Caso Daniel Alves e o Protocolo Não é Não: avanços e desafios no combate ao assédio e violência sexual no Brasil

Brasil bate recordes de violência sexual em 2023 (de novo!) enquanto o Protocolo Não é Não promete ser mais uma ferramenta de combate a esse tipo de violência. Mas, quais os avanços e desafios que ele representa?

Já diria Jorge Ben Jor: em fevereiro, tem Carnaval. E junto com as festas e a folia vêm a preocupação com aumento dos casos de assédio e violência sexual, os quais novamente bateram recordes no Brasil em 2023: foram 74.930 casos notificados apenas no ano passado, mais de 8% (oito por cento) em relação a 2021 (FSP, 2023).

Nos bloquinhos, não é raro que as fantasias ousadas ou provocativas sejam usadas como desculpas ou justificativas para o assédio. O próprio Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, à época, emitiu relatório em 2019 informando que há um aumento de 20% nos casos de violência sexual durante o Carnaval (MDH, 2019).

E apesar das campanhas contra o assédio, todo ano o mesmo cenário se repete…

Porém, temos uma luz no fim do túnel! Ao apagar das luzes de 2023, uma grata surpresa: Congresso Nacional aprova Lei nº 14.786/2023 que cria o Protocolo Não é Não, que visa justamente o combate ao assédio e à violência sexual em bares, restaurantes, casas noturnas e em eventos com venda de bebida alcóolica.

Mas, e o que o caso de Daniel Alves tem a ver com tudo isso?

Absolutamente TUDO! O jogador foi condenado por ter estuprado uma jovem numa casa noturna em Barcelona dia 30/12/2022, sendo que o protocolo catalão destinado a proteger às vítimas e assegurar as provas foram fundamentais para a resolução do caso e busca por justiça.

Esse case de sucesso, inspirou diretamente a criação do Protocolo Não é Não no Brasil, oferecendo um passo a passo um pouco mais concreto para que os estabelecimentos comerciais possam dar o primeiro amparo à vítima e acautelar as provas necessárias ao posterior inquérito policial.

Esse protocolo estabelece direitos às mulheres vítimas e um rol de deveres dos estabelecimentos destinados a protegê-la. O foco não é o agressor, tampouco a coleta de provas, mas assegurar um atendimento humanizado à vítima e entender o que ela deseja. Tanto é que os princípios que regem o Protocolo são: respeito ao relato da vítima, preservação de sua dignidade, honra, intimidade e integridade (física e psicológica), celeridade, e esforços comuns do poder público e privado no enfrentamento da violência.

Trata-se, portanto, de um avanço importante na garantia dos direitos e da dignidade sexual das mulheres, especialmente jovens, as quais são, em sua esmagadora maioria, vítimas desses crimes, por três principais aspectos: (i) responsabiliza os estabelecimentos comerciais no enfrentamento às violências; (ii) dá concretude a uma norma abstrata e (iii) o foco é no atendimento à vítima, e não na persecução criminal.

Avanços e desafios na implementação do Protocolo Não é Não!

Primeiramente, o Protocolo inova – e avança – ao incluir o setor privado, especialmente os que atuam no mercado de entretenimento e lazer, como atores importantes no enfrentamento à violência sexual. Isso porque é no interior de muitos estabelecimentos comerciais em que o assédio, a importunação sexual, o estupro, entre outros constrangimentos e violoências, acontecem, ficando a vítima refém da atuação ou negligência do lugar.

Casos como de Mari Ferrer são representativos ao exporem o problema crônico no Brasil sobre a ineficiência dos ambientes privados em acolherem as vítimas e como isso isso reflete negativamente em suas vidas privadas e especialmente em eventual processo criminal. Assim, trazer os estabelecimentos comerciais para o debate e como garantidores é um passo importante para combater essa lacuna no país.

Outro avanço significativo é o fato de o Protocolo efetivamente trazer um passo a passo de como proteger e amparar as vítimas. Apesar de ainda ter lacunas a serem preenchidas por regulamentações posteriores, é certo que desenha um caminho muito mais palpável ao dono, à dona, ou gerente dos estabelecimentos que tiverem que implementar a norma. Isso traz segurança jurídica e maior efetividade na garantia dos direitos da vítima.

Por fim, o terceiro aspecto relevante é que o foco do Protocolo é o atendimento à vítima, e não a persecução criminal, ou seja, a busca pelo agressor e coleta de provas. Evidente que o procedimento de acautelar provas existe e é importante, inclusive foi um dos aspectos mais relevantes no Protocolo de Barcelona, No Callem, que tornou o processo contra Daniel Alves extremamente robusto e que resultará possivelmente numa condenação.

Porém, o princípio norteador é respeitar a vontade da vítima. A prioridade é ela. Essa é uma mudança de paradigma muito significativa, pois saímos de uma lógica meramente punitivista, para uma lógica que escuta a vítima. Por muitos anos, a lógica do direito penal sempre foi focada no criminoso e na conduta delituosa. A vítima ficava em segundo plano, sequer participando da ação penal, que era – e ainda é – de responsabilidade do Estado. O que o Protocolo faz na prática – avança e inova – é primeiro atender a vítima e entender o que ela quer fazer.

Isso é importante em crimes sexuais na medida em que nem sempre o processo criminal é a melhor opção para vítima, considerando tratar-se de um processo violento em que há revitimização. A vítima pode preferir tão somente ser atendida, escutada, retirada do ambiente e requerer apoio psicológico e nada mais, pois passar por todo o inquérito policial e ainda o processo penal pode significar reviver o momento pelo qual está lutando para esquecer e superar. Essa escolha cabe tão somente à vítima. O Protocolo acerta ao respeitar isso.

No entanto, apesar dos avanços, é necessário reconhecer que há muitos desafios. O principal deles é a implementação do Protocolo nos bares, casas noturnas, restaurantes, eventos esportivos e shows com venda de bebidas alcóolicas. Isso porque os estabelecimentos deverão treinar os seus funcionários para realizar o atendimento às vítimas e, inclusive, realizar alterações estruturais nos seus espaços, o que por si só já será um grande obstáculo.
Nesse ponto, o governo de cada estado e município, até mesmo em parceria com as associações e sistema S, deverão auxiliar e orientar esses estabelecimentos e os organizadores de eventos acerca do protocolo e como realizar os treinamentos com urgência, visto que o prazo para implementação é de 180 dias.

Outro desafio é o esforço comum entre poder público e privado no atendimento à vítima. Infelizmente, o Brasil ainda nutri uma cultura machista em que a culpa pela violência sofrida sempre é da vítima, seja pela sua personalidade, seu modo de agir ou de se vestir. Essa cultura do estupro, que está sempre desqualificando o relato da vítima e objetificando o corpo da mulher, permeia os próprios agentes do Poder Público – e dos setores privados – que atenderão essas mulheres vítimas de violência sexual, seja quando a polícia ao colher o depoimento e prestar o atendimento no local faz uma abordagem misógina, deslegitimadora e objetificadora da vítima, seja no hospital ao realizarem o exame de corpo de delito de forma violenta ou que não respeite a privacidade mulher, e até mesmo no estabelecimento comercial ao realizarem uma abordagem que não respeita o relato da vítima, diminui ou deslegitima a violência por ela sofrida.

A questão é: ao implementar o Protocolo Não é Não, tanto o Poder Público, em todas as suas esferas e braços, tanto o setor privado, precisa enfrentar a lógica da cultura do estupro e implementar o novo paradigma ao qual o Protocolo visa tanto garantir, qual seja, espaço seguros e igualitários às mulheres.

Portanto, o caso Daniel Alves influenciou diretamente a criação do Protocolo Não é Não, o qual representa um momento crucial de reflexão e ação no Brasil em relação ao combate à violência sexual. Avançamos significativamente, mas é certo que há muito trabalho a ser feito para criar uma sociedade verdadeiramente igualitária e livre de violência de gênero. Uma sociedade em que fantasia de Carnaval é apenas isso: expressão cultural e alegria; não um convite ao assédio.

Leia também

Lula manda Casa Civil se entender com Lira

NAS ENTRELINHASMas o governo se dispõe a manter apenas...

Lula não tem empatia com o centro conservador

NAS ENTRELINHASExiste um problema de desempenho nos ministérios, mas...

A luz do poeta Joaquim Cardozo na arquitetura de Brasília

NAS ENTRELINHASMuitos arquitetos e engenheiros vieram para Brasília com...

Lira teme efeito Orloff ao deixar comando da Câmara

NAS ENTRELINHASO presidente da Câmara se tornou uma espécie...

Lula deve pôr as barbas de molho com o cenário mundial

NAS ENTRELINHASDa mesma forma como o isolamento internacional se...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!