Mauricio Huertas: O rascunho virtual de um balanço do Brasil e do mundo em 2019 sob o ponto de vista do bolsonarismo raiz

Num ano em que a realidade parece mais inverossímil que a ficção, é muito difícil fazer um balanço minimamente isento ou imparcial deste 2019.

Há, aqui e ali, quem tente racionalizar e traduzir ao que resta da civilização em meio à barbárie os acontecimentos no Brasil e no mundo.

Eu jamais teria esta pretensão. Nem capacidade. Por isso, abandonei de vez essa tentativa insana e vou descrever sob efeito dos filtros virtuais e ideológicos da atualidade o nosso mundo real.

O cinema, por exemplo, linguagem universal, tentou mandar seus recados em 2019 por meio de imagens e roteiros provocativos. Entende quem quer, se quer, como quer e, suprema liberdade, até mesmo o que bem entender.

Uma sequência de filmes bastante emblemáticos – como o brasileiro Bacurau, o norte-americano Coringa, o argentino A Odisséia dos Tontos e o coreano Parasita – parece tentar nos comunicar algo nessa espécie de código imagético com mensagens cifradas. São partes de um todo. Jogos de encaixar.

A arte imita a vida ou a vida imita a arte? Tanto faz. Como disse lá em cima, eu desisti de refletir com imparcialidade sobre os acontecimentos do Brasil e do mundo real. Entreguei os pontos. Ao menos neste rascunho do balanço sobre 2019, vou me deixar levar pelo pensamento dominante, pela visão pragmática da maioria. Eles venceram. Aos perdedores, resta aceitar esta nova realidade. Quem não estiver contente, que vá pra Cuba ou pra Venezuela. Chupa, isentão!

Arte, Cinema… Blargh! Essa Cultura é toda dominada por comunistas infiltrados! A indústria hollywoodiana é uma máquina da destruição da família! Não é à toa que o Leonardo Di Caprio está financiando o fogo nas nossas florestas! Dinheiro sujo dessas organizações internacionais que inventaram essas histórias de mudanças climáticas. O Trump precisa nos ajudar nessa!

Chegou a hora de denunciar esses criminosos que posam de bons moços e artistas de respeito, daqui e de fora. Fernanda Montenegro, Caetano Veloso, Chico Buarque, Mark Ruffalo, Morgan Freeman… bom, esse não me angana desde que foi o Todo Poderoso (ainda por cima negro, para afrontar a Bíblia e nosso Deus verdadeiro com esse discurso anti-racista!).

Agora quem manda é a direita conservadora, o cidadão de bem, a tradicional família brasileira pelo resgate da moral e dos bons costumes sob influência dos incontestáveis ensinamentos cristãos. Vou resumir tudo isso sob o ponto de vista bolsonarista – embora reconheça que há várias outras ramificações e influências, do olavismo ao fundamentalismo religioso, dos terraplanistas aos armamentistas e nostálgicos da ditadura. Mas o bolsonarismo é, hoje, o Esperanto dessa gente.

Então, vamos lá! Filtro instalado, sem mimimi esquerdista (Fora esquerdalha!), após mais de 30 anos de governos comunistas no Brasil, enfim este primeiro ano do presidente Jair Bolsonaro veio resgatar o Brasil de verdade para o nosso povo. Chega de ditadura gayzista, de imprensa manipulada (Abaixo a Rede Globo! Basta de Folha de S. Paulo!), eis que o whatsapp nos trouxe a verdade dos fatos e a informação livre!

Finalmente alguém teve coragem de dizer tudo aquilo que sempre tivemos vontade de berrar ao mundo e que estava entalado na nossa garganta. Demorou mas chegou a nossa vez! Fora corruptos! Pelo fechamento do Congresso, queremos cadeia para deputados e senadores de esquerda! Pelo fim desse antro de mafiosos que é o Supremo Tribunal Federal, dominado pelo Foro de São Paulo! Impeachment para todos os juízes nomeados por FHC, Lula e Dilma. Não precisamos de tribunais de cartas marcadas!

Pela primeira vez, desde o movimento de 1964 que salvou o Brasil dos guerrilheiros comunistas (obrigado, militares!), podemos nos reunir com liberdade para dizer o que pensamos. Viva o nosso capitão! Bolsonaro é mito! É #B38 até 2026! Ninguém mais vai calar a nossa voz com esse blablablá de justiça e democracia para meia dúzia de privilegiados. A nossa bandeira nunca será vermelha! Volta AI-5! Viva Brilhante Ustra!

Agradecemos primeiro a Deus e em seguida à família Bolsonaro, o pai e os filhos, com seu exército de eleitores e seguidores leais, anjos iluminados. Dudu, Carluxo, Flavinho, Michelle Bolsonaro, Damares Alves, Abraham Weintraub, Ernesto Araujo, Ricardo Salles, Onyx Lorenzoni, Luciano Hang, Edir Macedo, Silas Malafaia, Sergio Moro. Homens de Deus pela nossa liberdade! Soldados da Pátria que nos orgulham!

Pelo direito de andarmos armados (você não pode ver, mas estou fazendo arminha com os dedos da mão esquerda enquanto escrevo esse texto com a direita), contra qualquer ativismo político, social, cultural, ambiental. Contra a ideologia de gênero! Pela escola sem partido! Fora feministas, ambientalistas, abortistas. Pelo fim das ONGs, da grande imprensa e dos partidos de esquerda e de centro! Lula tá preso, babaca! (não está, mas vai ser preso de novo!)

O Brasil precisa de um partido único, de direita legítima, raiz, liberal na economia e conservador nos costumes: nada de 17, mudamos, isso é passado! O PSL tá dominado pelos traidores! O 17 agora é o Lula, 17 anos de cadeia! (kkkkk) O nosso partido é o 38, três-oitão, é Aliança Pelo Brasil! (parei de fazer arminha e fiz agora coraçãozinho com as duas mãos). Ihaaaaaaa!!!!!

Que venha 2020.

Mauricio Huertas é jornalista, líder RAPS (Rede de Ação Política pela Sustentabilidade), editor do #Suprapartidário, idealizador do #CâmaraMan e apresentador do #ProgramaDiferente.

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário