Duas grandes perdas

Durante dois anos, entre 1998 e 2000, eu integrei a Unesco, realizando projetos e participando de seminários em Portugal e na França.

Em determinada oportunidade, tive a honra de expor um trabalho meu em um seminário voltado para o exame da escravidão nas Américas. Apenas 17 historiadores foram convidados para o evento internacional. Presentes pesquisadores de várias partes do mundo. Nós, brasileiros, éramos a delegação mais numerosa: quatro integrantes. Então presidente da Academia Brasileira de Letras, o embaixador Alberto da Costa e Silva era o principal representante do nosso grupo. Convivi com ele por dez dias nesse Seminário, realizado em Évora. Tinha uma cultura extraordinária. Grande humanista, eu o considerava o maior escritor do Brasil. Estive com ele por algumas vezes ainda na ABL.
Alberto da Costa e Silva fará falta.

Acabo de receber a notícia do falecimento de Olga Sodré. Eu a conheci há cerca de 50 anos. Ainda muito jovem, recém formada em Sociologia, Olga atuou na Revista da Civilização Brasileira, em uma época marcada pela presença de intelectuais do porte de Ferreira Gullar, Oscar Niemeyer, Antônio Houaiss, Ênio Silveira e Nelson Werneck Sodré, este último seu querido pai.

Tive a honra de assinar um livro com Nelson Werneck Sodré em 1998, intitulado Tudo é Política. Foi um lançamento memorável, realizado na Livraria Dazibao, então situada no Paço Imperial. Centenas de pessoas estiveram presentes. Exatamente nesse belo prédio foi lido, de uma de suas janelas, a 9 de janeiro de 1822, o Manifesto por excelência da da nossa Independência, o Fico. Não haveria local mais adequado para Nelson Werneck Sodré, um lutador das nossas mais significativas causas populares e nacionais, divulgar sua obra.

Olga Sodré dedicaria os últimos anos de sua existência ao importante e generoso trabalho de divulgação do acervo de seu pai. Muito católica, ela sempre enalteceu o espírito de abertura de Nelson, um ateu convicto.

Descanse em paz, minha amiga Olga.

Ivan Alves Filho é historiador.
26 de novembro de 2023

Leia também

Lula chamou Netanyahu para dançar um minueto

Lula errou politicamente. Não sabemos se foi arroubo de oratória ou deliberado. Não vai se desculpar, porém já sabe que precisa relativizar as declarações sobre a guerra de Gaza.

Quando outubro vier

Já escrevi isso algumas vezes e repito aqui: a...

Muitos militares não assimilaram a nova doutrina de defesa

A velha doutrina de segurança nacional se encaixava como uma luva na trajetória histórica de combate aos “inimigos internos”, mas entrou em colapso quando os EUA apoiaram o Reino Unido contra a Argentina.

A mutilação do progresso

As greves na educação provocam mais danos que as da indústria.

Preservar as Forças Armadas faz bem à democracia

Se tem uma coisa que sempre perturbou a vida democrática do país é a anarquia nas Forças Armadas, com recorrentes indisciplina e quebra de hierarquia nas crises políticas.
Artigo anterior
Próximo artigo

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!