Há crise sim e não será resolvida por maiorias eventuais

No próximo dia 9 de setembro, um grupo dissidente – com uma maioria circunstancial – planeja colocar um ponto final na história do Cidadania, projeto de partido-movimento, herdeiro do PPS e do PCB. Farão isso expurgando da Executiva Nacional aqueles dos quais discordam, entre eles, seu presidente, Roberto Freire, que assina a presente nota.

Pretendem que, assim, com uma canetada, se resolva uma crise que se arrasta há alguns anos e que ora chegou a um impasse definitivo. Uma “solução” artificial, como foi a minha recondução à presidência em 2022, que, reitero, foi uma derradeira tentativa de unidade.

E eles sabem bem. Sabem, porque votaram em mim, como votaram sempre durante todos esses anos, desde o velho PCB.

Nunca fui presidente de mim mesmo nem impus eleição alguma. Mas agora que a unidade não é mais possível, a longeva liderança com a qual me agraciaram virou um dos grandes problemas.

A Federação com o PSDB, que permitiu a sobrevivência do partido e que foi aprovada por alguns dos insurgentes, também.

Mas não são.

Alias, o Cidadania criou uma comissão responsável por avaliar os resultados da união com os tucanos. A Executiva Nacional do partido, ao contrário do que querem fazer crer, inclusive aprovou o relatório elaborado por esse colegiado, que considerou a Federação fundamental para o cumprimento da cláusula de barreira.

Vou nos poupar dos vários panos de fundo dessas nossas desavenças – agora públicas – iniciadas com as mudanças havidas na estrutura partidária no ano passado.

E focar na divergência de qualidade que há entre os caminhos que pretendemos para o partido e nas contradições dos que ora se levantam contra mim e a bancada, supostamente não alinhada às diretrizes partidárias e alcunhada de bolsonarista.

Isso por apontar os erros de condução do governo Lula e recusar, no Congresso, o que considera incompatível com nossos programa e estatuto.

Devo lembrar que apoio é diferente de adesão. Nunca em nossa história fomos um partido adesista. Ao contrário. Deixamos o primeiro governo Lula no auge, em razão de divergências conhecidas, que não são tão diferentes das atuais.

Como presidente, apontei, assim como a bancada, os vários equívocos da atual gestão. Vejamos:

  • Votamos e aprovamos a Reforma Trabalhista, com seus defeitos e seus acertos, que certamente estão refletindo no mais baixo desemprego dos últimos anos. Essa mesma reforma que o PT quer revogar;
  • Votamos e aprovamos o Marco Legal do Saneamento, que só não foi desvirtuado pelo governo porque o Congresso Nacional impediu, a partir da relatoria do líder do Cidadania na Câmara, Alex Manente (SP);
  • A tentativa de revogar a reforma do Ensino Médio, cujas bases foram lançadas pela própria ex-presidente Dilma Rousseff;
  • O alinhamento internacional a governos autoritários e ditatoriais, no que incluo a defesa dos interesses russos na guerra contra a Ucrânia e o apoio ao criminoso de guerra Vladimir Putin, quando somos um partido que tem a democracia como valor universal desde o fim da década de 1980;
  • A mudança na Lei das Estatais, uma resposta à sociedade, no auge da Lava Jato, que tinha como objetivo impedir o loteamento de empresas públicas para fins pouco republicanos;
  • As articulações e a defesa pública da reestatização da Eletrobras, retrocesso que mostra o atraso do pensamento dominante no PT sobre economia e privatizações;
  • Os ataques reiterados à autonomia do Banco Central e a Roberto Campos Neto, cuja atuação, queiram ou não, conteve a inflação contra as vontades do presidente que o indicou;
  • A tentativa descabida de explorar petróleo na Amazônia, contrariando todo o discurso de campanha, atropelando órgãos ambientais e constrangendo a maior referência internacional em Meio Ambiente que nós temos, a ministra Marina Silva, que ainda teve de enfrentar um quase esvaziamento de suas atribuições sob olhar cândido de Lula;
  • A tentativa de reescrever o passado, reparar a ex-presidente Dilma Rousseff como se merecedora de desagravo fosse e voltar a tratar o impeachment, legítimo e constitucional, oficialmente como golpe.

Esses são apenas alguns dos pontos de atrito com o governo que decidimos apoiar, mas não de forma acrítica. Apontá-los não significa fazer oposição sistemática, muito menos nos perfilarmos com o bolsonarismo.

Até porque muitos dos que ora se insurgem contra as críticas pertinentes ao governo Lula estavam ou estão alinhados a herdeiros de Bolsonaro em seus estados ou abrigados em governos de direita. O que é de amplo conhecimento dentro do Cidadania.

Alguns podem imaginar que isso é irrelevante e que nada disso incomoda ou incomodou o corpo partidário. Mas não foram nem admoestados publicamente nem expurgados do partido, como agora querem alguns.

E não foram porque o presidente – qualquer um que pretenda liderar, na verdade – tem de ter a capacidade de manter o equilíbrio interno. Unidade não há nem mesmo entre os 13 que formam a maioria eventual que agora pretende impor sua visão sobre o coletivo partidário num ato puro e claro de adesismo a teses que não são nossas.

Não pode uma maioria eventual promover mudanças substantivas e programáticas no partido. Para isso, só um Congresso Extraordinário. Precisamos entregar a decisão sobre o nosso futuro, renunciando a nossas posições de liderança, para o conjunto de militantes e filiados ao Cidadania.

Por essas razões, a reunião do dia 9 tem caráter divisionista e vai apenas aprofundar a nossa crise. Basta ver o vexame a que o partido e alguns de nós foram expostos com o vazamento de nosso mais recente encontro.

Sob minha liderança, o partido não deixou de funcionar, muito menos de se reunir, ainda que já enfrentássemos desgastes e divergências internas e o impasse se avizinhasse. Era o que tentava evitar.

O clima de recomposição e camaradagem entre velhos correligionários já não é mais possível entre nós. Se a isso servirão as nossas reuniões, delas já não posso participar.

Não posso, aos 81 anos, desde 1961 dedicado ao PCB, seus sucessores e à vida pública, concorrer para a liquidação do partido.

Roberto Freire

Leia também

Cidadania define critérios de distribuição do fundo eleitoral

A Executiva Nacional do Cidadania definiu neste sábado os...

Nota de repúdio – Não ao PL que criminaliza as vítimas de estupro

A Secretaria Nacional de Mulheres do Cidadania - M23...

M23 de Minas gerais realiza encontro neste sábado

O M23 Cidadania de Minas Gerais realiza neste sábado...

Eleições 2024: Comte visita Mato Grosso no dia 26 de junho

Em nova rodada de preparação do Cidadania para as...
Artigo anterior
Próximo artigo

Informativo

Receba as notícias do Cidadania no seu celular!