Fernando Gabeira: Mundo fora do eixo com guerra na Ucrânia

‘Time is out of joint.’ Essa frase de Hamlet me veio à cabeça quando fui questionado num almoço sobre a guerra na Ucrânia.

Na penumbra da cozinha, tinha de falar do tema, sem consultas ou fichas. Apenas com o pouco que aprendi. Parecia um personagem de Harold Pinter: um andarilho que se abrigou na cozinha de um grande restaurante, e começaram a fazer pedidos de pratos extravagantes, enquanto ele tinha apenas um pequeno farnel.

A frase de Shakespeare equivale a dizer que o mundo está fora do eixo. Mas não é novidade, não explica. Bertolt Brecht disse uma vez que, no fundo, todos os artistas têm como tema esta frase: “Time is out of joint”. Assim como no verso de Caetano Veloso: “Alguma coisa está fora, fora da nova ordem mundial”.

As coisas corriam assim: a China ampliava sua riqueza e influência no mundo, e os Estados Unidos viviam uma decadência. Nada indicava que a China, no momento, quisesse algo mais do que ampliar sua riqueza e influência no mundo.

Mas havia Putin, querendo reescrever o passado. É o movimento mais perigoso. Antigo quadro da KGB em Dresden, não se conformou com a derrocada da União Soviética.

Andei pelos países bálticos quando o esquema ruiu. Talinn, Riga, Vilnius. Vi um prédio ocupado pela KGB ser desocupado às pressas, com as gavetas carregadas escada abaixo. Humilhante.

Não vou divagar. Foi uma pausa para passar o sal. Quando a União Soviética invadiu a Tchecoslováquia na década de 1960, fui contra. O argumento era simples: o socialismo não se impõe de fora para dentro, na ponta da baioneta.

O mesmo vale para a democracia e os princípios liberais. Os americanos gastaram fortunas, perderam muita gente e hoje parecem cansados de suas aventuras pelo mundo. O problema central foi muito bem entendido por John Gray quando afirma que a política é uma arte de acomodação de interesses diferentes, muitas vezes conflitantes.

O perigo não está apenas em reescrever o passado, como quer Putin. Mas também naqueles que, de certa forma, negam a política do diálogo em troca da afirmação de princípios universais.

O reconhecimento da autodeterminação dos povos é o único caminho. Não representa concordância com o que se faz dentro de um país. Apenas o argumento de que o motor das mudanças é interno.

Tudo isso que disse no almoço é de difícil digestão quando se fala em política. Como atrair os jovens para o propósito de encontrar um modus vivendi entre posições diversas, quando o grande atrativo é impor a justiça, os direitos, a igualdade e outros grandes princípios?

Mesmo a preservação do meio ambiente e, consequentemente, a salvação da espécie humana, dependem de concordância. Sem ela, vamos para o buraco, de qualquer maneira. Os princípios universais são muito bonitos, mas, às vezes, contribuem para a arrogância ideológica, um viés religioso que arruína os objetivos políticos.

Putin sonha apenas com a Grande Rússia, restabelecer um passado ideal com a força das armas, nucleares se necessário.

Mas, no fundo, para chegar à sobremesa, tudo isso representa uma das muitas tentativas de investir a política com esperanças transcendentais numa época sem fé.

Putin as investe no passado, os americanos as investiram nas liberdades democráticas, na construção de nações. A lista dos que, sob pretexto de fazer política, negam seus fundamentos é bem extensa.

Se pelo menos, neste momento da História humana, se compreendesse o perigo da sobrevivência. Os próprios cientistas ucranianos no Painel da ONU estimularam a divulgação do mais recente e dramático relatório sobre o aquecimento global e suas consequências. Se pelo menos parássemos de nos matar para, juntos, contornar o perigo da morte da própria espécie, haveria uma ponta de esperança.

Não importa quão tênue, é preciso se agarrar a ela, ainda que, no momento, seu nome se reduza apenas a uma esperança pela paz. (O Globo – 21/03/2022)

Fernando Gabeira, jornalista

Recommended Posts

No comment yet, add your voice below!


Add a Comment