Luiz Carlos Azedo: Duas teses no STF: tentativa de golpe ou domingo na Esplanada?

NAS ENTRELINHAS – CORREIO BRAZILIENSE

Com as devidas vênias, os votos de Moraes e Marques reproduzem as narrativas disseminadas nas redes sociais sobre aqueles episódios, cujos fatos são teimosos

Começou, nesta quarta-feira, o julgamento dos “patriotas” que deixaram o acampamento em frente ao quartel-general do Exército, no Setor Militar, para invadir e depredar o Palácio do Planalto, o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro Alexandre de Moraes, relator das ações que apuram os atos golpistas, pediu a condenação de Aécio Lúcio Lopes Costa Pereira, que aparece em imagens do dia dos ataques dentro do plenário do Senado, a 15 anos e 6 meses de reclusão e 1 ano e 6 meses de detenção (regime aberto).

Abolição do Estado Democrático de Direito, dano qualificado, golpe de Estado, deterioração do patrimônio tombado e associação criminosa são os crimes que teria cometido, segundo Moraes. Para o relator, o que ocorreu não foi um “domingo no parque”, foi uma ameaça real à democracia, que somente não se concretizou porque as Forças Armadas não aderiram ao movimento. O objetivo era destituir o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, uma semana após a sua posse.

A contestação a Moraes veio logo no segundo voto, do ministro Kassio Nunes Marques, que defendeu a condenação do réu apenas por dano qualificado e deterioração do patrimônio público. Marques foi indicado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro e desqualificou as acusações de abolição do Estado Democrático de Direito e golpe de Estado. A pena que propôs foi de dois anos e meio de prisão.

Para o ministro não ficou evidenciado nos autos os danos ao patrimônio gerado pelo réu que invadiu prédios públicos em Brasília. Outras pessoas participaram das ações. O réu aparece nas imagens registradas pelas câmaras do Senado, durante a invasão do Congresso. Depois, gravou um vídeo na área externa do Supremo no qual relatou o que ocorreu.

Segundo Moraes, o fato de muitos dos participantes da invasão terem gravado imagens é a demonstração de que acreditavam no êxito do golpe e não consideravam o risco de serem presos e condenados por suas ações. Costa Pereira também disseminou imagens nas redes sociais nas quais incitava as pessoas a sair às ruas para forçar a decretação de uma GLO (Garantia da Lei e da Ordem), supostamente para permitir uma intervenção militar.

Duras penas

O julgamento será retomado nesta quinta-feira, com o voto do ministro Cristiano Zanin, que gera expectativas por ser um garantista. Há duas teses em sintonia com essa corrente jurídica: a do juiz natural, que Zanin defendeu para anular a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o que levaria o julgamento de Aécio para a primeira instância da Justiça Federal, e a de que os réus precisam ser julgados individualmente, o que tornaria interminável o julgamento dos 1.045 réus do 8 de janeiro.

Com as devidas vênias, a polêmica entre Moraes e Marques reproduz as narrativas disseminadas nas redes sociais sobre aqueles episódios. As autoridades responsáveis pelas investigações caracterizam o que ocorreu como uma tentativa de golpe de Estado, os advogados dos réus e os partidários do ewx-presidente Jair Bolsonaro constroem uma narrativa de que o governo se omitiu deliberadamente, para responsabilizá-lo.

O julgamento lembra um pouco o que aconteceu na Espanha, após a tentativa de golpe de Estado liderada pelo tenente-coronel Antonio Tejero Molina, que impediu a posse do presidente Leopoldo Calvo Sotero em 23 de fevereiro de 1981, quando começava a votação nominal para sua investidura.

O plano fracassou quando o general de divisão Torres Rojas, governador militar da Corunha, foi impedido de mobilizar a Divisão Couraçada Brunete pelo seu comandante, general Juste. O rei Juan Carlos I entrou em cena na tevê, vestindo o uniforme de capitão-general, condenou o golpe e ordenou que as trompas voltassem aos quartéis.

Em consequência, o Conselho Supremo da Justiça Militar condenou 29 oficiais golpistas. Molina, Bosch e Amada receberam penas de 30 anos. Até hoje, ninguém sabe qual dos três ou se um quarto elemento seria o “Elefante Branco”, o chefe da conspiração. O general Rojas foi condenado a 12 anos e, depois, indultado.

No dia 8 de janeiro, não houve tropas do Exército nas ruas, nem a favor nem contra os golpistas. Há indício de envolvimento de militares próximos a Bolsonaro nos acontecimentos, entre os quais o tenente-coronel Mauro Cid, cuja delação premiada foi homologada por Moraes.

O golpe não ocorreu por causa do legalismo da cúpula das Forças Armadas e da falta de apoio externo, principalmente dos Estados Unidos. Moraes tem muito mais informações do que revela no seu voto, devido ao segredo de justiça das investigações. Deve ter mais motivos para propor penas tão duras.

Volta às origens

Cotado para uma vaga no STF, o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Luís Felipe Salomão, corregedor nacional de Justiça, voltará a dar aulas na Escola de Magistratura do Rio de Janeiro. É um dos docentes do curso de direito empresarial, falência e recuperação judicial, coordenado pelo desembargador Agostinho Teixeira. (Correio Braziliense – 14/09/2023)

Leia também

Impacto das mudanças climáticas

As mudanças climáticas têm sido um tema central em...

Tragédia no Rio Grande do Sul: Webinar da FAP debate enchentes e crise climática

Comunicação FAPEspecialistas participam de evento online, com transmissão por...

Marcha dos Prefeitos é largada pré-eleitoral

NAS ENTRELINHASNeste ano, por causa dos vetos às desonerações...

Nota de Pesar: Eliseu Neto

O Cidadania23 lamenta comunicar com profundo pesar a perda...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!