Marcus André Melo: Invasão do Capitólio, Brazilian style?

O debate sobre as eleições presidenciais tem girado em torno da tentativa de um “golpe” (com hora marcada!) e a referência ubíqua é a invasão do Capitólio americano. O paralelo tem alguma plausibilidade; são dois líderes populistas que compartilham similaridades. Mas há pelo menos três importantes diferenças institucionais que explicam por que a dinâmica de um eventual tumulto seria radicalmente distinta.

A primeira é que inexiste uma autoridade federal de facto encarregada de eleições nos EUA. A ratificação dos resultados eleitorais é descentralizada a nível estadual e mesmo local; o que é consistente com a existência de diferentes regras eleitorais nos estados (o que não é excepcionalidade americana, é assim também na Argentina, Alemanha etc.). No Brasil, o sistema é centralizado no TSE.

A segunda diferença é que as eleições presidenciais em nosso país são diretas. Nos EUA ocorrem em um colégio eleitoral no qual o número de delegados é igual à soma do número de deputados e senadores de cada estado. E, pela regra adotada, o partido vencedor no estado escolhe todos os delegados (há exceções).

A regra magnifica a importância de eleições locais para o resultado final: a eleição passa a ser decidida em pouquíssimos estados. A perda da eleição por um voto em um estado pode significar a perda de todos os delegados desse estado e garantir a vitória ao adversário (na Flórida, por exemplo, a perda por 1 voto—igual a 7.1 milionésimo do total de eleitores— implicaria a perda de 30 —5,5%— dos votos no colégio). Este hiperlocalismo politiza o processo de ratificação local, individualizando os conflitos na figura dos tomadores de decisão (o secretário de Justiça estadual, ou outros agentes que em alguns estados são eleitos.

Terceiro, nos EUA o processo eleitoral tem sido historicamente hiperpolitizado. Os obstáculos ao voto da população negra têm sido problema perene mesmo após o Voting Rights Act (1965). Muitos foram instituídos recentemente. Ademais, problemas de contagem expuseram eloquentemente a fragilidade do sistema. Na eleição Bush versus Gore (2000) os problemas de contagem na Flórida chegaram à Suprema Corte e ocorreram enorme mobilização e protestos de rua pelos democratas.

O episódio adquiriu visibilidade tendo sido tema de um filme popular, “Recontagem” (2008), com Kevin Spacey.

Nada disso ocorreu no Brasil. O último episódio de contestação (Proconsult) foi uma eleição para governador durante o regime militar. A auditoria solicitada pelo PSDB das eleições de 2014 permaneceu desconhecida do grande público.

O sistema brasileiro não é frágil, nem hiperlocalista, tampouco hiperpolitizado. (Folha de S. Paulo – 01/08/2022)

Marcus André Melo, professor da Universidade Federal de Pernambuco e ex-professor visitante do MIT e da Universidade Yale (EUA)

Leia também

Deputados anistiam multas nas prestações de contas dos partidos

A Transparência Partidária estima que o montante total das multas pode chegar a R$ 23 bilhões.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!