do PGR. Mas quando você tem uma figura como Aras, um político vestido de Procurador-Geral da República, é preciso pensar nas alternativas”, disse o senador do Cidadania.

Ao longo de sua resposta, Alessandro Vieira lamentou a ‘inércia’ dos órgãos fiscalizadores do governo e que é obrigação dos parlamentares usar todos os recursos da constituição para lutar contra a corrupção. (Com informações da TV Cultura e agências de notícias)

‘Crimes de Bolsonaro não se resumem à prevaricação’, afirma Alessandro Vieira

Senador diz que apurações da CPI apontam que ‘é muito evidente’ que o presidente ‘é o verdadeiro ministro da Saúde do Brasil’ (Foto: Reprodução/GloboNews)

O líder do Cidadania no Senado e suplente da CPI da Pandemia, Alessandro Vieira (SE), disse nesta segunda-feira (02) ao Estúdio I, da GloboNews (veja aqui), que as apurações da comissão apontam que ‘é muito evidente’ que o presidente Jair Bolsonaro ‘é o verdadeiro ministro da Saúde do Brasil’.

“Crimes cometidos pelo presidente Bolsonaro não se resumem à prevaricação. Quando ele não adota, deliberadamente, a conduta de adquirir vacinas e de fazer uma grande campanha de esclarecimento da população, ele acaba colaborando para a disseminação do vírus. Isso é crime”, defende o senador, que falou na entrevista sobre a retomada dos depoimentos da CPI nesta terça (03).

Alessandro Vieira também foi questionado (veja aqui) sobre as sabatinas a que Augusto Aras e André Mendonça serão submetidos no Senado após serem indicados por Bolsonaro para, respectivamente, ser reconduzido ao cargo de procurador-geral da República e ocupar vaga de ministro do STF (Supremo Tribunal Federal).

‘Se colocou em uma posição de subserviência e isso é incompatível com o exercício da nobre função de ministro do Supremo’, diz o parlamentar sobre Mendonça.

Em relação a Aras, Alessandro Vieira disse que o Senado tem uma grande oportunidade de mandar o atual procurador-geral para casa.