Cristina Serra: O governo que odeia indígenas

Funai assumiu linha de frente do ataque aos índios, na contramão de sua obrigação

As intimações para que duas lideranças indígenas, Sônia Guajajara e Almir Suruí, prestem depoimento à Polícia Federal são o mais recente capítulo de um cerco permanente contra os indígenas desde que Bolsonaro chegou ao poder. Já na campanha ele deixara claro que iria persegui-los naquilo que lhes é mais essencial: seu direito à terra, matriz de sua existência e cultura. Tem cumprido a promessa à risca.

O inquérito da PF foi aberto a partir de uma queixa-crime apresentada pela Funai, que assumiu a linha de frente do ataque, na contramão de sua obrigação, qual seja, proteger os índios. A acusação é a de que as lideranças estariam promovendo “fake news” ao criticar o governo pelo péssimo atendimento às aldeias na pandemia.

A Funai mostrou-se particularmente irritada com a série “Agora é a vez do maracá”. O documentário foi produzido pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), da qual Sônia Guajajara é coordenadora-executiva. Exibida na internet, a série traça um roteiro de agressões aos povos nativos, num cenário bastante agravado pela Covid-19. Alguns dos mortos eram os últimos guardiões de tradições, língua e memórias de grupos já bastante reduzidos numericamente.

A pandemia também matou guerreiros que lideraram seus povos nas últimas décadas de confronto com o avanço de desmatadores sobre a floresta. Nesse contexto, as mortes podem se enquadrar nos crimes de genocídio e etnocídio. Até o momento, a Covid matou 1.060 indígenas, de 163 nações.

Além das denúncias, há um outro aspecto muito importante no documentário. Ele é a confirmação de que uma nova geração de indígenas é responsável por uma vibrante produção audiovisual, usando com naturalidade o arsenal tecnológico da sociedade “branca”. Nem por isso eles deixam de ser quem são. Ao contrário, é assim que “a tribo do iPhone” reafirma sua identidade e toma nas mãos o poder de contar sua própria história. (Folha de S. Paulo – 04/05/2021)

Cristina Serra é paraense, jornalista e escritora. É autora dos livros “Tragédia em Mariana – a história do maior desastre ambiental do Brasil” e “A Mata Atlântica e o Mico-Leão-Dourado – uma história de conservação”

Postagens Recomendadas

Nenhum comentário ainda, mostre que você tem voz!


Adicione um comentário