Autor da emenda que evitou recriação de ministérios, Daniel Coelho comemora aprovação da reforma administrativa

Economia com a manutenção da emenda de Daniel Coelho é de R$ 600 milhões

O líder do Cidadania na Câmara, deputado federal Daniel Coelho (PE), afirmou, nesta terça-feira (28), que a aprovação de texto-base da MP 870/2019 garantirá a economia de R$ 600 milhões, em quatro anos, com a manutenção de emenda de sua autoria que evitou a recriação dos Ministérios da Cidades e da Integração.

A matéria foi aprovada na noite de hoje pelo plenário do Senado. Mas faltam serem apreciados alguns destaques, entre eles, o que trata sobre para onde irá o COAF (Conselho de Controle de Atividades Financeiras).

A MP quando foi apreciada na Câmara incorporou destaque de Daniel Coelho. Com o aval do plenário, evitou-se que fossem recriadas duas novas pastas na Esplanada, o que traria gastos milionários com custeio de toda a estrutura administrativa. Somente no primeiro quadrimestre de 2019, foram economizados R$ 50 milhões, já que os efeitos da medida provisória valem desde sua edição. Em quatro anos, a projeção de economia é de R$ 600 milhões para os cofres públicos.

“A garantia que não vai haver a recriação de ministérios nos dá uma economia de seiscentos milhões de reais em quatro anos. É dinheiro de custeio que seria realizado para a contratação de cargos comissionados, de aluguel de veículos, para a conta de luz e de água, dinheiro que poderia ser desperdiçado e que agora poderá virar investimento”, comemorou Daniel Coelho.

Cidadania na Câmara apresenta emenda contra recriação do Ministério das Cidades

O líder do Cidadania na Câmara, deputado federa Daniel Coelho (PE), elaborou um destaque  – espécie de emenda – para suprimir do parecer apresentado à medida provisória que trata da reforma administrativa da União dispositivo que permite a recriação do Ministério das Cidades.

A matéria está sendo discutida em Comissão Especial Mista que seu reuniu nesta terça-feira (7) no Senado Federal.

O parlamentar disse que causou estranheza o fato de o relatório inovar e restituir uma estrutura que vai na contramão da austeridade fiscal que o País exige neste instante.

“Fomos pego de surpresa por ver no referido parecer a recriação do Ministério das Cidades. O que a população quer neste instante é menos despesa e mais eficiência das estruturas de poder. E não nos parece concebível restabelecer esta pasta que contraria promessa de campanha do atual presidente da República. O que precisamos fazer é o enxugamento da máquina pública”, justificou Daniel Coelho.

O relatório da MP 870/2019 está previsto para ser votado na Comissão nesta quarta-feira (8).