Eliane Cantanhêde: ‘Mais vale uma imagem…’

A viagem de Jair Bolsonaro aos Estados Unidos, nesta semana, para a Cúpula das Américas e um (ou melhor, o primeiro) encontro bilateral com Joe Biden, pode ser um sucesso, um fiasco ou… nada. Depende do humor e da boa ou da má vontade de Bolsonaro e de Biden, um com o outro. É aí que mora o perigo.

A agenda é muito politicamente correta, ao gosto do norte-americano. Logo, só “mimimi” indigesto para o paladar do brasileiro. Democracia, eleições, ambiente, aquecimento global e energia limpa, o que deixa uma dúvida no ar poluído da relação bilateral: Bolsonaro vai assinar o documento final cheio de compromissos com democracia e sustentabilidade?

Ele pode se sentir desconfortável e até querer “reagir à altura” contra Biden, que também tem lá seu, ou melhor, seus telhados de vidro: o pós-pandemia de covid traz um novo e preocupante fator nos EUA, a inflação, e recrudesce um velho e igualmente preocupante problema do país, a imigração. Aliás, Biden deve se preparar para protestos de governos (pela exclusão de países de esquerda) e também de ruas (de imigrantes ilegais).

Rápido no gatilho, Bolsonaro já começou a atirar de véspera. Após receber o convite pessoalmente do enviado Christopher Dodd e aceitá-lo, já deixou claro, para Biden e quem mais quisesse ouvi-lo, que aceitava, mas não de bom grado: “Eu estava propenso a não comparecer. Não posso ir ser moldura de uma fotografia. Não vou para lá sorrir, apertar a mão e aparecer em foto, vou para resolver assuntos”. Aproveitou para reclamar que Biden fingiu que nem o viu no G-20 e tascou: “Talvez seja coisa da idade”.

É de uma grosseria inominável, mas não inédita. Bolsonaro já endossou piadas bolsonaristas com a primeira-dama da França, Brigitte Macron, bem mais velha do que o marido, e já atacou a ex-presidente do Chile Michelle Bachelet: “Se não fosse o pessoal do Pinochet derrotar a esquerda em 1973, entre eles o teu pai, o Chile seria uma Cuba. Quando tem gente que não tem o que fazer, vai lá para a cadeira de Direitos Humanos da ONU (que ela ocupa)”.

E que “assuntos” ele quer resolver, depois de chorar a derrota de Donald Trump e ser o último presidente do G-20 a reconhecer a vitória de Biden? Bem, assunto não falta: Defesa, armamento, agricultura, tecnologia… Mas também, por exemplo, Amazônia, Ucrânia, ataques às urnas eletrônicas, fake news e crimes digitais.

Mais do que acordos e assinaturas, a curiosidade, lá nos EUA e aqui no Brasil, é em relação à cara de Bolsonaro e Biden nas fotos do encontro e do fim da cúpula. Sabem aquela história de que “uma imagem vale mais do que mil palavras”? Pois é…. (O Estado de S. Paulo – 07/06/2022)

Eliane Cantanhêde, comentarista da Rádio Eldorado, Rádio Jornal (PE) e do telejornal GloboNews em Pauta

Recommended Posts

No comment yet, add your voice below!


Add a Comment