Luiz Carlos Azedo: Lula precisa rever suas prioridades diplomáticas

NAS ENTRELINHAS – CORREIO BRAZILIENSE

Empunhar a bandeira da paz não deve ser um reposicionamento estratégico do Brasil no mundo

A compatibilidade entre a política externa e a política interna. Por exemplo, a entrega do Prêmio Camões ao compositor Chico Buarque, ontem, em Lisboa, pelo presidente Luiz Inácio da Silva, está em sincronia perfeita com o momento da política cultural brasileira, de valorização dos nossos artistas e da temática democrática, progressista e popular, que sempre foi uma característica do nosso cancioneiro.

Chico resumiu o mosaico nacional inspirado nos versos de Paratodos, uma de suas músicas: “O meu pai era paulista, meu avô pernambucano, meu bisavô mineiro e meu tataravô baiano. Tenho antepassados negros e indígenas, cujos nomes meus antepassados brancos trataram de suprimir da história familiar. Como a imensa maioria do povo brasileiro, trago nas veias o sangue do açoitado e do açoitador, o que ajuda a nos explicar um pouco”. Ao registrar que o Prêmio Camões levou quatro anos para lhe ser entregue, ironizou a grande mudança política na vida nacional:

“Quatro anos com uma pandemia no meio davam, às vezes, a impressão de que um tempo bem mais longo havia transcorrido. No que se refere ao meu país, quatro anos de governo funesto duraram uma eternidade, porque foi um tempo em que o tempo parecia andar para trás. Aquele governo foi derrotado nas urnas, mas nem por isso podemos nos distrair, pois a ameaça fascista persiste, no Brasil e por toda parte. Hoje, porém, nessa tarde de celebração, reconforta-me lembrar que o ex-presidente teve a rara fineza de não sujar o diploma do meu Prêmio Camões, deixando seu espaço em branco para assinatura do nosso presidente Lula”.

Entretanto, não se pode dizer que a prioridade diplomática do presidente Lula esteja em sintonia absoluta com a política interna, a não ser que pretenda dar uma guinada à esquerda no seu governo, como já estão afirmando seus adversários, da extrema direita à centro-esquerda. A forma como Lula se engajou e priorizou a guerra da Ucrânia na nossa política externa está favorecendo a formação de uma frente ampla de oposição, ao contrário do que ocorreu no segundo turno da eleição, quando obteve o apoio das forças de centro.

O erro de conceito é tratar como iguais a Rússia e a Ucrânia. Foi o que revelaram suas declarações em Pequim, Dubai e, ao receber o chanceler russo Serguei Lavrov, em Brasília. O preço político desse equívoco diplomático está sendo muito alto. Por mais que no encontro com o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, Lula tenha retoricamente se reposicionado. Talvez o erro seja até estrategicamente mais grave: tratar a guerra da Ucrânia como prioridade, e não, como deveria ser, a questão ambiental. Na diplomacia presidencial, Lula perdeu a dimensão de que a questão da Amazônia é tão importante ou mais até do que a guerra da Ucrânia para a sobrevivência da humanidade.

O ex-presidente Jair Bolsonaro se tornou um “pária internacional” sobretudo por não compreender que seu apoio ao garimpo ilegal, ao contrabando de madeira e ao genocídio de ianomâmis catalisou a opinião pública mundial contra a sua gestão, vista como uma ameaça pela maioria dos governos do Ocidente, mais até do que sua aproximação com Putin, cujo regime iliberal lhe servia de espelho. A vitória de Lula reabriu todas as portas do Ocidente para o Brasil, porque foi compreendida como uma afirmação da democracia e o passo inicial para salvar a Amazônia e, com isso, conter drasticamente a velocidade do aquecimento global.

A posição do Brasil

A vocação natural do Brasil na divisão internacional do trabalho é a produção de commodities agrícolas e de minérios, inclusive semicondutores. Nos dois casos, como provedores de insumos básicos, isso nos insere por gravidade no mundo das novas tecnologias. Ao mesmo tempo, podemos recuperar nossa complexidade industrial com a produção de fármacos e eletrônicos, nos inserindo na reestruturação das cadeias globais de valor. Para isso, não podemos nos desconectar do Ocidente, principalmente dos Estados Unidos e da União Europeia. A China será cada vez mais o nosso maior parceiro comercial, mas, ao mesmo tempo, está engolindo o mercado interno e externo das nossas indústrias.

A hegemonia das relações comerciais entre Ocidente e Oriente é disputada pelos Estados Unidos e a China. Isso nos coloca diante das seguintes perguntas: qual é o grau de prioridade das nossas relações com o Mercosul e a União Europeia? Como administrar a complexidade da nossa participação nos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), novo eixo das relações entre a Ásia, a África e a América do Sul? Não podemos pôr tudo a perder por causa da guerra da Ucrânia. Empunhar a bandeira da paz não deve ser um reposicionamento estratégico do Brasil no mundo. Isso mudaria profundamente a correlação de forças políticas internas, principalmente no Congresso.

Ainda não sabemos se a transição da bipolaridade para a multipolaridade na política internacional se processará de maneira pacífica ou, pelo contrário, violenta, como se apresenta agora na Europa. Essa transição também acirra conflitos de interesses entre as grandes potências e as principais nações emergentes. Desde a Segunda Grande Guerra, os conflitos armados foram regionais ou étnicos, mas a guerra da Ucrânia adquire outra dimensão, está sendo comparada pelos países da Otan à ocupação dos Sudetos (cadeia de montanhas situada entre a Polônia, a antiga Tchecoslováquia e a Alemanha) pelas tropas de Hitler. Ao assinar o Acordo de Munique, a França e o Reino Unido chocaram o ovo da serpente da expansão do nazifascismo. (Correio Braziliense – 25/04/2023)

Leia também

Deputados anistiam multas nas prestações de contas dos partidos

A Transparência Partidária estima que o montante total das multas pode chegar a R$ 23 bilhões.

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!