João Azevêdo ingressa no Cidadania sem imposição, diz Roberto Freire

Roberto Freire (à esq.), Ronaldo Guerra, presidente do Cidadania-PB, e o governador da Paraíba, João Azevedo (Foto: Reprodução)

O presidente do Cidadania, Roberto Freire, disse que o governador da Paraíba, João Azevêdo, está se filiando ao partido sem nenhuma imposição e reafirmando compromisso com os princípios defendidos pela legenda. Azevêdo anunciou o ingresso no Cidadania nesta sexta-feira (31).

“[A filiação] foi algo que foi construído pelos nossos companheiros do Cidadania da Paraíba e vejo com satisfação porque o governador está entrando no partido sem nenhuma imposição, com espírito aberto e democrático e, o mais importante, compreendendo o papel do processo de renovação do Cidadania nesta nova etapa”, disse Freire.

Segundo ele, Azevêdo reafirmou compromisso, em nota pública (veja aqui) que confirma a filiação ao partido, com os princípios adotados quando o PPS (Partido Popular Socialista) mudou para ser o Cidadania.

“Ele ressalta os princípios [do partido] e inclusive salienta alguns deles como de fundamental importância para a sua própria biografia do ponto de vista de uma sociedade mais justa e igualitária. É alguém que vem se somar nesse processo de renovação do Cidadania”, disse Freire

O presidente do partido considerou importante o fato de o governador se mostrar aberto para os movimentos cívicos e sociais.

“[Esses movimentos] são instrumentos, sem nenhuma dúvida, de fundamental importância para quem quer efetivamente renovar a política brasileira”, afirmou Freire.

Cidadania lança vídeo reforçando o compromisso do partido com a democracia e a renovação

“Em 2020, vamos unir experiência com renovação para mudar o Brasil”. Esse é o compromisso do Cidadania com os brasileiros no vídeo institucional (veja abaixo) lançado pelo partido nesta sexta-feira (31).

Além de reforçar a defesa da democracia, a campanha para dar visibilidade às ações do Cidadania mostra que o partido vai atuar para colocar o “Brasil em outro patamar“, com emprego, inovação e eficiência, unindo experiência e renovação com a participação de todos.

“O Cidadania inova na política, unindo o campo democrático. Com eficiência e afeto, vamos juntar experiência e renovação. A gente sabe que, para já, a mudança se chama emprego. E só com sua participação o Brasil vai pra outro patamar”, diz trecho do vídeo.

IBGE: Taxa de desemprego fica em 11% no 4º trimestre de 2019

A média anual de desocupados no País ficou em 12,6 milhões, recuo de 1,7% em relação a 2018 (Foto: Reprodução)

A taxa de desemprego no Brasil foi de 11% no quarto trimestre de 2019, de acordo com a Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua), divulgada nesta sexta-feira pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A população desocupada (11,6 milhões) caiu 7,1% (menos 883 mil pessoas) em relação ao trimestre anterior e recuou 4,3% (menos 520 mil pessoas) em relação a igual trimestre de 2018. A média anual de desocupados ficou em 12,6 milhões e recuou 1,7% (menos 215 mil pessoas) em relação a 2018.

A população ocupada (94,6 milhões) cresceu 0,8% em relação ao trimestre anterior (mais 751 mil pessoas). Contra o mesmo trimestre de 2018, houve alta de 2,0% (mais 1,8 milhão de pessoas). Na média anual, a população ocupada chegou a 93,4 milhões e ficou 2,0% acima (mais 1,8 milhão de pessoas) da média de 2018.

Subutilização

No trimestre outubro-dezembro de 2019, havia 26,2 milhões de pessoas subutilizadas no Brasil. Este contingente recuou 4,7% (menos 1,3 milhão de pessoas) frente ao trimestre de julho a setembro de 2019. Em relação ao mesmo trimestre móvel de 2018, houve queda de 2,5% nesse contingente (ou menos 670 mil pessoas subutilizadas).

Na média anual, esse contingente chegou a 27,6 milhões, com alta de 1,2% (ou mais 338 mil pessoas subutilizadas) em relação a 2018.

A taxa composta de subutilização da força de trabalho foi de 23,0% no trimestre móvel outubro-dezembro de 2019, com queda de 1,1 p.p. em relação ao trimestre móvel anterior. Em relação ao mesmo trimestre móvel de 2018, houve queda de 0,8 p.p. A taxa média anual de subutilização ficou em 24,2%, pouco menor que a de 2018 (24,3%).

Carteira assinada

O número de empregados com carteira de trabalho assinada (33,7 milhões) cresceu 1,8% (mais 593 mil pessoas) frente ao trimestre anterior (julho-setembro) e subiu 2,2% (mais 726 mil pessoas) em relação ao mesmo trimestre de 2018. A média anual chegou a 33,2 milhões, com alta de 1,1% (mais 356 mil pessoas) em relação a 2018.

O número de empregados sem carteira assinada (11,9 milhões de pessoas) ficou estável em relação ao trimestre anterior e subiu 3,2% (mais 367 mil pessoas) contra o mesmo trimestre de 2018. A média anual (11,6 milhões) subiu 4,0% (mais 446 mil pessoas) em relação a 2018.

A categoria dos trabalhadores por conta própria (24,6 milhões de pessoas) ficou estável na comparação com o trimestre julho-setembro e cresceu 3,3% (mais 782 mil pessoas) em relação ao mesmo período de 2018. A média anual chegou a 24,2 milhões e cresceu 4,1% (mais 958 mil pessoas) em relação a 2018.

Renda média

O rendimento médio real habitual (R$ 2.340) no trimestre outubro-novembro-dezembro ficou estável em ambas as comparações. A média anual ficou em R$ 2.330, com pequena variação (+0,4%) em relação a 2018.

A massa de rendimento real habitual (R$ 216,3 bilhões) cresceu 1,9% em relação ao trimestre julho-setembro. Frente ao mesmo trimestre de 2018, houve alta de 2,5%.

A média anual (R$ 212,4 bilhões) subiu 2,5% em relação a 2018. O material de apoio desta divulgação está à direita. (Com informações do IBGE)

Previdência: Rombo bate recorde e chega a R$ 318 bilhões em 2019

Valor também abrange INSS. Déficit do regime dos funcionários públicos sobe 14%, ritmo maior que a alta dos 3 sistemas juntos (Foto: Reprodução)

Rombo da Previdência, que inclui militares e servidores federais, bate recorde e chega a R$ 318 bi em 2019

Marcello Corrêa – O Globo

Os regimes de Previdência do país fecharam 2019 com um rombo total de R$ 318,4 bilhões, alta de 10% em relação ao ano anterior, quando o déficit havia ficado em R$ 289,4 bilhões. O montante corresponde à soma dos resultados registrados nos sistemas de aposentadorias de trabalhadores do setor privado, servidores públicos e militares. O número é o maior da série histórica.

Os dados consolidados foram divulgados nesta quinta-feira pelo Tesouro Nacional. Na véspera, a pasta já havia informado que o déficit da Previdência do INSS, que paga os benefícios do setor privado, havia ficado em R$ 213,9 bilhões. A esse valor, foram somados os rombos registrados nos demais regimes.

Depois do INSS, o pior resultado foi o dos regimes dos servidores públicos da União. Em 2019, o déficit foi de R$ 53,090 bilhões, alta de 14,3% em relação ao do ano anterior (R$ 46,5 bilhões).

O ritmo de crescimento é maior que o dos três regimes de Previdência somados.

O terceiro maior impacto foi o do regime dos militares, onde o rombo chegou a R$ 47 bilhões, avanço de 7,2% frente ao ano anterior.

A conta inclui ainda o rombo do Fundo Constitucional do Distrito Federal (FCDF), responsável por bancar os salários (inclusive dos inativos) dos militares do Distrito Federal. No ano passado, a diferença entre receitas e despesas ficou em R$ 5 bilhões, 5,5% superior à registrada em 2018.

Aprovada no ano passado, a reforma da Previdência deve começar a ter impacto nas contas públicas neste ano. A estimativa é que a economia nos próximos dez anos seja de pouco mais de R$ 850 bilhões.

Esse efeito, no entanto, não diminuirá os gastos com aposentadorias e pensões no país — apenas fará com que a bola de neve cresça de forma mais lentamente. A aprovação da medida é considerada importante para garantir a sustentabilidade das finanças públicas no longo prazo.

A principal medida para conter o crescimento dos gastos do INSS foi a criação de uma idade mínima de aposentadoria, que agora é de 65 anos para homens e de 62 anos para mulheres. Para quem já estava na ativa antes da entrada em vigor das novas regras, há regras de transição.

A mudança acabou com a aposentadoria apenas por tempo de serviço, que permitia com que trabalhadores requeressem o benefício apenas com base nos anos de trabalho com carteira assinada.

Os dados divulgados nesta quinta não incluem os resultados nos estados. Na reforma aprovada do ano passado, as unidades da federação acabaram ficando fora das mudanças aprovadas no Congresso. No entanto, governos locais já se movimentam para aprovar nas suas próprias assembleias legislativas mudanças no acesso à aposentadoria.

Também no ano passado, o Congresso aprovou e o presidente Jair Bolsonaro sancionou uma reforma da Previdência para os militares. Tecnicamente, o regime dos militares não é um sistema previdenciário, esclarece o Tesouro.

Os integrantes das Forças Armadas contribuem apenas para bancar pensões de seus dependentes. A remuneração de quem vai para a reserva e para a reforma, no entanto, é uma despesa da União.

A principal mudança é o aumento do tempo de serviço de 30 para 35 anos. A alíquota de contribuição aumenta gradualmente, de 7,5% para 10,5% em 2021. Pensionistas passaram a ter que contribuir.

A reforma aprovada para os militares foi considerada mais brandas que a aprovada para os servidores públicos civis, cuja Previdência registrou déficit de R$ 53 bilhões no ano passado. Os militares não terão idade mínima para sair da ativa e terão pedágio de 17% sobre o tempo que falta para ir para a reserva, pelas regras anteriores.

Fonte: https://oglobo.globo.com/economia/rombo-da-previdencia-que-inclui-militares-servidores-federais-bate-recorde-chega-r-318-bi-em-2019-24219152

Hector Martins é lançado por Roberto Freire pré-candidato à Prefeitura de Arapiraca (AL)

Advogado recém filiado ao partido demonstrou que está se preparando para representar o partido nas eleições municipais de outubro (Foto: )

Presidente nacional do Cidadania lança Hector Martins como pré-candidato a prefeito de Arapiraca

A filiação do ex-presidente da OAB/Arapiraca ao Cidadania 23 foi sobrescrita pelo ex-ministro Roberto Freire

Após praticamente um ano de especulações, Hector Martins despiu o terno da advocacia e vestiu a camisa de possível candidato às eleições municipais. A filiação do ex-presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil/Arapiraca ao Cidadania23 foi sobrescrita pelo ex-ministro Roberto Freire, presidente nacional do partido, e pelos presidentes dos diretórios estadual e municipal, Régis Cavalcante e Pedro Pires, respectivamente, em uma cerimônia festiva na noite de quinta-feira (30) no auditório do Sesi.

Martins demonstrou que está se preparando para representar o partido nas eleições municipais e afirmou, durante seu discurso, que manteve conversas com prefeitos do Cidadania do Sudeste e Sul em busca de inovações que podem solucionar problemas de Arapiraca e que devem fazer parte do projeto político de sua candidatura.

Hector Martins aponta soluções inovadoras para Arapiraca (Foto: Cidadania-AL)

“Em conversa recente com o prefeito de Vitória do Espírito Santo mudei por completo a minha visão de gestão pública. Lá, um simples aplicativo revolucionou a Saúde, eliminando as filas do SUS [Sistema Único de Saúde]. Se um morador de Vitória precisa fazer uma consulta ou um exame, pode marcar com a ajuda de um telefone. Se a pessoa não tem telefone, certamente o filho ou um vizinho tem e ele consegue marcar. Imagina se isso fosse colocado à disposição de Arapiraca e de outros lugares”, afirmou o pré-candidato, apontando ainda soluções inovadoras que podem ser aplicadas na segurança pública e Educação, que são aplicadas com sucesso em municípios administrados por prefeitos do Cidadania.

Para o presidente nacional do partido, Roberto Freire, que além de ministro da Cultura no governo Temer também foi deputado federal e senador por Pernambuco, Hector Martins representa o novo perfil político buscado pelo Cidadania.

Freire: Partido terá maior número de candidatos jovens nas próxima eleição (Foto: Cidadania-AL)

“O partido está experimentando agora algo que não tínhamos nas eleições de 2016, que é um número maior de candidatos com algumas características mais interessantes, mais jovens. E esse processo tem muito a ver com a renovação que a sociedade está pedindo neste momento político. Nesse contexto, o Cidadania se coloca como uma alternativa democrática e Hector, em Arapiraca, é uma representação disso. Estou muito satisfeito de estar aqui em Alagoas, experimentando essa renovação. Cidadania é futuro”, afirmou.

De acordo com Régis Cavalcante, que preside o diretório estadual da legenda, Arapiraca, assim como Alagoas, vem sendo administrada por grupos políticos dominantes que se alternam no poder.

Régis Cavalcante: O Cidadania defende a alternância de poder (Foto: Cidadania-AL)

“A possibilidade de ter alternativas na política acrescenta e aumenta o aprofundamento da democracia, que é, entre outras coisas, a convivência entre os contrários. O Cidadania defende a alternância de poder e Hector tem hoje uma enorme missão, que é fazer de Arapiraca uma cidade mais feliz, mais agradável, que tenha importância para o Estado e para o Brasil. Hector representa esse sangue novo na política, que realmente quer e tem as condições para fazer as transformações que o município precisa”, declarou. (Site Sete Segundos)

Roberto Freire participa em Arapiraca (AL) do ato de filiação de Hector Martins ao partido

Roberto Freire (à esquerda) e Hector Martins, em Brasília (Foto: Reprodução)

O presidente do Cidadania, Roberto Freire, participar nesta quinta-feira (30) do ato de filiação do ex-presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de Arapiraca (AL), Hector Martins, ao partido.

No encontro que vai reunir lideranças do Cidadania no estado, como presidente do partido em Alagoas, Régis Cavalcante, Hector deve ser confirmado como pré-candidato à Prefeitura da cidade nas eleições municipais de outubro.

O ato de filiação será realizado às 19h, no auditório da Unidade Sesi/Senai (Rua Eng. Camilo Collier, 520 – Primavera).