Marcus André Melo: Presidente fraco, freio nos dentes?

Na armadilha do mau equilíbrio, crescerá a percepção de conluio rentista

“A escolha do presidente da República continua a constituir o maior drama do país, seu único drama”, argumentava Hermes Lima em 1955. E concluía: sob o presidencialismo, “crises de governo são, por definição, crises do Executivo”. Sim, a eleição presidencial é o drama por que passamos no momento.

Futuro primeiro-ministro em nossa experiência parlamentarista, chefe da Casa Civil e juiz do STF, Lima foi fino analista do presidencialismo brasileiro. Ele apontava então algo estrutural: “Ao tratar de escolher o presidente, o país entra em estado de alarma e de confusão. Por quê? Porque o que se vai escolher é um ditador legal, uma fonte de poder político irresponsável, o homem no qual se encarnará, segundo Rui, o poder dos poderes, o grande nomeador, o grande contratador, o poder da bolsa, o poder dos negócios, o poder da força”.

A base congressual do Executivo será variável crucial: “Se o presidente é dotado de forte personalidade e seu partido conta com maioria no Congresso, o Executivo, já poderoso pelo seu caráter unipessoal, impõe de forma avassaladora sua vontade. Se o presidente é fraco, o Congresso toma o freio nos dentes. Em qualquer dessas hipóteses, não há colaboração, há predomínio”.

Lima estava certo quanto ao drama em torno dos presidentes e ao potencial de abuso que carregam; errado quando à necessária relação adversarial entre os Poderes. Há ganhos de troca potenciais nas relações entre eles. Muita coisa mudou desde os anos 1950. A Constituição de 1988 aumentou os poderes constitucionais do Executivo, mas fortaleceu os freios e contrapesos dos demais Poderes sobre ele. Os poderes não constitucionais —informais— também definharam com a democratização paulatina, sobretudo a partir de 1988. Por desenho e por efeito não antecipado, Judiciário e Legislativo ampliaram seu poder nas duas últimas décadas.

Mas o enorme poder do Executivo impacta os partidos, presidencializa-os. Nisso Lima também estava certo: “Em face do Executivo, não há posições programáticas. Há acordos, há ajustes, há entendimentos”. O potencial de cooptação é brutal, como estamos assistindo no momento. Os incentivos mudam. Afrouxam o freio nos dentes.

O cenário de confronto aberto entre Executivo e Legislativo é raro, só ocorre quando há tempestade perfeita. Dá lugar a um equilíbrio ruim: estabilidade na manutenção de um status quo em que não há crise, tampouco avanço. Nele grassa insidiosamente o cinismo cívico, uma malaise generalizada marcada pela percepção de um grande conluio rentista em que todos (desgovernam) por veto mútuo. É ele que alimenta o populismo que floresce no acúmulo de frustrações quanto aos pífios resultados dos governos. (Folha de S. Paulo – 06/02/2023)

Marcus André Melo, professor da Universidade Federal de Pernambuco e ex-professor visitante do MIT e da Universidade Yale (EUA)

Leia também

Estupros, a cultura que nasce dentro de casa

NAS ENTRELINHASA ideia de que mulher que se dá...

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!