Alessandro Vieira apresenta projeto para fortalecer o Fundo Nacional de Mudanças Climáticas

Proposta deve ser pautada com urgência no plenário do Senado em meio à catástrofe das chuvas pelo País (Foto: Reprodução/Corpo de Bombeiros MG)

É fato que os brasileiros já vivem efeitos devastadores das mudanças climáticas. A seca intensa no Nordeste, as altas temperaturas e as tragédias como os temporais que atingiram desde o final do ano passado a Bahia, Minas Gerais, São Paulo, e agora, o Rio de Janeiro, são exemplos disso. Atento a essa realidade, o líder do Cidadania no Senado, Alessandro Vieira (SE), apresentou nesta quinta-feira (17) um projeto de lei (PL 301/2022) para fortalecer o Fundo Nacional de Mudanças Climáticas.

Segundo o parlamentar, o objetivo da proposta é incluir no seu escopo ações de adaptação às mudanças do clima e redução de danos advindos de eventos extremos. O projeto deve ser pautado com urgência no plenário do Senado, conforme acordado em reunião de líderes da Casa.

“Os problemas causados por eventos climáticos extremos, como as enchentes e deslizamentos, se repetem por décadas no Brasil, tratados como mera consequência do acaso. Na verdade, essas tragédias anunciadas são resultado direto da falta de planejamento adequado e da insensibilidade de gestores e legisladores. Este projeto muda isso, garantindo foco e recursos para prevenir e reparar desastres”, destaca Alessandro Vieira.

A proposta tem por objetivos promover a adaptação às mudanças do clima e assegurar recursos para o atendimento da população impactada por catástrofes provocadas pelas mudanças climáticas. Para isso, acrescenta, entre os objetivos do FNMC (Fundo Nacional sobre Mudanças do Clima), o de prevenir e responder a situação de emergência e de calamidade pública causadas por eventos climáticos extremos.

“Quando o Fundo foi criado incluía parte dos royalties do petróleo. Este recurso foi retirado do escopo do FNMC e nós estamos devolvendo este recurso para a composição do fundo, corrigindo um erro do passado e incorporando também um percentual das multas de desmatamento. Nossa proposta prevê que 20% da arrecadação da União decorrente da exploração do petróleo na região do pré-sal e das multas arrecadadas com desmatamento e queimadas sejam destinadas ao FNMC, garantindo algo em torno de R$ 800 milhões por ano”, acrescenta o líder do Cidadania na justificativa do projeto.

Em 2020, as ações do FNMC não atingiram R$ 175 milhões. Já as despesas com ações de proteção e defesa civil foram de R$ 170 milhões em 2021.

“Precisamos reconhecer os efeitos das mudanças climáticas e agir preventivamente, adaptando as cidades e executando ações de prevenção. Com esse projeto, vamos garantir os recursos para atendimento das vítimas de tragédias causadas por intensos eventos climáticos”, diz Alessandro Vieira. (Assessoria do parlamentar)

Recommended Posts

No comment yet, add your voice below!


Add a Comment