Alvaro Costa e Silva: Chave de cadeia

Os ‘patriotas’ presos por envolvimento na intetona 8 de janeiro com invasão e depredação das sedes dos três Poderes que o digam

Para usar um termo da gíria entre bandidos, Bolsonaro é hoje chave de cadeia. Significa pessoa a evitar, que só traz aborrecimentos e estorvos, e pode causar situações de risco e pôr o comparsa em condições adversas. Literalmente atrás das grades. Os “patriotas” envolvidos na intentona de 8 de janeiro, que estão sendo expostos nas redes e afastados dos empregos, investigados pela PF, presos na Papuda ou na Colmeia e tendo os bens bloqueados, percebem a essência da expressão.

Não fosse o entendimento do ministro Alexandre de Moraes, do STF, e do subprocurador-geral da República Carlos Frederico Santos, mais bolsonaristas teriam dançado. Ambos negaram pedidos de suspensão da posse de 11 deputados federais acusados de incentivar ou participar dos atos golpistas.

A declaração de Valdemar Costa Neto —de que propostas de golpe circulavam “direto” no entorno não só do governo como da candidatura de Bolsonaro— deixou-o numa saia justa com aliados e opositores. Tirante os fanáticos e os escroques, quem defende o capitão não tem noção do perigo ou do ridículo. O último caso é o de Valdemar.

A revelação, com imagens chocantes, do genocídio do povo yanomami não compromete apenas Bolsonaro. A lista de quem deve explicações sobre a presença de mais de 20 mil garimpeiros dentro da terra indígena é grande. Nela estão os generais Mourão, Heleno e Pazuello; os ex-ministros Sergio Moro e Damares Alves; e o governador de Roraima, Antonio Denarium.

Ao negar a desnutrição dos yanomamis, minimizar o papel de Bolsonaro no caos registrado na região e defender os garimpeiros que exigem sexo com mulheres e meninas indígenas em troca de comida, Denarium está pedindo para ser denunciado ao Tribunal de Haia. Lá, ele poderá explicar por que usa como sobrenome uma alcunha que remete a dinheiro quando se chama na verdade Antonio Oliverio Garcia de Almeida. (Folha de S. Paulo – 31/01/2023)

Leia também

Dos delitos e das penas, as razões da saidinha

NAS ENTRELINHASO fim das saidinhas é uma vingança coletiva...

O que fazer, desde já?

Como abrir a via para uma política de novo...

Um adeus a Ziraldo

Acaba de falecer um dos homens mais criativos do...

Petrobrás na contramão do futuro do planeta

Na contramão do compromisso firmado pelo Brasil na COP...

19 Anos sem Karol Wojtyla: Recordando o Legado de João Paulo II

A jornada rumo ao sacerdócio e, eventualmente, ao cargo...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!