Veja as manchetes e editoriais dos principais jornais hoje (11/02/2022)

MANCHETES DA CAPA

O Globo

Governo decide leiloar Galeão e Santos Dumont juntos em 2023
Flávio Bolsonaro – ‘A questão da vacina desgastou o presidente’
Retrocesso democrático é maior na América Latina
Milícia digital usa estrutura do ‘gabinete do ódio’, diz PF
A difícil busca por reparação em casos de prisão injusta
O céu é o limite: contas da Light residenciais podem subir 18%
Paes anuncia aplicação da 4ª dose da vacina em julho
Alfabetização de adultos sofre com evasão
Obituário – Luc Montagnier, que descobriu o vírus da Aids
Exercício militar prenuncia ‘dias perigosos’

O Estado de S. Paulo

Embrapa busca independência e decide ficar sócia de empresas
Doria dá aumento de 20% a policiais e profissionais da saúde
Bolsonaro age como as milícias digitais, diz relatório da PF
Ibama age em só 1% dos alertas de desmatamento
Congresso dá prazo para ANS decidir sobre quimioterápicos
‘Consumidor terá de migrar para pacotes mais caros’
Grupo devolverá concessão do Aeroporto do Galeão, no Rio
Biden orienta americanos a deixar Ucrânia imediatamente

Folha de S. Paulo

Setor de serviços tem alta recorde, mas fôlego é curto
Doria anuncia aumento de 20% para Saúde e polícia
Governador adota linha moderada contra pressão e fogo amigo
Devolvido, Galeão irá a leilão com Santos Dumont
Bolsonaro quer marqueteiro do PL para TV
Ex-embaixador vê sinal errado em ida de Bolsonaro à Rússia
Bloco evangélico quer ser 30% do Congresso, diz novo líder
UBS fluvial navega por dias para viabilizar vacinação na Ilha de Marajó
Crianças com síndrome grave por Covid têm sequela cardiáca
Inflação nos EUA chega a maior alta em 40 anos

Valor Econômico

Devolvido, Galeão irá a leilão junto com o Santos Dumont
Inflação nos EUA derruba Wall Street
Na contramão do setor, Amil perde clientes
Barbosa luta para recompor caixa da CVM
ArcelorMittal destina mais R$ 1,3 bi ao país
Captação externa recua e totaliza US$ 4,2 bi no ano
Iveco anuncia investimento de R$ 1 bi na AL

EDITORIAIS

O Globo

‘PL do Veneno’ traz riscos para a saúde e o meio ambiente

O problema não está, por óbvio, no uso do agrotóxico em si, mas no uso sem controle

Foi irresponsável a aprovação, pela Câmara, do projeto de lei 6.299/02, apelidado de “PL do Veneno” por flexibilizar o controle e a autorização de agrotóxicos no país. A pretexto de modernizar e desburocratizar as normas do setor, a proposta, mais uma das tantas “boiadas” que o governo Bolsonaro passa por cima da legislação e do bom senso, embute riscos seriíssimos ao meio ambiente e à saúde. A desfaçatez é tamanha que chega a trocar a nomenclatura de “agrotóxico” para “pesticida”, como se isso pudesse mudar os efeitos das substâncias químicas.

O projeto contém inúmeras aberrações. A primeira é conferir ao Ministério da Agricultura a competência exclusiva para autorizar novos agrotóxicos. Hoje, essa atribuição é compartilhada com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) — que cuida da saúde dos brasileiros — e com o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) — que trata dos riscos ambientais. Pelo novo projeto, Anvisa e Ibama continuarão se pronunciando, mas não terão mais poder de veto. Infelizmente, se rompe o equilíbrio necessário num tema que não pode ser analisado de forma unilateral.

Outra barbaridade do projeto é prever proibição do agrotóxico somente em casos de risco “inaceitável”. Pergunta óbvia: até onde se aceitariam os riscos que poderão incidir sobre a saúde e o meio ambiente? Um terceiro ponto controverso é ele permitir o uso de agrotóxicos com registro temporário. A autorização provisória passaria a ser concedida automaticamente quando a análise ultrapassar os prazos previstos. Na prática, esse afrouxamento permitirá a venda de produtos nocivos à saúde ou ao meio ambiente sem estudo prévio sobre danos (a única exigência é que estejam em uso em pelo menos três países da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico, OCDE).

Os riscos da tal modernização representam retrocesso inegável. Ao analisar o projeto de lei em 2018, os cientistas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Guilherme Franco Netto e Marco Antônio Carneiro Menezes atestaram que ele, “além de promover o completo desmonte da regulação dos agrotóxicos no país, claramente prioriza os interesses econômicos e põe em risco toda a sociedade, com repercussões de curto, médio e longo prazos”.

O problema não está, por óbvio, no uso do agrotóxico em si, necessário para a garantir a qualidade e a competitividade da produção agrícola. Está no uso sem controle. A história comprova como tais produtos podem conter substâncias cancerígenas, nocivas à saúde ou ao meio ambiente. Representam risco para trabalhadores da lavoura, populações vizinhas e consumidores em geral. É por isso que as autorizações precisam ser criteriosas, embasadas em critérios técnicos e científicos, não políticos. Excluir órgãos como Anvisa e Ibama das decisões é um absurdo, pois essa lacuna não será preenchida pelo Ministério da Agricultura. Cada um tem atribuições específicas.

O pujante agronegócio brasileiro merece uma legislação moderna, alinhada com a de outras potências do setor. Mas isso não pode significar o “liberou geral” que põe em risco a saúde da população e a preservação do meio ambiente. O Senado, para onde seguirá o “PL do Veneno”, tem obrigação de depurar a proposta. Ou as consequências para o país no médio e longo prazos serão desastrosas.

O Estado de S. Paulo

Falta dinheiro até para o agro

Sequestrado por emendas parlamentares, Orçamento já é insuficiente para equalização de empréstimos de um setor que sustenta a economia

A falta de recursos para equalização de empréstimos para o agronegócio diz muito sobre o improviso do governo, uma das principais marcas da gestão Jair Bolsonaro. Dos R$ 7,8 bilhões aprovados no Orçamento pelo Legislativo, 99% já foram usados, o que obrigou o Ministério da Economia a suspender a contratação de novas operações pelas instituições financeiras neste mês. Em pleno fevereiro, simplesmente não há mais dinheiro para colocar de pé o Plano Safra até junho, segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

A importância do agronegócio para o País é inegável. O setor tem sido essencial para a obtenção de saldos comerciais positivos. No ano passado, o superávit do segmento foi de US$ 105,1 bilhões, de acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), alta de 19,8% em relação a 2020. Impulsionadas pela recuperação dos preços das commodities e da economia global, as exportações bateram recorde histórico e totalizaram US$ 120,6 bilhões. Em janeiro, quando o mercado projetava que o Produto Interno Bruto (PIB) cresceria 0,5% em 2022, a estimativa para o desempenho da cadeia do agronegócio era de um avanço de 3,5% a 5%, em contrapartida à queda esperada para o comércio, a indústria, os serviços e o consumo das famílias, corroídos pela inflação elevada e pelo aumento dos juros. De lá para cá, a única coisa que mudou foi a perspectiva para o crescimento do PIB, reduzida a 0,30% na edição mais recente do relatório Focus. É consenso que o tombo seria ainda maior sem a contribuição do setor.

Por tudo isso, é quase inacreditável que uma área que tem sido a tábua de salvação da economia seja tratada com tanto desmazelo. O principal motivo que explica a falta de recursos para a equalização do crédito rural é a subida da taxa básica de juros, hoje em 10,75% ao ano, mas o ciclo de alta promovido pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central começou há quase um ano, quando a Selic aumentou de 2% para 2,75%. Esse movimento apenas se acentuou ao longo dos últimos meses, de modo que não deveria ser surpresa para ninguém o fato de que o dinheiro poderia acabar mais rápido.

O Plano Safra foi lançado em junho e, no mês seguinte, o Congresso aprovou a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) com uma projeção média para a Selic de 6,63% ao ano. Em dezembro a taxa já estava em 9,25%, mas nem assim houve alteração nos parâmetros evidentemente defasados. O resultado é que faltam mais de R$ 3 bilhões para cobrir a diferença entre o custo efetivo cobrado dos bancos nas operações e o valor pago pelos produtores rurais. Uma parte do dinheiro poderá ser remanejada a partir de dotações do Ministério da Agricultura, mas ainda assim será preciso apelar a um crédito suplementar, ainda a ser enviado pelo governo e aprovado pelo Congresso. Antes, o Executivo terá que fazer cortes no mesmo valor em outras áreas, e, até que isso ocorra, não será possível fechar novos financiamentos – dá até medo pensar nos alvos do contingenciamento.

Esse é mais um capítulo da ficção que se tornou o Orçamento da União sob o comando de Jair Bolsonaro. Nessa tragicomédia que contou com a participação da poderosa bancada ruralista, governo e Legislativo se preocuparam mais em blindar os escandalosos recursos destinados a emendas parlamentares, de R$ 35,6 bilhões, preservar os R$ 4,96 bilhões reservados ao fundo eleitoral e garantir R$ 1,7 bilhão para o reajuste de servidores federais. É impressionante a dimensão do desmonte promovido em áreas tão diversas quanto as políticas fiscal, social, ambiental e educacional, para citar apenas algumas, mas nem a área que tem sustentado a esquálida economia recebeu a atenção necessária dentro de uma peça que prevê despesas de R$ 4,7 trilhões. Vale lembrar que, no passado recente, esse problema foi a origem das pedaladas fiscais que deram base ao impeachment da presidente Dilma Rousseff. Como provavelmente Bolsonaro não será afastado, a despeito das inúmeras razões para isso, resta torcer para que a tempestade semeada por seu governo passe logo, antes de causar ainda mais estragos.

Folha de S. Paulo

Agropolêmica

Senado deve debater com rigor técnico itens controversos de texto para pesticida

Aprovado em regime de urgência pela Câmara dos Deputados, o projeto de mudança na legislação que rege o controle de agrotóxicos suscita não poucas controvérsias.

A proposta, que tramita no Congresso há cerca de 20 anos, encontrava-se empacada desde que o substitutivo de Luiz Nishimori (PL-PR) foi votado numa comissão especial da Câmara em 2018. Agora, recebeu ampla maioria dos votos da Casa (301, ante 150 contrários).

O aspecto mais discutível do texto concerne aos procedimentos para a chancela de pesticidas.

Atualmente, o registro depende de uma avaliação do Ministério da Agricultura, da Anvisa e do Ibama, sendo os dois últimos responsáveis pelas análises dos impactos na saúde pública e no ambiente. Em essência, o projeto reduz poderes dos órgãos técnicos, concentrando a decisão na Agricultura.

Pelo novo desenho, que visa simplificar o trâmite, a agência de vigilância sanitária e o instituto de controle ambiental ficariam responsáveis por produzir relatórios a serem entregues ao ministério.

Não vêm apenas de ambientalistas as críticas à ideia. Em 2018, diversas instituições, em particular Anvisa e Fiocruz, argumentaram que assim terminará enfraquecido o sistema regulatório.

Já os defensores da alteração consideram que a burocracia e a lentidão do processo —que fazem com que produtos importantes para as lavouras possam demorar exorbitantes oito anos para chegar ao mercado— retardam a transformação do setor agrícola num mercado competitivo, que demanda produção em larga escala.

Outro ponto a ser debatido em maior detalhe no projeto de lei diz respeito às proibições de pesticidas, que hoje abarcam produtos que podem causar malformações fetais, mutações, tumores e distúrbios hormonais.

Propõe-se que passem a ser vedados somente os agrotóxicos que apresentam um “risco inaceitável” para seres humanos ou meio ambiente —condição que o texto não esmiúça como deveria.

Assim, espera-se que o Senado, para onde o projeto retorna, possa, amparado em argumentos consistentes e estudos técnicos, fazer uma discussão serena da proposta e encontrar um ponto de equilíbrio que não transija com medidas que venham a desproteger a saúde pública e agredir o ambiente.

Não parece crível que seja do interesse do agronegócio manchar a imagem de seu processo produtivo.

Valor Econômico

Governo cria tumulto sobre corte de preço de combustíveis

Toda a agitação em torno do tema só produziu descrédito e efeitos negativos sobre a política monetária

Enquanto o governo ainda procura saber o que quer fazer com os preços dos combustíveis, com total falta de norte ou planejamento, já são quatro os projetos com este objetivo que circulam no Congresso. Se o governo de Jair Bolsonaro não estimulasse a algazarra fiscal, que jogou o dólar para cima, os reajustes dos combustíveis seriam uma fração do que foram, embora, mesmo assim, houvesse aumentos compatíveis com o salto das cotações internacionais para além dos US$ 90 o barril. Com o avanço geral dos preços das commodities, o real sempre se valorizou, aparando grande parte da alta das cotações. Não mais no governo Bolsonaro.

É ano eleitoral, o presidente quer se reeleger para continuar não governando o país, e está mal nas pesquisas, enquanto que a inflação é a mais alta desde 2015. O governo furou o teto com o aval do desprestigiado ministro da Economia, Paulo Guedes. Bolsonaro tem foco fixo nos caminhoneiros, mas, como os aumentos de energia e petróleo afetam toda a economia, o projeto eleitoreiro foi retirar os impostos federais sobre combustíveis, após conceder subsídio de 50% para o gás de cozinha para população de baixa renda.

Como o presidente pôs a culpa da alta dos preços nos tributos estaduais, era preciso encontrar uma forma de reduzi-los. A ideia foi, por meio de uma proposta de emenda constitucional, autorizar os Estados a fazê-lo de forma que os que não cortassem ICMS fossem cobertos com o manto da impopularidade – e 16 governadores tentam a reeleição.

O projeto que mais avançou foi o PLP 11, do deputado Emanuel Pinheiro Neto (PTB-MT), apoiado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira. Ele foi aprovado com rapidez pelos deputados, mas o Senado sentou em cima do projeto. No Senado tramitava o PL 1472, do senador Rogerio Carvalho (PT-SE), que cria um fundo de estabilização abastecido com imposto sobre a exportação de petróleo. Empenhado em fazer acontecer, o ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira (PP-PI), levou o deputado Christino Áureo (PP-RJ) a apresentar uma PEC autorizando Estados e União a cortarem os impostos sobre combustíveis. É o projeto mais simples em tramitação, embora não haja a menor justificativa para mexer na Constituição com este objetivo. Mas agora, o governo mudou de ideia e Nogueira disse que ao governo só interessa reduzir preços do diesel.

Depois de Christino foi a vez do senador Carlos Fávaro (PSD-MT) apresentar a PEC 1/22 – a Kamikaze. Seu custo, ao estender a redução de tributos também para a energia elétrica, dobrar subsídios ao gás, dar vale de R$ 1200 mensais a caminhoneiros, seria de mais de R$ 100 bilhões, pelos cálculos da equipe econômica. É desarrazoado e ontem o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) disse que ele ficará para “um segundo momento”, ou seja, vai merecidamente para o arquivo. Os senadores vão se debruçar então sobre uma proposta petista e o projeto da Câmara, modificado.

O PL 11, que incorporou o 16, da Câmara, é o que mais avança nos tributos estaduais. Propõe que eles sejam expressos em reais por litros e seu valor seja determinado pela média dos preços ao consumidor de 24 meses, entre junho de 2019 e dezembro de 2020, não podendo ser majorados durante o ano fiscal. Como nada sai de graça no Congresso, uma emenda aceita estabelece que enquanto não for promulgada uma lei que defina a política nacional de preço de combustíveis, a Petrobras não poderá desestatizar nenhuma unidade de produção de combustíveis ou desinvestir.

O projeto vai além e determina que para fixar a alíquota do imposto sobre gasolina, etanol e diesel, o Confaz deixe de lado a aprovação por unanimidade e que a decisão seja tomada com voto favorável de dois terços das unidades da federação.

O projeto do senador petista cria um fundo de estabilização e acaba com a paridade internacional praticada de forma pura pela Petrobras. O preço seria fixado de acordo com cotações médias do mercado internacional, custos internos de produção e custos de importação. O Executivo regularia a frequência dos reajustes e o imposto de exportação não incidiria sobre o petróleo até US$ 40 por barril. Seria de 10% com o barril de US$ 40 a US$ 60 e de 20% quando o preço estiver acima disso.

Os projetos em discussão terão dificuldades óbvias para aprovação. Além disso, Paulo Guedes, que patrocinou um calote nos precatórios, se propõe agora a fazer bons cortes no IPI. Toda a agitação em torno do tema só produziu descrédito e efeitos negativos sobre a política monetária. Um dólar bem menos desvalorizado ajustaria a questão, mas isso depende de o governo não ser o que é.

Recommended Posts

No comment yet, add your voice below!


Add a Comment