Cristovam Buarque: Não basta melhorar

Uma entrevista é como dueto musical entre entrevistado e entrevistador. Na edição de 12 de maio no Correio Braziliense, as jornalistas Ana Paula Lisboa, Dad Squarisi e Mariana Niederauer e o professor Mozart Neves Ramos fizeram esse concerto em que o leitor sente prazer. Além disso, deram uma aula de como enfrentarmos a tragédia de nossa deseducação. Na ótica do educador, conseguiram dizer como fazer uma escola e uma sala de aula que atendam às exigências dos tempos atuais.

Precisamos agora passar à visão educacionista que nos diga como levar essas ideias para as 200 mil escolas e aos dois milhões de professores que atendem aos 50 milhões de alunos da educação. Como levar para todo o país as boas experiências de escolas e de cidades em prática hoje no país.

O primeiro passo é não nos contentarmos em comparar onde estamos em 2019 com onde estávamos 1989, e buscarmos fazer o necessário para em 2049 estarmos tão bons quanto os melhores do mundo. Para isso, temos duas dificuldades: ainda não nos vemos como um país campeão em educação no mundo, nem temos o sentimento de que no Brasil toda criança deve ter acesso à educação com a mesma qualidade, independentemente da renda e do endereço da família.

Por isso, a proposta de termos educação igual às melhores do mundo e igual para cada criança é vista como uma ingenuidade, uma impossibilidade ou demagogia. Vencer essa modéstia e essa maldade são nossos maiores obstáculos. Se não nos convencermos disso, vamos continuar comemorando pequenos avanços, mas ficando para trás em relação ao resto do mundo.

O professor Mozart e suas entrevistadoras nos ensinaram com extrema competência como mudar os pneus com o carro em movimento. Mas, se além disso, queremos também saltar para termos uma das melhores educações do mundo, vamos precisar mudar os pneus do carro e o carro também. O atual frágil sistema educacional municipal está melhorando, mas não nos coloca entre os melhores e não nos levará a uma escola de qualidade igual para todos. Para o salto, enquanto vamos melhorando o sistema municipal atual, será preciso também implantar um novo sistema nacional, paulatinamente por cidades, ao longo de 20 ou 30 anos. Para isso será necessário:

1. O Brasil entender que educação não é apenas um direito de cada brasileiro, como diz a Constituição; é mais que isso, é o motor do progresso econômico e da justiça social; ter cada um de seus cérebros em escolas de qualidade é uma necessidade do Brasil.

2. Concentrar o trabalho do MEC na educação de base.

3. Aos poucos, adotar pelo governo federal a educação de base nas cidades sem condições de dar uma boa escola a suas crianças.

4. Nessas cidades, implantar escolas novas, com professores de uma nova carreira federal, muito bem remunerada, com exigências de dedicação exclusiva e avaliações periódicas, em prédios novos e muito bem equipados com o que houver de mais moderno na área de tecnologias pedagógicas. E todas as escolas funcionando em horário integral.

5. Cada escola teria gestão descentralizada e liberdade pedagógica. A adoção federal deveria ser voluntária por opção da cidade, não por imposição da União. E seria feita com responsabilidade fiscal.

6. Considerando a média de 30 alunos por sala, para ter uma boa escola, o custo anual de cada aluno seria em torno de R$ 15 mil. Esse custo/aluno/ano permite pagar um salário mensal de R$ 15 mil ao professor dessa nova carreira. Se o Brasil voltar a crescer a 2% ao ano, ao final de 30 anos, esse novo sistema federal exigiria apenas 6,5% do PIB para atender aos atuais 50 milhões de alunos.

Isso tudo é possível financeiramente, mas muito difícil politicamente e quase impossível mentalmente porque nós brasileiros, eleitores e eleitos, não temos grandes ambições intelectuais como nação, e menos ainda temos compromisso de igualdade na educação. Além disso, não queremos alimentar uma ambição que exige décadas, porque nos contentamos com pequenos avanços rápidos. Por isso, é mais provável que continuemos avançando e ficando para trás, ampliando três brechas: entre educação dos ricos e dos pobres, entre nossa educação e a de outros países, e entre nosso nível educacional e as exigências educacionais para os tempos atuais. (Correio Braziliense – 21/05/2019)

Cristovam Buarque, ex-senador pelo Cidadania-DF e professor emérito da UnB (Universidade de Brasília)

Leia também

Estupros, a cultura que nasce dentro de casa

NAS ENTRELINHASA ideia de que mulher que se dá...

A Europa começa a respirar novamente

A Democracia dá sinais claros de resistência no Velho...

Atropelos em série

Lula está se dando conta de que o desafio ao ser eleito presidente não era bloquear a extrema direita bolsonarista: era fazer o País ingressar em outra rota.

Um alerta para o risco de estrangulamento fiscal

Pelo lado das receitas, as medidas aprovadas em 2023, surtiram efeito na arrecadação de 2024. No entanto, muitos dos resultados não se sustentam no futuro.

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!