Recessão evidenciou ponto crítico do processo de integração da União Europeia, diz historiador

Gianluca Fiocco traça desafios da União Europeia

A União Europeia foi marcada, desde o início, pelo caminho continental em direção a formas de integração cada vez mais fortes e complexas e pelo desafio de garantir níveis de bem-estar que pareciam intocáveis. É o que diz o historiador e professor da Faculdade de Letras e Filosofia da Universidade de Roma Tor Vergata, Gianluca Fiocco.

O professor publicou artigo na décima edição da revista Política Democrática online, produzida pela FAP (Fundação Astrojildo Pereira), vinculada ao Cidadania (veja aqui). Segundo ele, as “acusações a` Europa” se difundiram em particular após a grave crise deflagrada em 2008. Em muitos países, a taxa de confiança na UE passou por uma queda drástica. A entrada no espaço comunitário sempre fora vista como promessa de desenvolvimento; as dificuldades do último decênio desferiram um golpe em tal expectativa.

“Numa pesquisa de 2017, 54% dos entrevistados consideravam que as crianças da UE viveriam em condições piores do que aquelas conhecidas pela própria geração”, afirma Fiocco.

“Quando se rompe a confiança no futuro, também as construções mais sólidas podem vacilar”, acrescenta.

De acordo com o autor, o mal-estar econômico se faz acompanhar da busca de bodes expiatórios e por fenômenos regressivos de entrincheiramento identitário (um quadro favorável às direitas neonacionalistas).

“A recessão evidenciou indiscutivelmente um ponto crítico do processo de integração: o sistema da moeda única impôs a cada país um rigor nas contas públicas que reduziu notavelmente suas margens de ação em função anticíclica. Os velhos instrumentos de intervenção nacional não foram substituídos por novas ferramentas de tipo comunitário”, destaca. (Assessoria FAP)

Leia também

O trauma do aborto é um segredo das famílias brasileiras

Foi imediata a reação contrária da opinião pública, pelas redes sociais e nas ruas, à tentativa de criminalizar o aborto de crianças vítimas de estupro com penas de até 20 anos.

IMPRENSA HOJE

Veja as manchetes dos principais jornais hoje (17/06/2024)

Cidadania define critérios de distribuição do fundo eleitoral

A Executiva Nacional do Cidadania definiu neste sábado os...

Nota de repúdio – Não ao PL que criminaliza as vítimas de estupro

A Secretaria Nacional de Mulheres do Cidadania - M23...

M23 de Minas gerais realiza encontro neste sábado

O M23 Cidadania de Minas Gerais realiza neste sábado...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!