Ato pró-Bolsonaro mostra sua resiliência política

NAS ENTRELINHAS

Bolsonaro foi cauteloso, num ano de eleições municipais, para não se isolar politicamente. Muito mais do que por temor a uma eventual prisão, que agora o transformaria em vítima

Há controvérsias sobre o número de participantes do ato em apoio ao ex-presidente Jair Bolsonaro, domingo, na Avenida Paulista. O Palácio dos Bandeirantes, por meio da Secretaria de Segurança Pública, inflacionou os números para 600 mil pessoas, chegando a 750 mil se incluídas as ruas adjacentes. Imagens da multidão de apoiadores são usadas nas redes sociais de Bolsonaro para corroborar essa avaliação. O Monitor do Debate Político Digital da USP, grupo de pesquisa que o cientista político Pablo Ortellado coordena, também utilizando imagens e inteligência artificial para identificar as cabeças dos participantes, apontou a presença de 185 mil. Mesmo assim, é muita gente.

Essa é diferença é importante para avaliar o grau de mobilização dos bolsonaristas que vestem amarelo, mas o problema para o governo Lula são os que não se vestem de “patriotas” nem estavam lá, mas apoiam Bolsonaro e também avaliam que o fato de estar sendo investigado em razão do 8 de janeiro de 2023 é uma perseguição política. O objetivo do ato claramente foi demonstrar apoio ao ex-presidente, que, na semana passada, prestou depoimento à Polícia Federal (PF) e permaneceu calado, como os generais Walter Braga Netto e Augusto Heleno, ex-ministros do seu estado-maior na Presidência.

Pesquisa divulgada em 7 de janeiro último, pelo instituto Genial-Quaest, mostrou que um ano depois da invasão do Palácios do Planalto, do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF), 89% da população desaprovaram os atos de 8 de janeiro. Em fevereiro do ano passado, eram 94%.

Segundo aquela pesquisa, 47% dos entrevistados acreditam que Bolsonaro teve algum tipo de influência no 8 de janeiro, porém 43% discordam, e outros 10% não souberam ou não responderam à pergunta. Mais: 51% dos entrevistados acreditam que os participantes da invasão não representam os eleitores de Bolsonaro, e 37% pensam o contrário. Outros 13% não souberam ou não responderam.

Esses números merecem reflexão. Avançam as investigações da PF, é robusta a suspeita de que havia, de fato, um golpe de Estado em marcha, envolvendo militares ligados a Bolsonaro e outros aliados mais próximos. Entretanto, nas redes sociais, esses fatos são interpretados de maneira diversa e alimentam a polarização entre petistas e bolsonaristas, como aconteceu no próprio dia da manifestação.

A propósito, o jornalista e pesquisador Sérgio Denicoli, da AP Exata e Universidade do Minho (Portugal), no mesmo dia registrou que 58% das manifestações nas redes eram favoráveis ao evento, enquanto 42% eram negativas. Entretanto, o ato gerou apenas 2,4% das menções nas redes — ou seja, a maioria da sociedade não estava preocupada com o assunto.

Espólio em disputa

É importante identificar, no ato de domingo, o que pode ter de permanente, as linhas de força capazes de moldar o futuro. A primeira delas tem a ver com o inquérito que investiga a tentativa de golpe de 8 de janeiro, conduzido pelo ministro do STF Alexandre de Moraes — que os golpistas pretendiam prender naquela ocasião. Durante o governo Bolsonaro, o Supremo não se deixou intimidar, agora muito menos. Ou seja, o inquérito avançará “doa a quem doer”, inclusive quanto a Bolsonaro.

Inelegível, o ex-presidente foi cauteloso, num ano de eleições municipais, para não se isolar politicamente. Muito mais do que por temor a uma eventual prisão, que agora o transformaria em vítima de uma suposta arbitrariedade. Os vitupérios contra o Supremo ficaram por conta do pastor Silas Malafaia, que convocou o ato e mobilizou grande número de evangélicos.

“O sangue de Cleriston está na mão de Alexandre de Moraes, e ele vai dar conta a Deus”, disse, em referência a um dos presos pelos ataques golpistas de 2023, Cleriston Pereira da Cunha, que morreu infartado na Papuda. A ex-primeira-dama Michele Bolsonaro, ao discursar, foi além: defendeu o “fim do estado laico”, uma característica do regime republicano.

Processos judiciais são como um trem na ferrovia: precisam chegar ao fim da linha, respeitado o devido processo legal e a presunção de inocência. Bolsonaro só pode ser preso se condenado e transitado em julgado, o que ainda está longe de acontecer.

Mas uma escalada verbal contra o Supremo afastaria os políticos que compareceram ao ato — entre os quais os governadores de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos); de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo); de Goiás, Ronaldo Caiado (União); e de Santa Catarina, Jorginho Mello (PL).

Nove governadores que apoiaram Bolsonaro não compareceram: Cláudio Castro (RJ), Ratinho Jr. (PR), Mauro Mendes (MT), Wanderley Barbosa (TO), Gladson Camelli (AC), Antonio Denarium (RR), Ibaneis Rocha (DF), Wilson Lima (AM), Marcos Rocha (RO) e Eduardo Riedel (MS).

Tarcísio, Zema e Caiado têm uma motivação especial para colar em Bolsonaro, que deve orientar o comportamento de ambos daqui pra frente: os três têm ambição de ser o candidato à Presidência com seu apoio. Mas, se prestarmos atenção ao ato, Michele e Malafaia disputam a representação dos bolsonaristas e são potenciais candidatos à Presidência. (Correio Braziliense – 27/02/2024)

Leia também

Lula não tem empatia com o centro conservador

NAS ENTRELINHASExiste um problema de desempenho nos ministérios, mas...

A luz do poeta Joaquim Cardozo na arquitetura de Brasília

NAS ENTRELINHASMuitos arquitetos e engenheiros vieram para Brasília com...

Lira teme efeito Orloff ao deixar comando da Câmara

NAS ENTRELINHASO presidente da Câmara se tornou uma espécie...

Lula deve pôr as barbas de molho com o cenário mundial

NAS ENTRELINHASDa mesma forma como o isolamento internacional se...

Pauta conservadora avança no Congresso

NAS ENTRELINHASPano de fundo é a sucessão dos presidentes...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!