Marcus André Melo: ‘Postos Ipirangas’ em outras democracias?

Possíveis ministros da Fazenda tornam-se ativos nas campanhas eleitorais

Moro anunciou Pastore como conselheiro para assuntos econômicos; Doria entronizou Meirelles no mesmo papel. Guedes vem cumprindo o papel de posto Ipiranga de Bolsonaro. Economistas garantidores da credibilidade de governos. Existe este papel em outros países?

Mark Hallerberg (Hertie) e Joachim Wehner (LSE) investigaram a seleção de titulares de Ministérios da Fazenda e dos Bancos Centrais em 40 democracias. A base de dados contém informação sobre 427 chefes de governo, 537 ministros da Fazenda e 212 presidentes de Banco Centrais, e se estende por 50 anos.

A base revela surpresas: muitos ministros da Fazenda não são economistas. Gordon Brown, titular da pasta sob Tony Blair, era formado em história. Este padrão é mais frequente sob o parlamentarismo —sobretudo em governos de coalizão— no qual o gabinete é formado por parlamentares. Um quarto dos ocupantes da pasta possuía titulo de PhD em economia. Mas no Chile, na Polônia e no México, todos o possuíam; na Espanha, na Grécia e em Portugal, eram mais de 2/3. Quanto mais estável e rica a democracia, maior a probabilidade de não economistas e executivos financeiros no cargo.

Os chefes de governo têm preferência por generalistas a especialistas porque teriam mais jogo de cintura em relação a pressões políticas: no jargão, menor risco de “perdas de agência” na relação agente x principal. Crises financeiras subvertem esta preferência. A variável partidária é a decisiva: partidos socialistas têm déficit de credibilidade, o que cria incentivos para nomearem titulares da Fazenda com PhD em economia. A probabilidade que o façam aumenta 19% (22%, no caso de bancos centrais). Por outro lado, durante crises, a probabilidade de nomeação de alguém do mercado financeiro é 10 % menor, porque os custos políticos são maiores.

A busca de credibilidade pelos partidos de esquerda gera problemas graves de accountability democrática porque o eleitorado depara-se com inconsistências claras entre discurso antimercado e prática.

Grosso modo, a experiência brasileira é consistente com estes achados. Dilma nomeou um economista com PhD pela Universidade de Chicago para a Fazenda. Mas Lula fugiu a regra: nomeou um CEO do Bank of Boston para o Bacen em meio a uma crise —o que poucos governantes à direita ousariam fazer— e um médico para a pasta. Temer nomeou o mesmo CEO do mercado para esta pasta, o que é esperado.

Há assim padrão reativo: crises frequentes deflagram nomeações em busca de credibilidade.

A frequência de crises cria um padrão que sofre uma mutação inédita na onda populista. Com o “Posto Ipiranga” a delegação é total e abrange todas as áreas e não apenas a econômica. (Folha de S. Paulo – 13/12/2021)

Marcus André Melo, professor da Universidade Federal de Pernambuco e ex-professor visitante do MIT e da Universidade Yale (EUA)

Recommended Posts

No comment yet, add your voice below!


Add a Comment