Justiça decreta prisão de assassino de Miguel Donha

A Justiça do Paraná decretou, no último dia 23 de julho, a prisão de Azemir João de Barros, conhecido como Alzemir Manfron, condenado a 16 anos e sete meses de prisão pelo assassinato do então pré-candidato a prefeito de Almirante Tamandaré Miguel Donha. O mandato de prisão foi expedido pela juíza Marina Lorena Pasqualotto, da Vara de Execução em Meio Fechado e Semiaberto de Rio Branco do Sul. Após quase 20 anos do crime, a polícia do Paraná está na captura do condenado pelo crime. Miguel Donha era bancário de profissão, político por essência e pertencente aos quadros do PPS, hoje Cidadania.

A morte de Miguel Donha chocou o Paraná no início de 2000. Assassinado no dia 22 de janeiro daquele ano, Donha era o principal nome da oposição para a disputa das eleições para prefeito do município, que fica localizado na Grande Curitiba. Na época a prefeitura era comandada por César Manfron, candidato à reeleição e irmão do condenado pelo crime. Na noite do crime, Donha e sua mulher, Iara, retornavam de um casamento quando foram abordados por dois homens no portão da chácara do casal. Ambos foram levados até Rio Branco do Sul e, no trajeto, Iara foi abandonada pela dupla. Em seguida, os criminosos dispararam contra as pernas de Donha, que teve uma artéria perfurada e não resistiu.

Três semanas após o crime, a polícia prendeu o mecânico Edson Farias, acusado de ser o autor dos disparos. Edson identificou seu comparsa apenas como Zé e disse que havia sido contratado por um motorista da prefeitura, Antônio Martins Vidal, o Tico Pompílio, para dar um “susto” em Donha. Em troca do serviço, Edson receberia R$ 300 e um cargo na prefeitura. O irmão do prefeito foi citado nas investigações como mandante do crime. Edson, Tico Pompílio e um cunhado do motorista foram assassinados no decorrer do processo. O motorista da prefeitura seria apenas o contratante do crime, restando à Promotoria a tarefa de identificar os verdadeiros mandantes.

Em 2017, Alzemir Manfron, irmão do ex-prefeito de Almirante Tamandaré Antonio Cesar Manfron de Barros, foi condenado por mandar matar Miguel Donha. Ele foi condenado a 16 anos, sete meses e 15 dias de prisão. Houve recurso da defesa e agora a Justiça determinou a prisão do acusado. Antes, em 2014, José Geraldo, seu cúmplice, foi condenado com a pena de 13 anos e 7 meses de reclusão. Porém, está foragido.

Leia também

Toffoli embanana julgamento do porte de maconha

Presidente do Supremo, Barroso fez questão de esclarecer que o STF considera, “tal como a legislação em vigor”, que o porte e consumo pessoal de drogas são atos ilícitos.

IMPRENSA HOJE

Veja as manchetes dos principais jornais hoje (21/06/2024)

A profissão do brasileiro é mesmo a esperança

Na pesquisa sobre governo Lula, 40% dos entrevistados acreditam que a situação econômica do país vai melhorar, ante 28% que preveem piora.

Encontro G7 na Puglia: um marco histórico de cooperação internacional

Renata BuenoNo último final de semana, a região da...

Jardim preside debate sobre a importância da energia nuclear no cenário global

O deputado federal Arnaldo Jardim (Cidadania-SP) presidiu nesta quarta-feira...

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!