Roberto Freire critica nas redes sociais defesa de “novo AI-5” feita por Eduardo Bolsonaro

“Um golpista na verdadeira acepção da palavra. Atenta claramente contra a Democracia no País”, afirma o presidente do Cidadania (Foto: Robson Gonçalves)

O presidente do Cidadania, Roberto Freire, criticou nas redes sociais em nota pública (veja aqui), as declarações do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) de que “se a esquerda radicalizar” a resposta “pode ser via um novo AI-5”, o Ato Inconstitucional número 5 baixado pela ditadura militar (1964-1985). Para ele, o posicionamento do filho do presidente da República representa um atentado contra a democracia e mostra perfil golpista.

Freire defendeu que a Câmara dos Deputados faça censura pública a Eduardo Bolsonaro.

“Um golpista na verdadeira acepção da palavra. Atenta claramente contra a Democracia no País. Cabe a Câmara dos Deputados exigir do Deputado Eduardo Bolsonaro respeito ao Estado de Direito censurando-o publicamente. Se houver insistência medidas legais mais firmes se impõe. Nada justifica pregação golpista e de apoio a ditadura. A posição do Bolsonaro filho é abjeta e merece total condenação.”, afirmou.

O presidente do Cidadania criticou ainda os seguidores de Bolsonaro nas redes sociais que defendem as declarações de Eduardo e apoiam um novo golpe militar no País.

“Agora não é apenas exacerbados e radicais bolsonaristas defendendo o inepto com histeria e agressões. Estão pululando nas redes os bolsonaristas apoiadores do golpe e da ditadura nos termos totalitários do AI 5 do deputado Eduardo Bolsonaro”, criticou.

Entrevista

Eduardo Bolsonaro afirmou em entrevista à jornalista Leda Nagle publicada nesta quinta-feira (31) em canal do Youtube que, se a esquerda “radicalizar” no Brasil, uma das respostas do governo poderá ser “via um novo AI-5”. Eduardo deu a declaração ao falar sobre os protestos de rua que estão acontecendo em outros países da América Latina.

Invocar “novo AI-5” é atentar contra a Constituição, diz Rubens Bueno sobre declaração de Eduardo Bolsonaro

O vice-presidente do Cidadania, deputado federal Rubens Bueno (PR), classificou nesta quinta-feira (31) de “um atentado contra a Constituição” a afirmação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que em entrevista cogitou a edição de um novo AI-5 para conter a radicalização da esquerda e manifestações contra o governo no país.

“Trata-se de uma estupidez política, uma ameaça de golpe que precisa ser rechaçada por todos os democratas. Invocar o AI-5 é atentar contra a nossa Constituição que rejeita qualquer instrumento de exceção. Somos um Estado Democrático de Direito e um parlamentar não pode nem mesmo aventar uma possibilidade desse tipo. Creio que cabe até uma reprimenda pública por parte da Câmara ao deputado Eduardo Bolsonaro”, afirmou Rubens Bueno.

Para o parlamentar, declarações como a de Eduardo Bolsonaro mostram que sua família tem dificuldade para encarar o debate democrático e, vez por outra, ameaça recorrer a instrumentos autoritários.

“Somente nesta semana Eduardo Bolsonaro flertou com a volta da ditadura duas vezes ao defender um novo AI-5 e o ataque duro da polícia contra manifestantes. Os que pensam que vão passar por cima da Constituição, do Parlamento, do Judiciário e das forças democráticas deste país estão muito enganados”, reforçou o deputado.

Rubens Bueno: Declaração de Eduardo Bolsonaro é atentado à Constituição e ao Estado Democrático de Direito

Parlamentar afirmou que os democratas não podem, sob nenhuma hipótese, aceitar colocações como a do filho do presidente (Foto: Robson Gonçalves)

O deputado federal Rubens Bueno (Cidadania-PR) disse, nesta quinta-feira (31), que a declaração do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) defendendo a adoção de “um novo AI-5” no País é “um grave atentado à Constituição e ao Estado Democrático de Direito”. O ato institucional foi baixado pela ditadura militar e impôs ao País um recrudescimento do regime de restrições democráticas.

Eduardo Bolsonaro fez a declaração à jornalista Leda Nagle no último dia 28, mas a profissional só publicou a entrevista no YouTube nesta quinta-feira (31).

Rubens Bueno afirmou que os democratas não podem, sob nenhuma hipótese, aceitar colocações como a do filho do presidente.

“Com veemência, não apenas rechaçamos a declaração, mas também deixamos claro que estamos dispostos a defender a constituição e o Brasil da forma como ele está: livre, preparando-se para um novo momento para crescer e se desenvolver”.