William Waack: Falta de nomes não é o maior problema da direita pós-Bolsonaro

Falta de nomes não é o maior problema da direita pós-Bolsonaro; falta projeto de País

Correntes carecem evidentemente de um ‘líder’ – que, aliás, ex-presidente nunca foi; questão é mais profunda

Inelegibilidade é só o começo das atribulações de Jair Bolsonaro. Com ou sem um “mastermind” (que Jair supõe ser o ministro Alexandre de Moraes), o Judiciário se move para destruí-lo como pessoa física também – o “CNPJ” de pessoa política está sendo cancelado.

Não há sucessor designado e não há estrutura partidária ramificada do “bolsonarismo”, o que significa dizer que existem milhões ainda seduzidos pelo nome, mas não um movimento de massas que siga a direção apontada pelo “mito”. O que deve complicar a capacidade dele de “dirigir” correntes políticas sentado do lado de fora das linhas das disputas eleitorais.

É fato que continuam presentes alguns elementos centrais da onda disruptiva que o levou à vitória de 2018. Além das mazelas sociais de sempre e seu conhecido impacto sobre mais da metade do eleitorado, eles são o descrédito da política, a desconfiança em relação às principais instituições (que Bolsonaro se esmerou em aprofundar), a fraqueza dos partidos, a paralisia dos sistemas político e de governo.

Mas é muito raro que esse “caldo de cultura” da insatisfação generalizada e da indignação com a corrupção e com a raiva em relação ao “sistema” se cristalize a cada quatro anos em torno de um nome que surfe a onda. A expressão mais atual desse contexto é a abrangência do que se possa chamar de “centro-direita” levada pelas últimas eleições ao Congresso e a vários governos e Legislativos estaduais.

Por ser abrangente, porém, esse fenômeno político é difuso. Não tem uma “casa”, embora se veja abrigado em várias instâncias formais ou informais (como a Frente Parlamentar da Agricultura, ou entidades que representam setores da economia). Não está consolidado diretamente numa agremiação política (espalha-se por muitas). Reage e se organiza de forma pontual quando provocado por um governo, o do PT, que despreza o significado da palavra “frente ampla”. (O Estado de S. Paulo – 29/06/2023)

Leia também

Um novo desafio do SUS para Nísia Trindade

NAS ENTRELINHASO Ministério da Saúde está diante de outro...

Orçamento público x orçamento familiar

A economia tem múltiplas consequências na vida social, no...

Populismo educacional

É errada a ideia de educação superior como sinônimo...

Livres da polarização

Roberto Freire, Eduardo Jorge, Gilberto Natalini e Augusto de...

Portugal em abril

Cárceres que pareciam eternos, como o Aljube, a depender...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!