Cidadania no Senado: Veja o resumo das atividades da bancada

A semana foi marcada pela escolha da líder do Cidadania, Eliziane Gama (MA), como a melhor senadora do ano pelo júri especializado da 13ª edição do Prêmio Congresso em Foco (Foto: Reprodução/Congresso em Foco)

Com apoio e voto da bancada do Cidadania, o Senado derrubou os vetos do presidente Jair Bolsonaro ao projeto que torna obrigatório o uso de máscaras para prevenção da Covid-19, com previsão de multa para descumpridores, e à proposta que determina medidas de proteção para comunidades indígenas durante a pandemia do novo coronavírus.

Para a líder do Cidadania na Casa, senadora Eliziane Gama, de todos os vetos do presidente, nenhum deles foi mais desumano do que dificultar o acesso de comunidades indígena e quilombolas a itens elementares e até a água potável (veja aqui).

“Hoje, estamos derrubando esses vetos, graças a Deus e graças a um grande entendimento entre os líderes”, celebrou a senadora.

Foi derrubado ainda o veto de Bolsonaro às regras para o prazo de 72 horas para autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) as importações durante a pandemia. 

Melhor senadora

A semana também foi marcada pela escolha da líder do Cidadania como a melhor senadora do ano pelo júri especializado da 13ª edição do Prêmio Congresso em Foco (veja aqui). A cerimônia de premiação virtual foi realizada na quinta-feira (20).

Eliziane Gama disse que esse prêmio é ‘desejo de todo parlamentar’ e ao discursar em agradecimento lembrou ‘que um ex-presidente da República maranhense’ disse a ela: ‘essa menina não tem estatura para ser senadora da República’.

“Ele dizia isso pela nossa história por eu ser do interior do Maranhão e ter estudado a vida inteira em escola pública e talvez esse não fosse o critério para que hoje eu estivesse aqui”, afirmou, dizendo esperar que ele estivesse ‘acompanhando’ a premiação.

“A nossa luta é na defesa dos excluídos do Brasil pelo que menos podem, pelo que menos tem e pelos que menos sabem”, completou a parlamentar dedicando o prêmio a sua família, assessoria, ao povo maranhense e a Deus.

Proteção da população indígena

A senadora maranhense defendeu durante a semana que o governo federal cumpra sua parte no plano de metas definidas pelo STF (Supremo Tribunal Federal) de proteção da população indígena do País para conter o avanço da Covid-19 entre esses povos (veja aqui). Documento do Grupo de Trabalho sob comando da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, mostra que o Executivo só protege 30% das terras indígenas que deveriam pelo plano receber a instalação de barreiras sanitárias nas aldeias.

“A grave omissão do governo federal está deixando desprotegida a população indígena brasileira, com 70% das aldeias fora do plano de enfrentamento da Covid-19. É urgente a revisão do plano para garantir os objetivos e metas definidas pelo STF para salvar e proteger vidas indígenas”, postou a senadora no Twitter.

Desoneração da folha

Eliziane Gama usou a rede social, na terça-feira (18), para defender a derrubada do veto do presidente Bolsonaro ao projeto de redução de impostos sobre a folha de pagamento dos setores que mais contratam trabalhadores no País (veja aqui).

“A derrubada do veto da desoneração da folha é fundamental para viabilizar a retomada da atividade econômica nesse momento em que o desemprego bate recorde. São 17 setores beneficiados. Retirar a desoneração é fechar empresas e destruir qualquer possibilidade de recuperação econômica”, postou no Twitter.

O veto seria votado na quarta-feira (19) pelos parlamentares, mas a apreciação foi adiada pelos líderes partidários para setembro.

Prioridade para ciência e tecnologia

O ex-presidente da Finep (Financiadora de Estudos e Projetos), Glauco Arbix, disse que apesar de a ciência brasileira ser de ‘padrão mundial’ e o Brasil ocupar o segundo lugar como ‘maior produtor de artigos na área de ciências da vida, de agricultura, de ciências da terra’, falta ao País ‘respeitar a prioridade’.

“É preciso que ciência, tecnologia e inovação sejam prioridades efetivas de governo. Nem sempre, muitas vezes os governos falam, mas não atuam de modo correspondente. Então, esse é o primeiro ponto: tem que respeitar a prioridade, porque a prioridade é que vai dizer onde coloco os poucos recursos que temos, porque dificuldade todo mundo tem”, disse Arbix, ao responder questionamento da senadora Elizane Gama sobre qual o maior desafio da pesquisa de ciência e tecnologia no Brasil quanto orçamento da União, na reunião remota da comissão mista da Covid-19, na segunda-feira (17).

A parlamentar do Cidadania do Maranhão criticou durante a videoconferência o congelamento de recursos por parte do governo federal para a ciência e tecnologia, defendeu a aprovação do projeto (PLP 135/2020) que transforma o FNDCT (Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) em fundo financeiro e também cobrou que o Executivo deve demonstrar que considera o setor estratégico (veja aqui). 

Renda básica para 1ª infância

O Senado analisará projeto de lei que estabelece uma renda mensal de R$ 800 para famílias vulneráveis com crianças de até seis anos de idade. O texto foi apresentado pela senadora Eliziane Gama e também contém medidas de tributação sobre a elite econômica do País para custear o programa (veja aqui).

PLP 213/2020 estabelece que o valor será pago integralmente nos três primeiros anos de vida da criança e com reduções progressivas de R$ 100 nos anos subsequentes, até a criança completar sete anos. Cada família poderá receber até três cotas do benefício. Caso a família ultrapasse o limite de renda mensal per capita, a renda será mantida por dois anos, com o valor reduzido à metade do primeiro ano e a 25% no segundo.

Live da IstoÉ

Em live com o diretor de redação da revista IstoÉ, Germano Oliveira, na sexta-feira (14), a senadora Eliziane Gama falou sobre a pandemia e todas as crises resultantes da Covid-19, como a econômica, a sanitária e a política que surgiram em torno do tema. Para ela, o maior problema que o País atravessa e ainda sem solução é a desigualdade social, que ganhou visibilidade com a chegada do novo coronavírus ao Brasil (veja aqui).

“A pandemia escancarou a desigualdade entre classes, o rico ficou mais rico e o pobre ficou mais pobre. Precisa-se de entendimento do governo e vontade política do presidente para reequilibrar esse fosso social”, avaliou a parlamentar.

‘Reeleição inconstitucional’

Alessandro Vieira: ‘Brasil é um País onde o óbvio é reinterpretado conforme a conveniência’ (Foto: Leopoldo Silva)

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) disse ao jornal ‘Folha de S. Paulo‘ que a reeleição para a presidência do Senado na mesma legislativa é inconstitucional, ao comentar a estratégia do atual presidente da Casa, Davi Alcolombre (DEM-AP). Segundo o jornal, Alcolumbre quer ‘usar a mesma tese apresentada pelo ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso (PSDB) para emplacar a reeleição em 1997 em cargos do Executivo para tentar ficar mais dois anos no comando’ do Senado (veja aqui).

“A reeleição para a presidência da Casa na mesma legislatura é obviamente inconstitucional, mas o Brasil é um País onde o óbvio é reinterpretado conforme a conveniência”, disse o senador do Cidadania de Sergipe.

Reformulação de programas

Os gastos direcionados à pandemia do coronavírus bem como a diminuição na arrecadação de tributos elevaram a previsão de deficit nas contas públicas em 607%, para R$ 877,8 bilhões este ano, pelas contas da IFI (Instituição Fiscal Independente). Essa conta pode aumentar no caso da prorrogação de algumas medidas, como o auxílio emergencial de R$ 600.

Diante desse quadro, o senador Alessandro Vieira defendeu, em entrevista à Rádio Senado (ouça aqui), a reformulação de programas que transferem renda pelo redirecionamento de verbas de outras fontes.

Deltan Dallagnol

Alessandro Vieira comentou em seu perfil no Twitter a decisão do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Celso de Mello, determinando a imediata suspensão dos procedimentos instaurados no CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) contra o procurador da República, Deltan Dallagnol, a pedido de dois senadores. As ações pediam que Dallagnol fosse afastado do cargo pela sua atuação na Operação Lava Jato.

“Celso de Mello concedeu tutela de urgência em favor do Procurador da República Deltan Dallagnol, determinando a imediata suspensão dos procedimentos instaurados no CNMP a pedido dos senadores Kátia Abreu [PP-TO] e Renan Calheiros [MDB-AL]. Vamos seguir resistindo, o Brasil precisa da Lavajato!”, escreveu o parlamentar na rede social

Influência nas redes sociais

Jorge Kajuru segue como terceiro senador mais influente nas redes sociais, mostra pesquisa (Foto: Waldemir Barreto)

Jorge Kajuru (Cidadania-GO) segue na terceira colocação de senadores mais influentes nas redes sociais, de acordo com levantamento divulgado nesta semana pela FSBinfluência Congresso (veja aqui). A pesquisa apurou o índice de performance dos senadores nas redes sociais de 11 a 17 de agosto.

O senador Alessandro Vieira está em 14º, também cinco colocações à frente em relação ao levantamento anterior.

Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e Humberto Costa (PT-PE) ocupam a primeira e segunda posições do ranking, respectivamente.

A pesquisa da FSBinfluência Congresso é calculada ‘levando-se em consideração o número de seguidores, o alcance, os posts, a eficiência, as interações e o engajamento registrados no Facebook, no Instagram e no Twitter durante o período de análise. Além da posição no ranking, o índice compara a “performance do parlamentar em relação ao seu próprio histórico pessoal nas redes’.

Plenário virutal

Veja abaixo a proposta aprovada pelo Senado na semana:

TERÇA-FEIRA – 18/08

Recursos de precatórios: aprovada nova fonte de recursos para ações contra a covid-19 (PL 1.581/2020). O projeto regula acordos com credores de precatórios e permite que os descontos obtidos sejam usados no combate ao coronavírus. O projeto vai a sanção.

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário