Malu Gaspar: Fala de Braga Netto sobre eleição constrange empresários no Rio

O general Walter Braga Netto (PL), pré-candidato a vice de Jair Bolsonaro na chapa em que ele disputará a reeleição, disse em um encontro com empresários da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro que, se não for feita a auditoria dos votos defendida pelo presidente, “não tem eleição”.

A fala de Braga Netto se deu na última sexta-feira (24), dois dias antes de ele ser oficializado vice. E causou constrangimento na plateia de 40 empresários selecionados a dedo pela federação empresarial para um discreto encontro dedicado oficialmente à apresentação de pleitos do Rio ao “assessor especial da presidência da República”.

Longe da imprensa e frente a uma audiência em tese simpática, Braga Netto se soltou e repetiu a narrativa infundada de Bolsonaro sobre a segurança da urna eletrônica – ao contrário do que diz o presidente, os votos no Brasil são auditáveis.

À equipe da coluna, a assessoria de imprensa de Braga Netto afirmou que não houve ameaças, que sua fala foi tirada de contexto e mal interpretada pelas fontes.

Mas, segundo relatos colhidos pela equipe da coluna, a sala foi tomada por um incômodo silêncio após a declaração. O militar da reserva, que foi exonerado hoje do governo para disputar as eleições, estava acompanhado do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, pré-candidato a deputado federal pelo PL.

Braga Netto recebeu de estrategistas de Bolsonaro a missão de ajudar na arrecadação de recursos para a campanha. A previsão da cúpula é que ele se dedique a viajar pelos estados onde estão os principais doadores.

A visita ao Rio se deu em razão da proximidade com o empresariado fluminense desde o período em que foi interventor federal no estado, durante o último ano do governo Temer, em 2018.

A insistência na ameaça de ruptura com base em teses conspiratórias coincide com a onda de notícias ruins que se abateu contra o governo Bolsonaro nas últimas semanas.

Além da prisão do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, o Palácio do Planalto se vê diante da suspeita de interferência do presidente na Polícia Federal, a piora dos índices econômicos e a estagnação do presidente no último Datafolha. O escândalo que derrubou Pedro Guimarães da presidência da Caixa Econômica, que eclodiu na última terça-feira, somou-se à lista nos últimos dias.

No início do mês, o próprio presidente aproveitou sua passagem pelo Rio para disparar ameaças ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao sistema eleitoral durante reunião com a Associação Comercial fluminense.

Em julho de 2021, reportagem do Estado de S. Paulo relatou que Braga Netto teria feito a mesma ameaça ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), por meio de emissários.

À época, tanto Lira quanto o general da reserva foram cobrados pelo então presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, pela suposta declaração. Ambos negaram que o diálogo tenha ocorrido, e o jornal reiterou o teor da reportagem.

Procurada, a Firjan informou que não comentará o episódio. (Por Johanns Eller/O Globo – 01/07/2022)

Leia também

Deputados anistiam multas nas prestações de contas dos partidos

A Transparência Partidária estima que o montante total das multas pode chegar a R$ 23 bilhões.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!