Jorge Kajuru: Relatório da ANM indica que Vale ocultou informações sobre Brumadinho

As informações omitidas poderiam ter ajudado a reduzir os danos com o acionamento do plano de segurança da barragem, diz o parlamentar (Foto: Washington Alves/Reuters)

O senador Jorge Kajuru (Cidadania-GO) apresentou nesta quarta-feira (6) em Plenário um relatório da Agência Nacional de Mineração (ANM) segundo o qual a mineradora Vale ocultou informações sobre a barragem que rompeu em Brumadinho (MG), em janeiro deste ano. Segundo o senador, a companhia, além de conhecer os problemas na barragem, forneceu à ANM informações diferentes das que constam do sistema interno da empresa.

Kajuru informou ainda que a Vale realizou vistoria na barragem três dias antes da tragédia e se omitiu ao não repassar os problemas identificados à ANM. Todos dos dados omitidos, avalia ele, poderiam ter ajudado a reduzir os danos que a tragédia provocou. A tragédia de Brumadinho causou a morte de 252 pessoas e deixou 18 desaparecidos.

“Todas as informações omitidas poderiam ter ajudado a reduzir os danos, graças ao acionamento do plano de segurança de barragem, inclusive com a interdição do refeitório, que estava no caminho dos rejeitos que o soterraram depois do rompimento. O relatório da Agência Nacional de Mineração não aponta culpa, mas serve de material para investigações criminais que já estão em andamento. O documento foi encaminhado à Polícia Federal, ao Tribunal de Contas da União, à Polícia Civil de Minas Gerais, ao Ministério Público e à Controladoria-Geral da União”, disse.

Jorge Kajuru foi membro da CPI de Brumadinho (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

Kajuru participou da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) de Brumadinho, do Senado. Após três meses de investigações, a CPI pediu o indiciamento de 14 pessoas, entre representantes da Vale e da empresa de auditoria TÜV SÜD pelo crime de omissão. (Agência Senado)

Da Vitória protesta contra fechamento de órgão da Agência de Mineração no ES

“Esta ideia de extinguir a nossa coordenação é um verdadeiro absurdo. Essa decisão não pode ser tomada dessa maneira precipitada”, diz o deputado (Foto: Robson Gonçalves)

Em duro pronunciamento da tribuna, nesta quarta-feira (9), o deputado federal Da Vitória (ES), coordenador da Bancada do Espírito Santo no Congresso Nacional, protestou contra a intenção do governo federal de fechar a superintendência da ANM (Agência Nacional de Mineração) no Espírito Santo.

Se o órgão for extinto, as demandas dos produtores minerais capixabas passarão a ser atendidas pela coordenação do Rio de Janeiro.

Segundo o parlamentar, os servidores já foram comunicados oficialmente sobre as mudanças. Com a transferência, eles passarão a ser subordinados à superintendência da ANM do Rio de Janeiro.

“Esta ideia de extinguir a nossa coordenação é um verdadeiro absurdo. Essa decisão não pode ser tomada dessa maneira precipitada. É preciso conversar, consultar. Respeitamos o governo, o ministro (de Minas e Energia) Bento Albuquerque, mas exigimos respeito ao Espírito Santo”, advertiu.

O deputado reforçou as críticas lembrando a importância da produção das rochas ornamentais para a economia do país e do estado. “As rochas ornamentais representam 10 por cento do nosso PIB (Produto Interno Bruto) e 50 por cento da produção nacional. Não concordamos de forma alguma com essa transferência”, reforçou.

Da Vitória disse que seu discurso traduzia a “indignação” dos deputados e senadores da bancada capixaba.

“Sabemos das dificuldades por que passa a Agência, da falta de funcionários, mas a nossa bancada sempre colaborou, apresentando, inclusive, emendas ao Orçamento. O nosso apelo ao ministro Bento Albuquerque é que repense sobre essa decisão que pode prejudicar o Espírito Santo”, cobrou.

Comissão aprova pedidos de informações de Da Vitória sobre Agência de Mineração

A Comissão de Minas Energia da Câmara aprovou requerimentos de autoria do deputado federal Da Vitória (Cidadania-ES) ao Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, em que pede informações sobre o funcionamento dos trabalhos da Agência Nacional de Mineração (ANM), que foi criada em 2017 para substituir o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).

De acordo com o parlamentar, as informações servirão para subsidiar a atuação da Frente Parlamentar Mista da Mineração na comissão especial do marco regulatório, que será criada pela Câmara dos Deputados.

“Para que o marco regulatório seja elaborado, é necessário que se conheça o volume de procedimentos em tramitação na Agência que estão pendentes de análise, dentre eles os pedidos de prorrogação de prazo para apresentação de licença ambiental. O nosso objetivo é dar ao país uma legislação moderna, sem os entraves da burocratização. A agilização das demandas é importante para o desenvolvimento sustentável do país”, justificou Da Vitória.

O deputado é coordenador de Extração e Beneficiamento de Rochas Ornamentais da Frente Parlamentar Mista da Mineração. O setor é responsável por 7% do PIB (Produto Interno Bruto) capixaba.

Em um dos requerimentos, Da Vitória solicita a relação dos pedidos de prorrogação de prazo para a concessão de licença ambiental que estão sendo analisados e os que já foram deferidos no período de janeiro de 2016 a junho de 2019 pela ANM/DNPM. Ele também pediu a lista dos casos que foram indeferidos e daquelas solicitações de licenciamento que tiveram mais de um pedido.

Em outro documento, o coordenador da Bancada do Espírito Santo no Congresso Nacional pede que a nova diretoria da Agência encaminhe à Câmara dos Deputados quantidade de processos que foi analisada pela atual gestão, separadas por número de protocolo, nome do requerente, substância mineral, motivo da análise e decisão, o estado e o município onde se dará a exploração mineral.

As iniciativas foram apresentadas em coautoria com os deputados federais Ricardo Izar (PP-SP) e Greyce Elias (Avante-MG).

Além disso, foram aprovados requerimentos pedindo explicações sobre cessão de direitos minerários e exigências de redução de áreas de exploração que foram originalmente requeridas pelos interessados.

Prazo

O prazo constitucional para que o Ministério das Minas e Energia responda aos questionamentos formulados por Da Vitória é de 30 dias.