Ministro da Saúde diz a Eliziane Gama que é a favor de fechamento ‘mais forte’ para conter contaminação

Marcelo Queiroga admite à senadora não estar ‘confortável’ no cargo ‘numa situação como esta’ da pandemia (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)

Ao ser questionado nesta quinta-feira (06) na CPI da Pandemia pela líder do bloco parlamentar Senado Independente, Eliziane Gama (Cidadania-MA), se há necessidade de se tomar medidas mais restritivas no País, como o lockdown, o  ministro da Saúde Marcelo Queiroga  revelou que é favor  do fechamento “mais forte” localizado para conter a contaminação do coronavírus.

“Um fechamento mais forte é possível, desde que seja localizado, de acordo com a situação e o contexto epidemiológico do local”, afirmou.

No entanto, ele ressalvou que é contrário a um lockdown em nível nacional.

“Acho muito difícil que o fechamento total do país obtenha sucesso”, completou Queiroga.

Bolsonaro x China

Com relação às  declarações do presidente da República, que voltou a insinuar o envolvimento da China com o aparecimento do vírus da Covid-19, Marcelo Queiroga voltou a repetir que “o Ministério da Saúde tem uma boa relação com embaixador chinês”, no entanto, disse que não cabe a ele “fazer juízo de valor sobre as insinuações do presidente da República”.

“Ninguém fica confortável”

Eliziane Gama perguntou ainda ao ministro se ele se sentia confortável em comandar a Saúde, diante de milhares de mortes de brasileiros, de falta de vacinas e tantos outros problemas para serem enfrentados na pasta.

 “Estou aqui trabalhando pelo Brasil, mas ninguém fica confortável numa situação como esta”, respondeu Queiroga.

Recommended Posts

No comment yet, add your voice below!


Add a Comment