Cristiano Romero: O que está por trás da polarização política?

Avanços, como as cotas nas federais, explicam insurgência da direita

O atentado terrorista em Brasília, ainda que fracassado, deveria conscientizar definitivamente as elites do país – todas, não apenas as ricas – de que o abismo que separa os brasileiros é profundo e imperscrutável. Não se trata de uma novidade, e a referência aqui não se limita à violência (do Estado e de seus oponentes) observada durante as duas ditaduras ocorridas século passado (1937-1945 e 1964-1985).

O Brasil é um país condenado à desigualdade porque a formação de seu povo se deu sob o regime escravagista mais longevo da história dos homens e que, na verdade, nunca acabou, apenas se transformou. Fator de acumulação de capital durante quase quatro séculos, esse regime era parte fundamental do modelo econômico adotado aqui, baseado na produção e exportação de produtos básicos (pau-brasil, cana de açúcar, café, algodão, fumo, minérios).

O uso de mão de obra indígena (até meados do século XVI) e africana escravizada deu aos produtores vantagem competitiva incomparável. O fim da escravidão, a última a se dar nas Américas, foi fortemente rejeitada pelas oligarquias rurais, de tal modo que resultou, entre outras consequências, na queda da monarquia no ano seguinte, na importação de mão-de-obra de países europeus para “branquear” a força de trabalho e na marginalização de milhões de ex-escravos que viviam no campo e nas cidades.

Principal característica nacional desde sempre, como constatou o abolicionista Joaquim Nabuco pouco antes da proibição legal da escravatura, em 13 de maio 1888, o racismo está presente em todas as relações sociais. A discriminação, por exemplo, contra mulheres, pobres e nordestinos, mesmo àqueles que, digamos, sejam considerados brancos, espelha o tratamento dispensado aos africanos escravizados. Estes eram “propriedade” de produtores rurais e de chefes de família abastados dos centros urbanos.

Em “Haiti”, Gilberto Veloso e Caetano Veloso tratam do tema: “Quando você for convidado pra subir no adro da Fundação Casa de Jorge Amado// Pra ver do alto a fila de soldados, quase todos pretos// Dando porrada na nuca de malandros pretos e ladrões mulatos // E outros quase brancos // Tratados como pretos // Só pra mostrar aos outros quase pretos // (E são quase todos pretos) // E aos quase brancos pobres como pretos // Como é que pretos, pobres e mulatos // E quase brancos quase pretos de tão pobres são tratados (…)”.

A escravidão oficial foi abolida no Brasil de forma bastante gradual – entre 1850, quando o tráfico negreiro foi proibido, e 1888. O conceito de propriedade esteve presente, porém, por todo o tempo, uma vez que, quando um escravo ou seu descendente era alforriado em decorrência de alguma lei, seus “donos” eram compensados financeiramente.

Segundo dados de 2019 da Pnad, do IBGE, 42,7% dos brasileiros se declaram brancos, 46,8% afirmam serem pardos, 9,4%, pretos, e 1,1%, amarelos ou indígenas. “Esse dado deve ser bem observado pela maioria dos progressistas e por setores do movimento negro que consideram a política afirmativa como um instrumento em favor da diversidade. É muito mais do que isso. É um instrumento em favor da democracia, do funcionamento do Estado, que favorece o país inteiro. Achar que ela garante a diversidade é considerar que os negros são uma minoria, como nos Estados Unidos. Mas no Brasil eles são a maioria”, disse, em elucidativa entrevista, concedida em 2018 a Amanda Rossi, da BBC Brasil, o historiador Luiz Felipe Alencastro.

Este é um aspecto central para se tentar entender o que está em jogo na polarização política vivida pelo país. Nas últimas décadas, a sociedade civil, do lado dos negros e dos mais pobres, avançou, em termos de direitos e conquistas reais, num ritmo mais veloz que o observado até então na história do país. A mudança mais notável ocorreu nas universidades federais, obrigadas por lei a oferecerem 50% das vagas a estudantes pobres, negros e descendentes de indígenas.

Em 2018, o número de matrículas de pretos e pardos ultrapassou pela primeira vez a de brancos no conjunto das universidades federais. É evidente que isso não resolve o problema do racismo e da discriminação social existente no país, mas promove inclusão, prática que, com o tempo, ajudará a diminuir as desigualdades. “Juridicamente, a situação estava definida: os negros não sofrem discriminação legal, mas há mecanismos informais que os discriminam e desqualificam de forma óbvia”, observou Alencastro na fascinante entrevista à BBC Brasil.

Negros, principalmente, mas também mulheres, indígenas, gays, trans, pobres, imigrantes não brancos, sempre viveram em permanente risco de morte no Brasil, sob a mira de fuzis da polícia e de criminosos. Estes, onde não há poder público, reinam como ditadores nos Estados paralelos, onde viver é exceção. Ascensão da extrema-direita, como nunca se viu antes no Brasil, pode ser a insurgência de minorias brancas contra a emergência da maioria negra, feminina e pobre.

É como se estivéssemos todos aqui no mesmo palco, mas sem consciência do papel de cada grupo na sociedade. Não se trata, aqui, de atribuir o fenômeno social às vitórias eleitorais do PT. O que está acontecendo vai muito além da política. É inegável que o partido de Lula, dadas suas ligações históricas com movimentos sociais, seja catalisador do que ocorre nas ruas. Mas, este é apenas um elemento do que estamos vendo.

Mudanças na sociedade em direção a menos desigualdade são visíveis e gratificantes para quem jamais acreditou que este país possa alcançar a civilização em meio a tanto horror e iniquidade: os direitos e garantias fundamentais da Constituição de 88, o voto do analfabeto, o Bolsa Família, as cotas raciais e sociais nas universidades públicas, a estabilização da moeda (sim, o fim da inflação crônica fechou um dos mecanismos mais perversos de concentração de renda), a união civil entre pessoas do mesmo sexo etc. A história está apenas começando.

Uma coisa parece certa: morreu a ideia de que a construção de uma nação no Brasil dar-se-ia pela socialdemocracia, com o PT e o PSDB fazendo alianças à esquerda e à direita para governar. A direita extrema e disposta a tudo acordou e subiu ao palco, com força impressionante. O bolsonarismo é mais novo que o lulismo. Independe, a partir de agora, de Jair Bolsonaro. Este perdeu a eleição, mas discípulos ascenderam ao poder nos Estados mais populosos e ricos. Lula começa a governar no domingo contra a vontade de quase 59 milhões de eleitores. (Valor Econômico – 29/12/2022)

Leia também

Derrota de Maduro pode repetir a de Pinochet

NAS ENTRELINHASMaduro recorre a todos os expedientes para conter...

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!