Eliseu e a luta contra a homofobia

Desde a primeira vez que botei o bago dos meus “óio” no Eliseu Neto, eu vi: Não era uma pessoa comum.

Desistir não fazia parte de seu vocabulário. Eu fico até emocionado em lembrar da batalha que travamos no STF contra a homofobia. Eu tinha acabado de descobrir que meu filho era gay. E eu, machista, tinha dificuldade em aceitar.

Eliseu me ajudou a não só entender a escolha de meu filho, mas a entender que homofobia era crime e precisava ser comparada ao racismo.

E assim fizemos. Mobilizamos a imprensa, o Judiciário, o Executivo e o Legislativo.

Eliseu não foi embora! Ele tinha os três poderes: de amar, de perdoar e de viver intensamente.

E venceu!

Artigo de Diógenes Botelho

Leia também

Equilíbrio fiscal: um desafio global

A IFI - Instituição Fiscal Independente brasileira participou do...

Universidade não é fábrica

A greve pode ser legítima, mas não é compatível...

O supremacismo branco disfarçado na política

Uma das causas é a dificuldade dos candidatos negros de acessarem recursos para suas campanhas eleitorais e, consequentemente, se elegerem.

Toffoli embanana julgamento do porte de maconha

Presidente do Supremo, Barroso fez questão de esclarecer que o STF considera, “tal como a legislação em vigor”, que o porte e consumo pessoal de drogas são atos ilícitos.

A profissão do brasileiro é mesmo a esperança

Na pesquisa sobre governo Lula, 40% dos entrevistados acreditam que a situação econômica do país vai melhorar, ante 28% que preveem piora.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!