Marcus André Melo: O Nordeste é tão “conservador” quanto o Brasil

O governador mineiro abriu caixa de Pandora de disparates

As declarações recentes do governador mineiro, Romeu Zema (Novo-MG), abriram uma caixa de Pandora de disparates políticos. Trato aqui apenas do suposto “esquerdismo nordestino”, o qual exigiria uma mobilização para contrabalançá-lo. Disparates sem o menor respaldo empírico.

No Nordeste há mais representantes na Câmara dos Deputados ligados ao centrão e outros partidos que orbitam em torno desse agrupamento do que a partidos afiliados a legendas de esquerda. Mais importante: o percentual de eleitos pelo PL, PP e Republicanos na região Nordeste (35,5%) é similar ao observado no plano nacional (36%). O Nordeste é, no mínimo, tão “conservador” quanto o Brasil.

Em 2022, os partidos nucleadores do chamado centrão (PL, PP, Republicanos), somados a PSC e Patriotas, elegeram 35% dos deputados federais. As legendas de esquerda (PT, PSB, PC DO B, Verde, Rede, Psol, Solidariedade), apenas 33%. Mas dois terços dos representantes do Nordeste pertencem a legendas do núcleo duro do centrão, de centro ou centro-direita, em uma classificação convencional.

O que gera os disparates é a incongruência entre o voto legislativo e o voto nacional: a concentração do voto em Lula na região. Mas lulismo não é petismo, muito menos “esquerdismo”. Ele reflete fatores identitários e a preferência por um candidato nativo da região. A incongruência é brutal em Pernambuco, estado de origem de Lula, onde ele obteve 67% dos votos: o PT elegeu apenas um deputado em uma bancada de 25. O quadro é ainda mais dramático em Sergipe, onde o atual presidente obteve quase dois terços dos votos. Mas nenhum candidato do PT ou de qualquer partido de esquerda foi eleito; metade é do núcleo duro do centrão. Em Alagoas, a esquerda elegeu apenas 1/5 dos deputados, mesmo percentual encontrado no Rio Grande do Norte e no Maranhão.

O efeito supostamente ideológico do voto na região se dilui quando se controla por renda. O voto da baixa renda tem se concentrado no PT, independentemente da região.

A incongruência é sobretudo efeito da incumbência do Poder Executivo: presidentes elegem governadores que elegem prefeitos. Ambos controlam a máquina que alimenta as redes locais. Para o eleitor, a estratégia dominante é votar nos candidatos dessas redes porque atraem investimentos e por receio de serem excluídos dos benefícios gerados por eles.

Como esperado, Bolsonaro teve, em relação a 2018, ganhos muito maiores no Nordeste (16,5% na média) que em outras regiões. No Maranhão, nas eleições municipais de 2012, o PC do B elegeu cinco prefeitos. Quatro anos depois, quando Flávio Dino foi eleito, foram 46, um aumento de 820%. O Maranhão elegeu 58% do total de prefeitos eleitos pelo partido no país. O governador é rei. (Folha de S. Paulo – 14/08/2023)

Marcus André Melo, professor da Universidade Federal de Pernambuco e ex-professor visitante do MIT e da Universidade Yale (EUA)

Leia também

Relação de Lula com evangélicos tem duas dimensões

Presidente não consegue atrair o eleitorado pentecostal, embora tenha apoio de setores evangélicos. O fosso está nas questões do aborto e das relações homoafetivas.

Nota sobre o quadro internacional

Temo que esteja se desenhando um novo Eixo, tão...

Marcus Pestana: A decolagem da economia em 2024

Os indicadores da economia brasileira em 2023 não foram...

Cristovam Buarque: Lula e Netanyahu

A corajosa declaração de Lula deixa-o ao lado dos humanistas contra a desumanidade.

Marco Aurélio Nogueira: Luiz Werneck Vianna (1938-2024)

Homenageá-lo hoje é manter viva a memória de um combativo, erudito, generoso e indignado intelectual, que olhou um país desigual, injusto e violento como o Brasil com lucidez e esperança.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!