Marcus André Melo: Partidocracia sem partidos?

Partido multimilionários, fortes no Congresso, mas que não importam para os eleitores

A pesquisa Eseb 2010/Unicamp/Michigan University pediu aos entrevistados do estado de São Paulo para analisar a afirmação “Alckmin é filiado ao PTB”. 56% deles afirmaram que não sabiam, enquanto 12% responderam que sim. O ESEB 2018 não replica a questão. Sim, é surpreendente que quase 70% dos eleitores paulistas não soubessem a afiliação partidária do governador recém-eleito. E mais: na esteira da eleição presidencial fortemente polarizada de 2006, na qual ele disputou a Presidência, obtendo 52% dos votos no estado.

A pergunta foi feita em um contexto em que pesquisa comparativa (Shane and Thornton 2018) conclui que o partidarismo teria adquirido máxima saliência na opinião pública no período imediato após eleições.

O quadro mais amplo revela também desconhecimento político generalizado. No ESEB 2018, 42% não sabiam “o que é democracia?”, em resposta livre; 1 em cada 5 não sabia se o Brasil “havia se tornado mais ou menos democrático”; dentre os que responderam sim, 57% não sabiam porque o país havia se tornado mais democrático.

À pergunta “o sr (a) se considera próximo a algum partido político”, 83% responderam que não; 4% são afiliados a partidos. O partido ao qual o respondente “se sentia mais próximo” (PT), correspondia a apenas 10% do total. 46% afirmaram existir “um partido que não gosta”. Nesse grupo, o PT foi marcado por 27% do total. No entanto, 1/5 dos respondentes classificou o PT como de direita ou extrema-direita (nota acima de 7 numa escala de 0 a 10).

O nível de conhecimento médio dos eleitores é baixo mesmo nas democracias maduras. Mas entre nós é impressionante. O conhecimento sobre esquerda ou direita é função da importância dessa distinção para as políticas públicas implementadas, como mostrou Fortunato et al, em estudo com 18 países e 57 eleições. Hiperfragmentação partidária e governos de coalizões hiperdimensionadas exacerbam problemas crônicos de desconhecimento e também de clareza de responsabilidade dos governantes.

A escassa identificação partidária produz paradoxos: em Pernambuco, estado onde Lula conta com o maior apoio (78%), a bancada de seu partido tem dois representantes (8% do total), uma das quais (Marília Arraes) acaba de sair. Ainda mais paradoxal: o presidente da República foi eleito por um micropartido, desfiliou-se e volta a ingressar em nova agremiação de forma ad hoc para as próximas eleições.

O hiato partido/candidato é indicador da fragilidade do sistema representativo. Temos uma partidocracia inédita: partidos multimilionários, fortes no Congresso, mas que não importam para os eleitores. (Folha de S. Paulo – 28/03/2022)

Marcus André Melo, Professor da Universidade Federal de Pernambuco e ex-professor visitante do MIT e da Universidade Yale (EUA)

Leia também

Vamos valorizar a sociedade civil

Os recentes cortes promovidos pelo Governo Federal, atingindo em...

A ponte Krenak

Com Ailton Krenak, a Academia Brasileira de Letras recebe...

Confronto entre Irã e Israel escala a guerra de Gaza

NAS ENTRELINHASMuitos são os sinais de que um conflito...

Petrobrás na contramão do futuro do planeta

Na contramão do compromisso firmado pelo Brasil na COP...

19 Anos sem Karol Wojtyla: Recordando o Legado de João Paulo II

A jornada rumo ao sacerdócio e, eventualmente, ao cargo...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!