Rubens Bueno: Meio Ambiente pede menos burocracia e mais atenção

Esperamos que Lula regulamente e execute Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais e a compensação ambiental seja uma realidade em todo o Brasil

O presidente da república, Luiz Inácio Lula da Silva anunciou que Belém (PA), será a sede da 30ª Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP-30), em novembro de 2025, com o objetivo de que o mundo conheça o que é a Amazônia, seus rios, florestas e fauna. Porém, o meio ambiente do nosso Brasil é muito maior e a sua preservação deveria ser prioridade, mas não é bem a realidade que temos.

Projetos como a da Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais (PNPSA), de minha autoria e do ex-deputado federal Arnaldo Jordy (Cidadania-PA), que coincidentemente é natural da cidade onde será a 30ª edição da COP, estão parados na burocracia brasileira e seriam de extrema importância para essa luta.

Enquanto isso, projetos parecidos são realizados pelo nosso país, como é o caso do município de Itabirito (MG), onde produtores rurais recebem todo ano R$ 240 reais por hectare preservado, através do Programa Municipal de Pagamentos por Serviços Ambientais, que tem o mesmo objetivo do nosso: Proteger e preservar o meio ambiente.

No caso da cidade mineira, o resultado já pode ser visto. Ao todo, são 10 propriedades rurais participantes, mas queremos que com o nosso projeto esse número seja infinitamente maior e alcance todos os municípios do nosso país.

Iniciativas como a Lei do PNPSA precisam sair da burocracia. A regulamentação deste projeto fará com que produtores, indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais de todo o Brasil possam conservar as áreas de preservação, recuperar regiões degradadas e serem recompensados por isso.

Acredito que já entendemos que apenas punir com multas quem infrinja a lei ambiental não é o suficiente. Precisamos valorizar quem luta e preserva o nosso meio ambiente. Com a entrada em vigor dessa nova legislação, podermos esperar um Brasil que será exemplo para o mundo.

A Ministra do Meio Ambiente disse no último dia 05 de junho, dia do Meio Ambiente, que o tempo para agir está se esgotando e que a crise climática atinge a economia e principalmente as pessoas mais vulneráveis. Concordo com ela, porém, para que as ações concretas aconteçam por todo o nosso país, precisamos de um Governo que pense no futuro e seja cada vez mais ágil.

Esperamos que o presidente da república regulamente e execute a Lei 14.119/2021 e a compensação ambiental seja uma realidade em todo o Brasil. (Metrópole – 16/06/2023)

Rubens Bueno é presidente do Cidadania do Paraná e ex-deputado federal

Leia também

Werneck Vianna, intérprete do Brasil contemporâneo

Difusor do pensamento gramsciano no Brasil, produziu ensaios que servem de referência para o estudo do liberalismo, do Judiciário e da nossa modernização conservadora.

Diplomacia do governo Lula tem dualidade insustentável

Uma política antiamericana no Brasil não tem a menor chance de dar certo, o que não significa apoio incondicional nem alinhamento automático aos EUA.

Lula chamou Netanyahu para dançar um minueto

Lula errou politicamente. Não sabemos se foi arroubo de oratória ou deliberado. Não vai se desculpar, porém já sabe que precisa relativizar as declarações sobre a guerra de Gaza.

Quando outubro vier

Já escrevi isso algumas vezes e repito aqui: a...

Muitos militares não assimilaram a nova doutrina de defesa

A velha doutrina de segurança nacional se encaixava como uma luva na trajetória histórica de combate aos “inimigos internos”, mas entrou em colapso quando os EUA apoiaram o Reino Unido contra a Argentina.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!