Veja as manchetes e editoriais dos principais jornais hoje (17/06/2022)

MANCHETES DA CAPA

O Globo

PF investiga participação de 5 pessoas no assassinato de Bruno e Dom
Petrobras ignora governo e vai subir gasolina e diesel
Nunes Marques trava julgamento, e país tem boom de armas
Parlamentares articulam 14º no INSS
Ucrânia ganha apoio triplo para ingressar na UE

O Estado de S. Paulo

Petrobras tem sinal verde do conselho para elevar preços
Bolsonaro diz não esperar ‘maldade’
Pescador diz que decisão de matar Dom e Bruno foi dele
Bolsonaro adia aprovação de plano de socorro ao RS para atender Onyx
Justiça decreta sequestro de bens de contador ligado a Lula
Inteligência artificial avança para o nível de consciência
Líderes prometem incluir Ucrânia na União Europeia
Tráfico e garimpo na Amazônia colombiana viram tema eleitoral

Folha de S. Paulo

Apuração de mortes no AM ainda não vê um mandante
Petrobras nega pedido para segurar seus reajustes
Saúde liberará 4ª dose a quem tem mais de 40 anos
Ataques a jornalistas são erosão da democracia, diz relatora da ONU
Vigilância indígena no Javari apurou evidências contra suspeito preso
Após relativizar mortes, presidente deseja conforto a familiares
Fiéis lotam primeiras procissões do Corpus Christi após a pandemia
Carolina Barrero – Regime de Cuba acabou, e opositor não vive só nos EUA
PF prende espião russo que fingiu ser brasileiro

Valor Econômico

Petrobras deve anunciar hoje novo reajuste de combustíveis
Medo de recessão derruba bolsas internacionais
Assassinatos no AM repercutem e comprometem imagem do país
Preço sobe com força na ponte aérea S. Paulo-Rio
Poder aquisitivo alto de LGBTQIA+ atrai marcas
STJ mantém base de contribuição do empregador
Natura troca de presidente após pressão de acionista

EDITORIAIS

O Globo

Brasileiros têm lições a aprender com a investigação sobre ataques ao Capitólio

Embora Bolsonaro busque inspiração no 6 de janeiro em Washington, é difícil haver algo da mesma natureza no Brasil

Para os brasileiros, é pedagógico acompanhar as sessões da comissão da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos que investiga a violenta invasão do Capitólio no dia 6 de janeiro do ano passado, por uma turba ensandecida, inconformada com a derrota de Donald Trump nas eleições. Trump é o modelo do presidente Jair Bolsonaro no plano de contestar o resultado das urnas em caso de derrota. Os Estados Unidos fornecem um exemplo de como as instituições devem reagir caso o pior aconteça.

O procurador-geral Merrick Garland afirmou que acompanha as conclusões da comissão da Câmara e deixou aberta a possibilidade de abrir processo criminal contra Trump, se ficar comprovado que ele foi responsável pelo ataque ao Congresso. Nesse caso, se Trump quiser concorrer de novo à Presidência em 2024, a Suprema Corte se verá no papel inusitado de decidir se ele ainda poderá ser candidato respondendo a processo criminal (há controvérsia a respeito).

A situação é tão insólita que até Ivanka, filha de Trump, e seu genro Jared Kushner afirmaram saber que a vitória do democrata Joe Biden não era resultado de fraude. Nos diversos testemunhos dados em vídeo ou presencialmente à comissão, vários ex-aliados de Trump se voltaram contra ele.

O quadro que emerge mostra um Trump obcecado com a ilusão da fraude eleitoral e refratário a qualquer divergência. “Nunca houve indicação de seu interesse em saber como os fatos eram”, depôs o ex-procurador-geral William Barr, que não conseguiu demovê-lo da obsessão. O chefe da campanha de Trump, Bill Stepien, relatou que o presidente também ignorou seus alertas para não se declarar vitorioso. Trump preferiu seguir os conselhos de seu advogado Rudolph Giuliani na noite da apuração e foi adiante. Giuliani, segundo relatos publicados no New York Times, estava embriagado.

A invasão do Capitólio deixou cinco mortos, entre manifestantes e policiais. Pôs em risco deputados e senadores, além do então vice Mike Pence. Arruaceiros trumpistas gritavam que enforcariam Pence e chegaram a levar para a praça em frente ao Congresso um arremedo de forca.

Embora Bolsonaro busque inspiração no 6 de janeiro em Washington, é difícil haver algo da mesma natureza no Brasil. Uma diferença relevante é que aqui não existem inúmeras modalidades de votação, como nos Estados Unidos. Os votos são centralizados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e somados no próprio dia da eleição. As urnas eletrônicas são as mesmas no país todo. Outra diferença é que todas as dúvidas levantadas contra o sistema eleitoral eletrônico vêm sendo esclarecidas com competência pelo TSE e seus técnicos.

A lição a extrair dos Estados Unidos está na capacidade das instituições democráticas de resistir a autocratas e de puni-los por agressões ao Estado de Direito. Trump corre o risco de, em vez de voltar à Presidência, ir para a cadeia. Fanáticos existem em todo lugar, por isso há Constituição e leis para zelar pela normalidade institucional.

O Estado de S. Paulo

Remédio amargo contra a inflação

Brasil e EUA elevam juros para deter a alta do custo de vida; se o tratamento funcionar, a retomada do crescimento se dará em condições muito mais seguras

Crédito apertado e caro, terapia contra um forte surto inflacionário, vai dificultar os negócios e a criação de empregos nas duas maiores economias das Américas, neste ano e talvez no próximo. Se o tratamento funcionar, Brasil e Estados Unidos poderão retomar o crescimento, em seguida, em condições muito mais seguras e com maior vigor. No mesmo dia, quarta-feira, os bancos centrais dos dois países determinaram novo aumento dos juros básicos, o tratamento mais comum contra a alta dos preços ao consumidor. A taxa brasileira foi elevada de 12,75% para 13,25% ao ano e atingiu o mais alto patamar em cinco anos e meio. A americana subiu 0,75 ponto e alcançou o intervalo de 1,5% a 1,75%. Foi a maior variação desde 1994.

No Brasil, os preços no dia a dia do consumo aumentaram 0,47% em maio e 11,73% em 12 meses. Nos Estados Unidos, a alta mensal foi de 1% e a variação acumulada em 12 meses bateu em 8,6%, a maior taxa em quatro décadas. As duas economias foram afetadas pelo aumento de custos de matérias-primas, especialmente do petróleo, e por desarranjos nas cadeias internacionais de suprimentos. Desajustes iniciados na fase da pandemia foram agravados por efeitos da invasão da Ucrânia pela Rússia. Os danos causados pela onda inflacionária são muito diferentes, no entanto, nos dois países.

No Brasil, a forte alta de preços é socialmente mais desastrosa, porque a pobreza é maior, e mais pessoas são duramente afetadas pelos custos de bens e serviços essenciais como alimentos, gás de cozinha e energia elétrica. Além disso, as condições do mercado de trabalho são muito piores no Brasil. O desemprego tem ficado abaixo de 4% nos Estados Unidos e acima de 10% no Brasil. As condições dos desempregados são muito mais graves neste país, onde pesquisa recente apontou a existência de 33 milhões de pessoas com fome e de 125 milhões em insegurança alimentar.

Novos aumentos de juros deverão ocorrer. Os dirigentes do Federal Reserve, o banco central americano, reiteraram a disposição de avançar em sua política até levar a inflação à meta, isto é, ao ritmo anual de 2% sustentável no longo prazo. No Brasil, o Comitê de Política Monetária (Copom), órgão formulador da estratégia do Banco Central (BC), reafirmou o propósito de conduzir a inflação até um patamar próximo da meta, fixada em 3,25% para 2023, com limite de tolerância de 4,75%.

No ano passado o aumento dos preços ao consumidor chegou a 10,06%, superando de longe o centro da meta (3,75%) e o teto (5,25%). No cenário de referência do BC, os preços devem subir 8,8% neste ano, ultrapassando amplamente, de novo, o centro do alvo (3,5%) e o limite de tolerância (5%). No mesmo cenário, a inflação em 2023 poderá chegar a 4%. Mas o compromisso é alcançar um resultado bem próximo do objetivo, de 3,25%.

Novo aumento de juros está previsto para a próxima reunião do Copom, nos dias 2 e 3 de agosto. Segundo a nota emitida na quarta-feira à noite, o ajuste poderá ser inferior ou igual ao decidido na última reunião. A taxa básica poderá, portanto, chegar a 13,5% ou 13,75%. Em qualquer caso, o arrocho continuará e os juros permanecerão muito altos até o fim do ano, mesmo na hipótese de alguma redução nos últimos meses de 2022.

Qualquer trégua na política só fará sentido se houver claros sinais de recuo da inflação. É cedo para apostar nessa mudança. Por enquanto, as pressões inflacionárias são muito fortes e os consumidores continuam pressionados pelos significativos aumentos acumulados em 12 meses. Além disso, a instabilidade cambial permanece, principalmente por causa das incertezas quanto às contas públicas e à condução da política econômica. Novas altas do dólar podem pressionar os preços internos e realimentar a inflação. Também a elevação de juros nos Estados Unidos mexe com os fluxos financeiros e torna desaconselhável uma redução da taxa básica no Brasil. Sem um afrouxamento sensível da política monetária no País, qualquer melhora das condições de negócios até o fim do ano será provavelmente modesta, embora muito bem-vinda.

Folha de S. Paulo

Bruno e Dom

Tragédia expõe terra sem lei na Amazônia, patrocinada pelo governo Bolsonaro

Surgiu a notícia mais temida, nem por isso infelizmente menos provável, do paradeiro do indigenista brasileiro Bruno Araújo Pereira, 41, e do jornalista britânico Dom Phillips, 57, desaparecidos na Amazônia desde a manhã do último dia 5.

De acordo com a Polícia Federal, um pescador envolvido com atividades ilegais confessou ter participado do assassinato e da ocultação dos cadáveres da dupla, que viajava de barco no extremo sudoeste do estado do Amazonas e visitava comunidades na vizinhança da Terra Indígena Vale do Javari, que abriga o maior número de povos isolados na floresta amazônica.

Restos humanos foram retirados do local apontado pelo suspeito.

Pereira trabalhou por uma década na Funai, onde atuou como coordenador da Vale do Javari e de Povos Isolados. Tinha ampla experiência na área, onde escolheu seguir trabalhando após exoneração do setor de isolados e licenciar-se do órgão federal, passando a colaborar com a Univaja (União dos Povos Indígenas do Vale do Javari).

Phillips acompanhava o indigenista para colher informações sobre o sistema de autodefesa dos povos locais contra invasões de garimpeiros, madeireiros, caçadores e pescadores ilegais. Elaborava um livro sobre como salvar a floresta pela qual se apaixonou ao se mudar para o Brasil em 2007.

Profissionais experientes, tinham conhecimento dos riscos de circular num canto do Brasil frequentado também pelo narcotráfico, tanto é que em boa parte dos trajetos contavam com escolta da Univaja. Um advogado da associação informou que seus integrantes e Pereira já haviam recebido ameaças dias antes.

Eram fortes, portanto, os sinais de que eles teriam sido alvos de uma emboscada. Apesar disso, o Planalto tardou a reagir, mobilizando esforços só depois de deflagrada intensa campanha nacional e internacional para encontrá-los.

O mais lamentável na lerdeza desumana do poder público é sabê-la em tudo condizente com o jaez de Jair Bolsonaro. Um presidente bilioso e errático, que subscreve as mais delirantes doutrinas de cobiça internacional pela Amazônia e hostiliza o quanto pode indigenistas, ambientalistas e jornalistas.

Se criminosos agem livremente naquele rincão amazônico é porque o Estado dali se ausentou. Bolsonaro mais uma vez fugiu à responsabilidade, chegando ao cúmulo da ignomínia ao inculpar os próprios desaparecidos e dizer que empreendiam uma “aventura” e que Phillips era “malvisto” na região.

Jornalismo não é aventura, a Amazônia não será da democracia brasileira enquanto pistoleiros, facínoras e desmatadores impuserem a lei do cão na região, e Bolsonaro não será presidente digno do cargo enquanto se mantiver alinhado aos destruidores da floresta.

Valor Econômico

Três bancos centrais em busca do juro adequado

Os ajustes nos ativos entraram em modo turbulento, como mostraram as grandes quedas nas bolsas na segunda-feira

O Federal Reserve americano, o Banco Central Europeu e o Banco Central do Brasil agiram ontem para adequar a política monetária a uma inflação até agora indomável. Em momentos diferentes deste combate, os três movimentos não deixaram de causar alguma surpresa. O Federal Reserve, que parecia tranquilo em buscar um horizonte neutro para os juros, acelerou muito o ritmo de ajuste e aumentou a taxa dos fed funds em 0,75 ponto percentual, magnitude vista pela última vez em 1994. O BCE fez reunião de emergência para afastar o temor de reedição da crise que assolou a zona do euro em 2012 – a elevação rápida dos títulos das dívidas de países frágeis fiscalmente, como Itália e Espanha. O BCB, que já havia esboçado interromper a alta de juros, fará pelo menos mais uma, sem a menor garantia de que será a última.

O ajuste dos preços dos ativos começa a entrar em modo turbulento, como mostraram a forte queda das bolsas na segunda-feira e a reunião emergencial do BCE na quarta. Os bancos centrais enfrentam choques sobre os quais a política monetária tem limitado poder de influência, em especial os distúrbios nas cadeias de produção e o aumento das commodities, sem direção previsível no curto prazo.

O Fed e o BCE, principais BCs do mundo, estão em estágios diferentes de busca da solução para uma inflação elevada demais. Os EUA têm crescimento forte, consumo aquecido, mercado de trabalho apertado e inflação inédita em 40 anos. O Fed via esta situação como temporária, mudou de opinião em maio e tenta recuperar o tempo perdido com o forte aumento do juro em junho, que poderá se repetir na próxima reunião.

A zona do euro tem crescimento mais fraco, baixa pressão dos salários e consumo em recuo após altas violentas no preço da energia, mas igualmente a maior inflação em 40 anos (8,1% em maio). Na semana passada, o BCE anunciou que elevará os juros em agosto, isto é, vai retirá-los da zona negativa em que ainda estão (-0,5%) e encerrar enormes programas de afrouxamento monetário que levaram seus ativos a € 4,9 trilhões. Sinalizou ainda que poderá acelerar o ritmo de ajuste para 0,5 ponto em setembro.

O conjunto da obra foi suficiente para que os títulos da dívida soberana de Itália, Portugal, Espanha e outros disparassem – roteiro parecido ao da crise anterior que quase cindiu a zona do euro. O BCE fala em “fragmentação”: o aperto das condições financeiras tem efeitos muito diferentes nos países da mesma união monetária. O mais grave da história é que um princípio de crise tenha aparecido antes mesmo de o BCE mover os juros.

O Fed acelerou bastante o ritmo de ajuste. Em seu nível atual, a taxa dos fed funds já está próxima daquela que ainda em maio o banco esperava atingir ao fim do ano. O risco que motivou o banco a agir assim foi o de desancoragem das expectativas inflacionárias. Ele abandonou a ideia de um ajuste possível com a taxa de juro perto da neutra (2,5%) para assumir uma perspectiva “moderadamente restritiva”. A mediana das projeções dos membros do Fomc indicam juro de 3,4% ao fim do ano e perto de 4% (3,8%) em 2023.

O BC americano não vê possibilidade de recessão. Com base nas estimativas do Fomc, o Fed deve andar mais rápido agora e moderar o passo adiante. A previsão de crescimento sofre o maior impacto ainda em 2022, quando se estima avanço de 1,7%, ante 2,8% da reunião anterior. Mesmo com mais novas altas de juros em 2023, o PIB deve crescer 1,7% naquele ano.

O novo horizonte do Fed é chegar logo a uma taxa de juro moderadamente restritiva a partir da qual possa obter “quedas consistentes, mensais” da inflação e ver “evidências convincentes” de que ela irá em direção à meta de 2%. Powell afirmou que não é intenção do Fed que os “inusualmente altos ajustes dos juros”, como os recentes, se tornem “comuns”.

Ao contrário de Fed e BCE, o BCB está em final do ciclo de aperto monetário. Decretou novo aumento de 0,25 a 0,5 ponto na próxima reunião e espera com isso que a inflação convirja “ao redor da meta”, um sinal, inicial pelo menos, de que não tem a intenção de obter 3,25% em 2023 a qualquer custo.

Em comum na ação dos BCs está a incorporação de surpresas inevitáveis em um ambiente de enormes incertezas, após choques inéditos seguidos. Se nada mudar, testarão níveis maiores de juros, tornando mais próxima a perspectiva de recessão global. As chances de crises no meio do caminho, decorrentes do próprio ajuste, como sugerem os temores na zona do euro, indicam que o caminho será tortuoso e as chances de sucesso, incertas.

Recommended Posts

No comment yet, add your voice below!


Add a Comment