Luiz Carlos Azedo: O que é como antes no mundo do trabalho

NAS ENTRELINHAS – CORREIO BRAZILIENSE

O trabalho avulso remunerado pela via dos aplicativos é uma realidade, porém não absorve o exército de desempregados e subempregados formado a partir da redução de seus postos de trabalho

O pior já passou, com o resgate da democracia e das políticas sociais após a eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas ninguém se iluda: ainda vivemos tempos sombrios, de radicalização e totalitarismo, em contraposição à amizade e ao humanismo, como diria a filósofa judia alemã Hanna Arendt. Como há um século, o fenômeno nos remete ao fascismo e à guerra, tendo novamente como palco central a Europa. Novo é o contexto em que isso ocorre, de mudanças sem precedentes, impulsionadas pela tecnologia digital e pela inteligência artificial, que às vezes parecem opor o trabalho e o progresso à centralidade da democracia, o que é uma das raízes do totalitarismo.

Por óbvio, o pano de fundo dessas reflexões é o Primeiro de Maio, comemorado ontem por trabalhadores de todo o mundo. No Brasil, proposta pelas centrais sindicais, a relação entre o trabalho e as redes sociais migrou da agenda sindical para a de governo, às vésperas da votação na Câmara do substitutivo do deputado Orlando Silva (PCdoB-SP) que regulamenta a atuação das big techs, projeto vulgarmente chamado de Lei das Fake News, prevista para hoje. O presidente Lula criou um grupo de trabalho dentro do governo para discutir propostas de regulamentação do trabalho por aplicativos e de um plano nacional de igualdade salarial entre mulheres e homens.

O petista acolheu parte das reivindicações das centrais sindicais, no rastro de um pronunciamento no qual destacou seu compromisso com o mundo do trabalho: “Não importa a profissão ou o local de trabalho. O importante é que vocês são os responsáveis pela geração da riqueza do Brasil”.

Primeiro, retomar a política de valorização do salário-mínimo, com a mesma regra exitosa da política anterior, que promoveu um aumento real de mais de 78% desde 2004 e beneficiou cerca de 54 milhões de trabalhadores e aposentados (reajuste anual pelo INPC mais o aumento real correspondente à variação anual do PIB), com piso mínimo de aumento real anual de 2,4%.

Segundo, regulamentar as relações de trabalho em aplicativos e plataformas que ocupam espaços em múltiplas atividades econômicas, a começar pelo transporte de pessoas e mercadorias feitas por carros, motos e bicicletas. Para as centrais, esses trabalhadores devem ter direitos e proteções.

Ficaram de fora da agenda a atualização do sistema sindical e a revisão da reforma trabalhista, a pretexto de combater o trabalho análogo à escravidão, a terceirização e outras formas de precarização do trabalho. As centrais também pleiteiam um sistema autônomo para regular a organização sindical de trabalhadores e empresas, o sistema negocial e o seu custeio.

Novos paradigmas

No Brasil, a questão do trabalho tem um sentido especial. Muitas vezes é tratada como caso de polícia. O paradigma escravista, com sua violência estrutural, impregnou a estrutura social de tal forma que a discussão sobre as relações de trabalho se mantém como um conflito entre as elites políticas e a grande massa da população. Daí decorre na prática o desrespeito e a redução dos direitos sociais.

Não passamos pela construção de “uma ética do trabalho”, como assinalou o Antônio Cândido, em sua Dialética da malandragem. A péssima remuneração dos professores, cujo trabalho é considerado “vocação”, é um bom exemplo. Outro, em contrapartida, as altas remunerações do setor público desproporcionais aos serviços prestados à sociedade. O trabalho intelectual é desvalorizado, não apenas o trabalho manual.

Os aplicativos estão revolucionando as relações de trabalho no Brasil, mas o cenário é completamente diferente dos países desenvolvidos. A inserção social pela via do emprego já não é a única. O trabalho avulso remunerado pela via dos aplicativos é uma realidade, porém não absorve o exército de desempregados e subempregados formado a partir da extinção de profissões ou redução de seus postos de trabalho. O “chão de fábrica” como locus do trabalho produtivo é cada vez mais minoritário. Impossível fazer essa roda voltar para trás, mas a questão social que resulta dessa realidade está escancarada.

De acordo com o Banco Mundial, 64% da riqueza mundial advêm do conhecimento. Tais mudanças ocasionam um profundo impacto na nossa economia e na vida de milhões de brasileiros. É nesse contexto que o debate sobre a chamada Lei das Fake News impacta o mundo do trabalho. O desenvolvimento das redes sociais digitais, que são instrumentos de comunicação e formação de laços sociais, também é um mecanismo de formação de capital e apropriação do trabalho. O capital social criado pelas redes é um bem comum, que deve ser remunerado. Também é produto do nosso trabalho. E as redes sociais são parte e não eixo político da democracia. (Correio Braziliense – 02/05/2023)

Leia também

Deputados anistiam multas nas prestações de contas dos partidos

A Transparência Partidária estima que o montante total das multas pode chegar a R$ 23 bilhões.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!