Vera Rosa: A ‘Abin paralela’ do Planalto

Desde domingo, quando a capital da República foi atacada por vândalos, um clima de desconfiança se instalou na Praça dos Três Poderes. Diante desse cenário, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem sido aconselhado a tirar a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) da estrutura do Gabinete de Segurança Institucional (GSI).

A ideia de desmilitarizar a inteligência do governo apareceu nas discussões da equipe de transição, mas ganhou força nos últimos dias, após a depredação do Palácio do Planalto, do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF).

Aliados de Lula retomaram a cobrança pela criação de um ministério para cuidar da segurança pública, separado da pasta de Justiça, comandada por Flávio Dino. A avaliação é de que houve “sabotagem” por parte do governo do Distrito Federal ao não impedir o vandalismo. Mesmo assim, Lula afirmou que o GSI, a Abin e os ministérios da Justiça e da Defesa também falharam.

Como mostrou o Estadão, petistas querem a cabeça do ministro da Defesa, José Múcio Monteiro, sob o argumento de que ele não tem ascendência sobre as Forças Armadas e será tutelado por militares. Na prática, o PT briga para emplacar na cadeira um nome indicado pelo partido. Por enquanto, Lula não pretende mexer com Múcio, embora ele esteja desgastado.

Há no Planalto, ainda, o diagnóstico de que o GSI precisa passar por uma desintoxicação, pois está “contaminado” por agentes ligados ao ex-presidente Jair Bolsonaro. Dirigido pelo general G. Dias, que chefiou a segurança de Lula na campanha e em seus dois mandatos, o GSI já começou a ser desidratado. A proteção do presidente, por exemplo, passou a ser feita pela Polícia Federal. Agora, após os ataques de domingo, ministros próximos a Lula insistem para que a Abin – responsável por fornecer informações estratégicas ao governo – saia da alçada desse gabinete.

“O excesso de participação de militares na política está levando, progressivamente, à contaminação das forças de segurança”, observou o titular da Casa Civil, Rui Costa.

Servidores dizem haver uma espécie de “Abin paralela”, que ainda atende a interesses de Bolsonaro. Não fosse isso, o que explicaria o fato de alertas da Abin sobre o risco de invasão terem sido ignorados?

A triste realidade, porém, não para por aí. Na janela de vidro do Supremo, a pichação “Perdel (sic) mané” – referência à expressão usada pelo ministro Luís Roberto Barroso ao ser abordado, em Nova York, por um bolsonarista que via fraude nas eleições – exibiu a outra face do terror. E mostrou que a última flor do Lácio passou longe da Praça dos Três Poderes… (O Estado de S. Paulo – 11/01/2023)

Leia também

Haddad vira o vilão dos impostos

Lula faturou politicamente na opinião pública ao se posicionar contra a taxação da carne e da blusinha, mas expôs seu ministro da Fazenda, Fernando Haddad, aos “memes” na internet.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!