Marco Aurélio Nogueira: Uma nova chance para o Brasil

A decantada ‘união nacional’ dependerá muito do que vier a fazer o novo governo. Mas não nascerá somente dele. As forças democráticas, seja onde quer que estejam, precisarão dar sua contribuição

Foi duro, sofrido, apertado, muito mais do que se imaginava e do que esperavam as torcidas. Mas Lula venceu a disputa e será o novo presidente da República a partir de janeiro de 2023.

As urnas apontaram muitas coisas. Uma sociedade dividida como nunca dantes, um novo padrão de disputa política, uma direita extremada aguerrida e forte, um desejo pulsante de democracia.

Apontaram também a resiliência de ambos os candidatos.

Lula, com sua trajetória épica, revelou uma recuperação que há 4 anos se imaginava impossível. Ele nunca esteve “morto”, mas foi alvejado por potentes petardos, que poderiam ter alquebrado seu espírito e manchado sua reputação. Mostrou que continua mais vivo do que nunca, com uma extraordinária capacidade de empolgar partes importantes da população.

Mesmo Bolsonaro, depois de quatro anos trágicos, nos quais exibiu rara incompetência governamental, muita maldade e uma formidável capacidade de insuflar o que há de pior na vida nacional, conseguiu sobreviver ao fracasso de seu governo e chegou às mentes de metade do eleitorado. Mostrou que os estragos seriais que promoveu no País não foram suficientes para alertar a população sobre os riscos reais que existiam em sua recondução ao cargo.

Há muitas perguntas que valem um milhão. Como será o próximo governo? Lula honrará o compromisso de fazer uma gestão que esteja “além do PT”, com um ministério plural que inclua quadros de várias formações políticas e ideológicas? Conseguirá convencer as bases de seu partido de que não há mais lugar para revanchismo e “caça” à direita? Conseguirá, ele próprio, se equilibrar entre os vários Lulas que existem em sua biografia política?

Porque saíram das urnas as três personas que encarnam a figura de Lula: o estadista, o ídolo popular e o líder partidário. O estadista, hábil negociador, generoso com aliados e sincero de propósitos, falou no hotel logo após a confirmação da vitória. “Não há dois Brasil, é hora de baixar as armas”. Foi um discurso de alto nível, de Estado. Horas depois, o Lula que surgiu na Avenida Paulista foi o líder partidário, inteiramente entregue à corrente magnética que se espalhava perante o palanque. O orador vibrante, quase demagógico, disposto a religar os fios da história que teriam sido rompidos pelos “golpistas” que “impicharam” Dilma Rousseff, incendiou a avenida e deixou algumas interrogações soltas no ar. Ali, quase ao final da noite, Lula foi mais “ameaçador” do que “pacificador”.

Claro está que essas três personas podem se acomodar de modo equilibrado. Como Lula será presidente, o mais lógico é que o estadista prevaleça e comande o ídolo popular e o líder partidário. Se isso acontecer, cumprirá a promessa de que todo esforço será feito para superar as polarizações funestas e paralisantes que intoxicam o País.

É importante ponderar duas coisas.

A decantada “união nacional” dependerá muito do que vier a fazer o novo governo. Mas não nascerá somente dele. As forças democráticas, seja onde quer que estejam, precisarão dar sua contribuição. Ajudando o governo ou, no mínimo, fazendo uma oposição construtiva e leal.

Um País somente será unido se contar com uma população disposta à união, livre de fantasmas e fantasias divisionistas. Nos últimos anos, o brasileiro foi muito massacrado por antagonismos destrutivos tipo “nós” x “eles”. Precisa ser chamado para outro território. Ser convencido, persuadido, de que uma sociedade dividida é uma sociedade fraca, que não se autogoverna, que retorna sempre aos mesmos lugares e convive com os mesmos problemas de sempre. Trata-se de uma operação que se dedique intensamente a recuperar algumas doses adicionais de confiança nas instituições e nos políticos.

Um novo ciclo se abrirá. Há uma expectativa social de que saibamos aproveitar essa nova chance que há para o Brasil. Em boa medida, o mundo espera que isso aconteça. Torcidas são importantes. Mas o decisivo mesmo será a conduta prática do próximo governo, sua composição ministerial, os planos com que governará e o discurso que nele prevalecerá. (O Estado de S. Paulo – 01/11/2022)

Marco Aurélio Nogueira, professor titular de Teoria Política da Unesp

Leia também

Vamos valorizar a sociedade civil

Os recentes cortes promovidos pelo Governo Federal, atingindo em...

A ponte Krenak

Com Ailton Krenak, a Academia Brasileira de Letras recebe...

Confronto entre Irã e Israel escala a guerra de Gaza

NAS ENTRELINHASMuitos são os sinais de que um conflito...

Petrobrás na contramão do futuro do planeta

Na contramão do compromisso firmado pelo Brasil na COP...

19 Anos sem Karol Wojtyla: Recordando o Legado de João Paulo II

A jornada rumo ao sacerdócio e, eventualmente, ao cargo...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!