Coletivo do Lado de Cá aposta na Cultura na disputa pra Câmara de São Caetano do Sul

Erike Busoni Do Lado de Cá, 23007, candidato a vereador pelo coletivo do Cidadania em São Caetano do Sul (SP).

Vem de São Caetano do Sul, em São Paulo, mais um exemplo de candidatura coletiva pelo Cidadania para a Câmara de Vereadores: o Coletivo Do Lado de Cá, formado por cinco artistas da cidade paulista, que vêem a cultura como um instrumento sistêmico de mudança social. “O coletivo se juntou em abril de 2019 pra conversar, debater e propor ações e políticas públicas permanentes, projetos e programas para a economia criativa da cultura”, explica Erike Busoni, 44 anos, nome que aparecerá na urna em novembro, com o número 23007.

Ele é apresentador do programa Cultura 100 Frescura, da Vox TV, formado em artes cênicas e produção cultural e fundador do grupo de teatro Companhia da Matilde. Foi responsável pela formulação das leis do Conselho Municipal de Politica Cultural, do qual foi o primeiro presidente, do Fundo e do Plano Municipal de Cultura. “Para todos que sabem de nossa história com as atividades culturais em São Caetano, agora é hora de revolucionar a Cultura na cidade e sair da mesmice”, diz.

Propostas

Entre as propostas do coletivo, estão a redução para 2% do imposto sobre serviços (ISS) cobrado de produções culturais, como teatro, musica, dança, artes plásticas, audiovisual; revitalização e retirada das grades da pista de skate da cidade, estimulando a prática do mais novo esporte olímpicos; transformação dos centros esportivos em centros também recreativos e culturais; a criação do Dia Municipal da Cultura do Reggae e do Mês da Consciência Negra.

Outro dos integrantes do coletivo, Douglas Bunder lembra também propostas para a criação do Centro de Defesa e Convivência da Mulher, a criação de mais vagas para idosos em estacionamentos de hospitais públicos e a instalação de lombo-faixas em escolas e também nas unidades de saúde, numa demonstração de que a preocupação vai além das ações de cultura propriamente ditas.

“A Cultura é tudo. Mudamos o conceito do que a cultura precisa. Temos a clara convicção de que tudo é cultura, tudo esta envolvido em cultura. A segurança pública, o próprio comércio da cidade, que age de forma cultural, alimentação. Temos de encarar a cultura de forma diferente, ela é a base a partir da qual podemos modificar a forma de fazer política”, observa.

O presidente nacional do Cidadania, Roberto Freire, elogia a iniciativa, que vai, segundo ele, na direção de renovar a política e reconhecer a Cultura como parte “do processo de produção econômica, uma grande indústria criativa”.

“Estamos vivendo um momento em que talvez muito mais importante do que a experiência seja a ousadia. E isso a juventude tem muito mais do que a velha geração. Uma nova geração, uma nova sabedoria, porque a nossa já não responde às questões do mundo de hoje. A atividade política é uma atividade nobre quando é exercida com o espírito público do bem comum”, aponta.

Os outros integrantes da bancada coletiva do Lado de Cá: Giovana Romanelli, professora de teatro, atriz e bailarina, fundadora do espaço cultural Espaço Vazio; Thiago Rosa, que atua há 18 anos na área de cultura, é empresário, ferramenteiro e capoeirista; e Talita Cabral, cantora, formada em licenciatura em Educação Musical, produtora e articuladora cultural.

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário