William Waack: Lula e o risco da imaginação

A mulher pobre e evangélica já tomou a primeira decisão das eleições: vai mandar Bolsonaro para o 2.º turno. É nessa pessoa que convergem três típicas categorias em que são divididos dados de pesquisas de opinião: baixa renda, eleitorado feminino, religião.

Os últimos levantamentos indicam que Bolsonaro está conseguindo evitar uma derrota já em 1.º turno. O retrato do momento indica que só perderia no 2.º se a eleição fosse no próximo domingo. Um 2.º turno está marcado para daqui a nove domingos.

Lula preserva vantagem sobre Bolsonaro entre mulheres, eleitores de baixa renda e no Nordeste. Ocorre que o presidente, mesmo sendo o mais rejeitado, empata ou até tem vantagem em colégios eleitorais de peso (Sul e Sudeste) e entre evangélicos. Enquanto a recuperação da economia o ajuda até certo ponto nas menores faixas de renda.

Ou seja, ainda que em desvantagem, Bolsonaro está conseguindo falar com essa mulher pobre e evangélica. Dois outros fatores prometem ajudar a chegar ao 2.º turno. O primeiro é especulativo: apesar da preferência de voto parecer bastante consolidada, um contingente estimado em até um terço dos “decididos” estaria disposto a mudar o voto.

Além disso, ocorreu nos últimos dias um relativo crescimento das candidaturas de Ciro Gomes e Simone Tebet. Que diminuiu consideravelmente a probabilidade de Lula liquidar a fatura no 1.º turno (algo que nunca conseguiu) e, com isso, altera de forma substancial para Lula o que vem depois.

Na noite de 2 de outubro ele já saberá o tamanho da encrenca chamada Centrão. A mulher pobre e evangélica não tem muita noção disso, mas nesse domingo ela já determinou também o tamanho das bancadas parlamentares, pelas quais tanto se empenharam os caciques dos partidos. E com quem Lula terá de negociar não só para garantir a vitória final quatro domingos adiante, mas por muitos e muitos domingos vindouros. (O Estado de S. Paulo – 01/09/2022)

William Waack, jornalista e apresentador do programa WW, da CNN

Leia também

Deputados anistiam multas nas prestações de contas dos partidos

A Transparência Partidária estima que o montante total das multas pode chegar a R$ 23 bilhões.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!